COTAÇÃO DE 04/03/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6572

VENDA: R$5,6582

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5600

VENDA: R$5,8300

EURO

COMPRA: R$6,7415

VENDA: R$6,7445

OURO NY

U$1.698,79

OURO BM&F (g)

R$309,40 (g)

BOVESPA

+1,35

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa

Casa Verde e Amarela pode dinamizar mais setor imobiliário

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Tomaz Silva / ABr

Lançado nessa terça-feira (25) pelo governo federal, em uma cerimônia realizada no Palácio do Planalto, o programa Casa Verde e Amarela, uma espécie de reestruturação do “Minha casa, minha vida (MCMV)”, pode ajudar a movimentar a economia e render bons frutos. A avaliação é do diretor da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Renato Michel.

Uma das mudanças do novo programa é a diminuição da taxa de juros, o que ocorrerá em todas as regiões, mas de forma diferenciada no Norte e no Nordeste. Nas duas regiões, a redução poderá atingir 0,5 ponto percentual para famílias cuja renda é de até R$ 2.000 por mês e 0,25 ponto para aquelas que recebem entre R$ 2.000 e R$ 2.600, podendo chegar a 4,25% ao ano e a 4,5% nas demais localidades.

PUBLICIDADE

“O programa Minha casa, minha vida não acompanhou as quedas de juros que a gente viu na taxa Selic nos últimos meses. Com isso, a taxa que era boa não ficou tão boa mais. A redução  no Casa Verde e Amarela é uma excelente notícia, vai dinamizar ainda mais o setor imobiliário”, pontua Renato Michel.

Até o ano de 2024, o programa deverá atender 1,6 milhão de famílias de baixa renda com o financiamento habitacional, o que também é visto como positivo pelo diretor da Fiemg. Esse número representa um incremento de 350 mil casas quando se comparado ao que seria possível atender com o “Minha casa, minha vida”. Para isso, foram feitas negociações com o Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que dá subsídio ao programa, e com a Caixa Econômica Federal (CEF).

Outra ação ressaltada como positiva por Renato Michel é a de regularização fundiária. Para esses programas, serão investidos R$ 500 milhões, por meio de uma negociação do governo federal com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Espera-se a regularização de 2 milhões de residências brasileiras sem escritura.

Melhorias em unidades habitacionais que se encontram em estado precário também é uma das propostas do novo programa. A meta, atualmente, é que 400 mil residências sejam atingidas pelo programa até 2024.

Segundo Michel, todo esse cenário que possibilita que mais pessoas adquiram a casa própria e que existam melhorias nas residências colabora com diversos setores da sociedade. “Ajuda a resolver questões relacionadas à saúde e à segurança, por exemplo”, argumenta.

Construção civil – O segmento de construção civil, que já vem se mostrando promissor, receberá mais um estímulo, agora por meio do Casa Verde e Amarela, segundo Michel. Ele frisa que esse é um dos setores com mais capacidade para gerar emprego e renda.

“A construção civil é um grande gerador de emprego e renda. Em julho, o segmento contou com 41 mil novas vagas de trabalho formal no Brasil. Em Belo Horizonte, também em julho, foi o único grande setor com resultado positivo no mercado de trabalho formal, com mais 2.223 postos de trabalho”, salienta.

No lançamento realizado ontem, o presidente Jair Bolsonaro assinou a medida provisória (MP) responsável pela criação do Casa Verde e Amarela. Agora, deverá ser votada por uma comissão mista e, posteriormente, encaminhada para a Câmara dos Deputados e para o Senado. O texto poderá ser aprovado como está, passar por transformações ou mesmo ser derrubado pelas Casas.

Foco é centrado nas regiões Norte e Nordeste

Crédit:o: Marcos Corrêa/PR

Brasília – O governo federal lançou nesta terça-feira o programa Casa Verde Amarela, que vai substituir o “Minha casa, minha vida” (MCMV), com redução do juro habitacional, foco nas regiões Norte e Nordeste e meta de atender 1,6 milhão de famílias de baixa renda até 2024.

De acordo com o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, a redução da taxa de juros diminuirá a renda necessária para as famílias acessarem o programa habitacional, o que dará acesso adicional para ao menos 1 milhão de mutuários.

No Norte e no Nordeste, a queda na taxa de juros será de até 0,5 ponto percentual para famílias com renda de até R$ 2 mil mensais, e de 0,25 ponto para quem ganha de R$ 2 mil a R$ 2,6 mil. Nas demais regiões, a queda será de 0,25 ponto percentual.

A renda máxima para acesso ao programa é de R$ 2,6 mil mensais para Norte e Nordeste e de R$ 2 mil nas outras regiões. O valor máximo dos imóveis financiados também foi ampliado.

Segundo o ministro, a diferença acontece porque Sul, Sudeste e Centro-oeste, onde a renda é mais alta, costumam se apropriar mais rapidamente dos recursos para financiamento habitacional.

“As famílias no Norte e Nordeste têm mais dificuldade de acesso. Fizemos essa distinção impacto maior da prestação onde a demanda reprimida é muito maior porque é uma questão de justiça, enfrentar o desigual de forma desigual”, afirmou.

De acordo com nota do ministério, a diminuição dos custos financeiros “será possível com a redução na taxa de juros para a menor da história do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e mudanças na remuneração do agente financeiro”.

A MP “busca aprimorar os programas habitacionais existentes e diversificar o catálogo de opções ofertado, tendo em vista as realidades diversas sobre as quais a política habitacional deve incidir”, afirma nota da Secretaria Geral da Presidência.

Outro braço do programa é a regularização fundiária de residências urbanas, com meta de regularizar 2 milhões de moradias e fazer melhorias em 400 mil até 2024.

O programa deve contemplar áreas ocupadas principalmente por famílias com renda de até R$ 5 mil mensais em núcleos urbanos informais, com custo individual de R$ 500 a R$ 20 mil. Ficam de fora do programa casas em áreas que não possam ser regularizadas, como de proteção ambiental, ou em áreas de risco.

Orçamento – Ao todo, o programa deve ter orçamento de R$ 25 bilhões do FGTS e outros R$ 500 milhões do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS). Segundo Marinho, os recursos do FDS, formado por bancos privados, não vinham sendo usados nos últimos dez anos.

A aposta do governo é que o novo programa, que altera alguns pontos do “Minha casa, minha vida”, criado em 2009 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, será capaz de gerar 2,3 milhões de empregos diretos, indiretos e induzidos até 2024.

A MP prevê ainda possível renegociação de dívidas de mutuários na faixa 1 do programa e com renda de até R$ 1.800. Segundo Marinho, a legislação impedia a renegociação e obrigava o governo a retomar as moradias. “Estamos corrigindo uma injustiça”, afirmou o ministro. (Reuters)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente