COTAÇÃO DE 22/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9650

VENDA: R$4,9660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9570

VENDA: R$5,1130

EURO

COMPRA: R$5,9745

VENDA: R$5,9772

OURO NY

U$1.778,62

OURO BM&F (g)

R$286,53 (g)

BOVESPA

-0,38

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque
Consumo de GNV está em alta no Estado e passou de 1,5% para 5% das vendas realizadas pela estatal em dois anos - Crédito: Divulgação

Uma alteração na forma de o governo estadual cobrar os impostos sobre o Gás Natural Veicular (GNV) resultou na redução de 5,3% no valor do produto no Estado. O novo preço passa a valer a partir de hoje.

Com isso, as boas expectativas para o setor crescem ainda mais. O presidente da Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig), Pedro Magalhães, destaca que o GNV, agora, se torna mais competitivo, o que, automaticamente, faz com o que o consumo aumente.

PUBLICIDADE

As perspectivas são de que o consumo do gás natural veicular cresça 20% já em um ou dois meses, diz o presidente da Gasmig.

Além disso, ele acrescenta, os ganhos poderão ser vistos também em outras esferas. Com a utilização maior do GNV, há a diminuição da poluição, segundo Pedro Magalhães.

Cenário – Os avanços do consumo do produto no Estado, porém, já vêm sendo sentidos há mais tempo. Os dados mostram que eles são bastante significativos e que ainda existe muito potencial para expansão.

Há dois anos, por exemplo, o GNV representava 1,5% do consumo da Gasmig. Atualmente, esse número já chegou a 5%. Até o fim de 2020, as expectativas são de que esse valor aumente ainda mais, para 10%.

Esse positivo cenário tem sido impulsionado, segundo o presidente da Gasmig, pelos programas de incentivo e também por causa dos valores menores oferecidos pelo produto, assim como pelo avanço dos preços da gasolina.

Para se ter uma ideia, de acordo coma os dados da estatal, com R$ 50 é possível percorrer 117 km utilizando gasolina, 130 km com etanol e 195 km com o GNV.

Além disso, falando da consolidação ainda maior do segmento que deverá ocorrer em breve, o lançamento de novos carros movidos a gás será responsável por dar ainda mais fôlego para o segmento.

Cidade em movimento – O presidente da Gasmig ainda afirma que Belo Horizonte está muito bem atendida quando se trata da utilização de gás.

O profissional salienta que, durante a greve dos caminhoneiros no ano passado, por exemplo, a cidade não parou graças à utilização do produto, inclusive por aqueles que prestam serviços como motoristas.

Petrobras vende campos por US$ 7,2 mi

Rio – A Petrobras assinou ontem contratos com a Central Resources do Brasil para a venda da totalidade de sua participação nos campos terrestres de Ponta do Mel e Redonda, no Rio Grande do Norte, por US$ 7,2 milhões, informou a empresa em comunicado.

A Central Resources, que atua no RN e no Espírito Santo, já detinha os chamados contratos de risco dos campos – que, nos anos 1980, permitiram que empresas explorassem determinadas áreas com o direito de receber uma participação financeira da Petrobras em caso de descobertas, o que ocorreu em Ponta do Mel e Redonda.

Segundo a Petrobras, a produção de ambos os campos no primeiro semestre deste ano totalizou cerca de 540 barris por dia.

“A transação está alinhada à otimização do portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando à geração de valor para os nossos acionistas”, disse a estatal, acrescentando que o pagamento ocorrerá no fechamento da transação.

Combustível – A Petrobras terá todo seu combustível marítimo (bunker) comercializado com teor máximo de 0,5% de enxofre a partir de hoje, ao cumprir antes do prazo regras internacionais, que visam reduzir a poluição, previstas para 2020, informou a companhia em nota à Reuters.

A nova especificação, estabelecida pela Organização Marítima Internacional (IMO, na sigla em inglês), reduz o teor de enxofre de 3,5% para 0,5% a partir do próximo ano. O novo limite atende à Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Navios (Marpol), da qual o Brasil é signatário.

Desde quando começou a adequar suas refinarias e unidades operacionais para a produção do combustível, em abril, até agora, a Petrobras já ultrapassou a produção de 1,2 milhão de metros cúbicos de bunker com teor de enxofre abaixo de 0,5%, disse a empresa.

A produção, segundo a petroleira, irá atender à totalidade da demanda no Brasil e o excedente será exportado.

“A redução do nível de enxofre no bunker oferece à Petrobras oportunidade de aumentar sua participação nos mercados mundiais de óleo combustível e bunker de forma rentável, além de conferir maior valorização ao petróleo brasileiro”, disse a companhia.

A empresa preferiu não informar qual será sua capacidade anual de produção, quais as refinarias que produzem e qual a demanda no mercado brasileiro.

Os portos onde a Petrobras comercializa bunker são Rio Grande, Paranaguá, Santos, São Sebastião, Angra dos Reis, Rio de Janeiro, Vitória, Salvador, Fortaleza, São Luís, Belém e Manaus.

Uruguai – A companhia anunciou ontem também que assinou um acordo para deixar o segmento de distribuição de gás natural no Uruguai, a partir de um acerto obtido em julho entre o presidente do país, Tabaré Vázquez, e o CEO da estatal, Roberto Castello Branco, informou a empresa ontem.

Segundo comunicado da petroleira, a companhia e sua subsidiária uruguaia concluíram a transferência das concessões e das ações correspondentes da Distribuidora de Gas de Montevideo e da Conecta ao Estado uruguaio. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!