DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque

Baixa rentabilidade faz investidores abandonarem CDB por alternativas na renda fixa

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

Com rentabilidade abaixo da poupança e, em alguns casos, ofertando menos de 1% ao ano de ganhos reais, os CDBs (Certificados de Depósitos Bancários) estão, aos poucos deixando de ser os “queridinhos” dos brasileiros, que buscam a diversificação, mesmo dentro do conservadorismo da Renda Fixa. É o que revela a pesquisa Investimentos de Renda Fixa mais atrativos do Brasil: a busca pela diversificação, elaborada pelo App Renda Fixa, aplicativo, que compara gratuitamente investimentos conservadores em diversas corretoras, ligadas a bancos ou independentes.

Em média, 300 mil investidores consultam a plataforma por mês para comparar as oportunidades de investimento em renda fixa. Do total de consultas realizadas no início do ano, 51,42% envolviam a busca por CDB, mas o percentual caiu para 43,10% em setembro. “Observamos que o brasileiro deseja mais diversificação, mesmo dentro da renda fixa, pois muitos CDBs, principalmente quando falamos de grandes bancos, dão praticamente zero de rentabilidade real”, explica a economista do App Renda Fixa, Karina Garbes.

PUBLICIDADE

Em 2018, o estoque de CDBs bateu sucessivos recordes, chegando ao final de dezembro com R$ 875 bilhões. O volume de emissões no ano ficou bem perto de 5 trilhões, mas o mesmo não é esperado para 2019.  A queda da taxa Selic, hoje em 5% e que pode até encerrar o ano abaixo disso, é o motivador para ganhos tão reduzidos e que leva à saída dos investidores do tradicional papel para outras opções. “Vemos uma mudança no perfil do investidor brasileiro em renda fixa. Apesar de ainda concentrarem seu capital em poupança e CDB, tidos como aplicações mais seguras, porém pouco rentáveis, os brasileiros estão buscando outras oportunidades em renda fixa, como as LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e, apesar de menor número, CRIs e até ativos reais.

Segundo os dados da pesquisa do App Renda Fixa, envolvendo uma base de 1.950 CDBs emitidos, o papel com menor rentabilidade cadastrado na plataforma, rende anualmente 2,99% líquida ao ano, o que significa um ganho real (acima do IPCA) de apenas 0,7% e bem abaixo da poupança (4,49% ao ano). Ao deixar, por exemplo, R$ 10.000 no ativo por um ano, o investidor recebe o bruto de R$ 10.362,84, paga o imposto de renda de R$ 63,50 e fica com um valor líquido de R$ 10.299,34. “Poucas pessoas consideram questões como essas em seus investimentos, a maioria não costuma levar em consideração o IR e a inflação em suas aplicações, o que leva à falsa sensação de ganho mais elevado sem risco”, lembra Karina.

O CDB com maior rentabilidade registrado na plataforma oferece 8,4% de rentabilidade bruta ao ano, o que representa um ganho líquido de IR anual de 7,27%. “As pessoas não precisam mudar a classe de ativo de sua preferência para obter maior ganho e sim pesquisar o que está sendo ofertado no mercado com máximo cuidado”, recomenda a economista.

Já as Letras de Crédito Imobiliário (LCIs), segundo investimento de renda fixa mais procurado no aplicativo, responsável por 20,99% das consultas, também devem passar pela separação joio do trigo. Os dados do app mostram que a LCI com menor rentabilidade proporciona ganho anual de 3,52%, líquida de IR. “Em média, as LCIs rendem mais que os CDBs ainda mais que são isentas de imposto”, complementa Karina. Já a letra mais rentável da plataforma, oferece ganho de IGPM +2.95%, o que representa uma rentabilidade bruta anual ao redor de 6,5%.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!