Cotação de 03/08/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1920

VENDA: R$5,1930

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1930

VENDA: R$5,3470

EURO

COMPRA: R$6,2205

VENDA: R$6,2217

OURO NY

U$1.810,36

OURO BM&F (g)

R$305,16 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2446%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque

BNDES é autorizado a estruturar privatização da Copasa

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

O possível processo de privatização da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) está avançando. A estatal anunciou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) foi autorizado a dar prosseguimento à consulta e estruturação da desestatização da companhia.

“Em atendimento ao disposto na Instrução CVM nº 358/02, informa aos seus acionistas e ao mercado em geral que recebeu, nesta data, Ofício da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico – Sede, informando que o Conselho Mineiro de Desestatização, instituído por meio do Decreto Estadual nº 47.766, de 26 de novembro de 2019, autorizou o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no âmbito do acordo de Cooperação Técnica assinado em 5 de setembro de 2019, a realizar consulta ao mercado visando à contratação de serviços técnicos necessários à estruturação e implementação do processo de desestatização da Copasa MG, assim como o serviço de auditoria externa independente, abrangendo o acompanhamento e a fiscalização da sua implementação”, informa a estatal mineira.

PUBLICIDADE

A privatização da Copasa e da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) é defendida pelo governo estadual, uma vez que os recursos podem ajudar a aliviar os cofres estaduais. Porém, para levar adiante a venda dos ativos o Estado pode precisar até mesmo de realizar um referendo popular.

A obrigatoriedade de referendo para privatização da Cemig e Copasa passou a vigorar com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 50/2001, do governador Itamar Franco.

O texto prevê que a cisão ou extinção de sociedades de economia mista e de empresas públicas, bem como a alienação de ações e qualquer alteração na estrutura societária dessas empresas, em Minas, dependem de autorização expressa em lei específica e aprovada por, no mínimo, 48 deputados estaduais. Também terão de ser, no caso da Cemig e Copasa, aprovadas mediante referendo popular.

Para alterar a norma, é necessária outra Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que exige quórum qualificado, ou seja, a tramitação na Assembleia Legislativa é complexa, conforme informado anteriormente. (Da Redação)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!