COTAÇÃO DE 22/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9650

VENDA: R$4,9660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9570

VENDA: R$5,1130

EURO

COMPRA: R$5,9745

VENDA: R$5,9772

OURO NY

U$1.778,62

OURO BM&F (g)

R$286,53 (g)

BOVESPA

-0,38

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Cerca de 20% da produção do Estado não deve ser retomada

COMPARTILHE

Crédito: PAULO ARUMAÁ / AGÊNCIA VALE

Parte da atividade da mineração que foi paralisada após a tragédia da Vale em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, não deve ser retomada. Segundo o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Flávio Roscoe, cerca de 40 milhões de toneladas de minério – o que corresponde à metade da produção que está parada atualmente e a 20% da produção total do Estado – não devem voltar a ser produzidas pelas mineradoras.

“Tem mina que não vai retornar. Mas a grande maioria vai retomar e está com o processo de mineração a seco adiantado”, disse.

PUBLICIDADE

De acordo com levantamento da Fiemg, a redução da atividade das mineradoras diminuirá a produção de minério em 90 milhões de toneladas/ano até 2020 e de 65 milhões de toneladas em 2021.

Roscoe informou ainda que a previsão de retorno da atividade das minas paradas deve ser analisada caso a caso e depende do novo marco regulatório, liberações do Ministério Público, do Judiciário e da Agência Nacional de Mineração (ANM).

No caso da mina Brucutu, a Fiemg espera que a Justiça volte atrás e, ainda nesta semana, libere novamente as operações da mina em São Gonçalo do Rio Abaixo. Já para a Samarco, em Mariana, a expectativa é de retomada das atividades no segundo semestre de 2020, com operações a seco. Ele reforçou que os investimentos na mineração continuam, inclusive para adequação às novas normas.

Vale – O deputado federal Diego Andrade (PSD) defendeu que parte dos investimentos em projetos estruturantes que podem minimizar as perdas para o Estado geradas pela queda da mineração seja feita pela própria Vale. “Parte desses investimentos pode e deve vir sim da mineração”, afirmou.

Como exemplo ele citou que a Vale está investindo R$ 150 milhões em uma adutora para Pará de Minas, cidade cujo abastecimento foi afetado pelo rompimento da barragem em Brumadinho. Ele reforçou que tais investimentos não excluem a responsabilização dos responsáveis pela tragédia. “A parte criminal tem que ser punida de forma severa”, disse.

O senador Antonio Anastasia (PSDB) ponderou que os novos investimentos na mineração ocorrerão sob nova regulamentação que já foi aprovada no Senado e está em tramitação na Câmara dos Deputados.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!