COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa
CREDITO: CHARLES SILVA DUARTEUsada em 22-05-19 Usada em 16-03-20

A crise provocada pela pandemia do Covid-19 fez com que as micro e pequenas empresas de Minas Gerais recorressem mais ao crédito. Para auxiliar os empresários, o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (Sebrae Minas) e o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) lançaram o Programa Crédito Assistido, que vai capacitar empresários que obtiveram crédito junto ao BDMG com garantias do Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe).

O objetivo é contribuir para a melhor aplicação dos recursos e para o fortalecimento das empresas, o que é considerado essencial para a sobrevivência e o sucesso no período pós-crise.

PUBLICIDADE

O Programa Crédito Assistido é gratuito. Os empresários que conseguiram o acesso aos recursos do BDMG serão convidados por e-mail a participarem. Serão ofertados combos de capacitação, de acordo com a necessidade de cada empreendimento, incluindo cursos, planilhas gerenciais, e-books e consultorias financeiras personalizadas. O início da operação junto aos clientes do BDMG está previsto para o dia 31 de agosto.

O diretor-presidente do BDMG, Sérgio Gusmão, explica que no início da pandemia o foco do banco foi injetar liquidez nas empresas. Agora, junto ao Sebrae Minas, o BDMG irá agregar a educação financeira, dando suporte para que as empresas suportem o atual momento de crise e continuarem ativas no pós-crise.

Conforme os dados do BDMG, de janeiro a julho, os desembolsos para as micro e pequenas empresas superaram R$ 400 milhões, o que significa uma expansão superior a 280% sobre o mesmo período de 2019. O volume de recursos também é o maior da história de desembolso do banco para o setor de micro e pequenas empresas. Somente para as empresas que acessaram o crédito com aval do Fampe, os recursos liberados ficaram na ordem de R$ 163 milhões, representando um crescimento de mais de 88% frente a igual período de 2019. Ao todo, o atendimento chegou a 3,5 mil clientes, 42% a mais.

“Vamos continuar realizando a oferta de crédito, mas, agregando a essa estratégia a possibilidades dessas micro e pequenas empresas planejarem o futuro por meio da capacitação financeira. O financiamento em condições especiais do BDMG se une à experiência em capacitação financeira do Sebrae Minas. Inicialmente será voltado aos clientes que contrataram crédito com o aval do Fampe em 2020”, ressaltou o presidente do BDMG.

Conforme Gusmão, o projeto servirá como um piloto e será estudada a possibilidade de estender a ação para o restante da carteira de empresas que tem aval do Fampe no BDMG, que somam quase 10 clientes.

“Acreditamos que esse cenário deflagrado pela pandemia pode ser um gatinho para uma nova consciência de planejamento financeiro, permitindo que as empresas se estruturem e se fortaleçam. Nós acreditamos no conceito do crédito consciente, ou seja, não apenas disponibilizar o recurso, mas que ele seja um vetor de crescimento para as empresas. Quando temos o suporte de capacitação e de educação financeira nós entendemos que o crédito obtido pelos empresários pode gerar um resultado ainda melhor ao ser aplicado com mais disciplina e eficiência, produzindo resultados ainda melhores”, argumentou.

Empréstimos – O diretor técnico do Sebrae Minas, João Cruz Reis Filho, explica que devido à pandemia, o Sebrae ampliou os recursos aportados no Fampe, destinando R$ 1 bilhão em nível nacional. Com os recursos, a alavancagem estimada é de mais de R$ 10 bilhões em empréstimos junto às instituições financeiras do País.

“A decisão de ampliar os recursos aportados foi acertada. Houve um crescimento amplo na demanda pelo crédito, que se tornou uma necessidade real das micro e pequenas empresas. A novidade é o acompanhamento desse crédito tomado. As empresas, para acessarem os recursos, passam por uma análise criteriosa do BDMG, o que mostra que estão com boa saúde financeira e que necessitam do recurso para atravessar a crise. A nossa ideia é fazer com que o recursos seja bem aplicados e que as empresas continuem em boas condições financeiras para pagar o crédito tomado e permanecer no mercado”, explicou.

Segundo Reis Filho, serão investidas mais de 6,5 mil horas em consultorias a serem prestadas pelo Sebrae Minas aos empresários. A expectativa é contribuir para que as empresas continuem ativas e mantendo a atividade econômica.

“Estamos inaugurando uma nova fase com esse cliente que tomou o crédito. Nesse primeiro momento, ele terá o treinamento na parte de finanças, mas, no segundo momento queremos que ele tenha uma interação mais próxima ao Sebrae, porque termos uma série de outros conteúdos que podem ser relevantes e que irão contribuir para o maior sucesso da empresa”, disse Reis Filho.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!