COTAÇÃO DE

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6280

VENDA: R$5,6280

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6030

VENDA: R$5,7800

EURO

COMPRA: R$6,7254

VENDA: R$6,7278

OURO NY

U$1.763,38

OURO BM&F (g)

R$319,29 (g)

BOVESPA

+0,34

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Cervejarias artesanais obtêm incentivo na Capital

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Atualmente, Belo Horizonte conta com 37 empresas do setor, que geram 228 empregos - Foto: Alisson J. Silva Cervejaria Backer - 26/01/10

Belo Horizonte já se consolidou como capital dos bares, mas, ainda assim, ganhou novo impulso para negócios nesse segmento. Com a Lei 11.128/18, sancionada pelo prefeito Alexandre Kalil (PHS), na semana passada, a abertura de cervejarias artesanais na capital mineira fica facilitada. Presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Minas Gerais (Abrasel Minas), Ricardo Rodrigues, avalia que, além de incentivar o setor, o novo texto vai mudar o perfil cervejeiro da Capital, que deve passar a contar com um número maior de empreendimentos de menor porte, ao estilo dos chamados brewpubs, bares que produzem a própria cerveja no local e as vendem no mesmo lugar.

Secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Cláudio Beato informou ontem que, atualmente, Belo Horizonte conta com 37 cervejarias, que geram 228 empregos. Segundo ele, a expectativa é de que, com a nova lei, esses números dobrem no prazo de dois anos. “A lei é uma mudança estratégica importante, que possibilita que Belo Horizonte conte com mais cervejarias artesanais. Vamos consolidar o setor, que já é referência nacional e internacional”, disse.

PUBLICIDADE

Publicado na última sexta-feira (7), o texto já está valendo. A nova lei prevê que cervejarias de até 720 metros quadrados podem se estabelecer fora das áreas industriais e grandes avenidas da Capital, passando a ter exigências de localização e fiscalização sanitárias semelhantes às de bares.

Emprego e renda – O presidente da Abrasel, Ricardo Rodrigues, ressalta que, com o incremento das cervejarias artesanais, o município ganha com ampliação de arrecadação e geração de emprego. A associação calcula que o setor vem crescendo, em Minas, cerca de 20% ao ano.

Até então, a norma que vigorava na cidade considerava as cervejarias artesanais como unidades industriais e as classificava como atividade de nível 3, ou seja, causadoras de grande impacto. Com isso, elas estavam limitadas a áreas industriais – localizadas nos bairros Olhos D´Água e São Francisco – e a grandes avenidas. Com a mudança, as cervejarias artesanais passam para nível 2.

Com as restrições que vigoravam até então, o mercado das cervejarias artesanais na Capital acabou privilegiando os empreendimentos maiores, como Wäls, Backer, Hofbräuhaus e Krug Bier. Os pequenos empreendedores, então, terminaram seguindo para cidades da região metropolitana, principalmente Nova Lima.

Conselheiro da Abrasel Minas e empresário do setor, Gustavo Alves considera que, com as mudanças, os cervejeiros poderão instalar seus negócios em áreas mais baratas de Belo Horizonte, reduzindo os custos. Além disso, há a desburocratização do licenciamento.
Com isso, muda o perfil de negócio em Belo Horizonte, devendo ganhar força as chamadas nanocervejarias, de 50 a 100 metros quadrados, com produção e venda da cerveja no mesmo lugar. “É mais opção para o consumidor”, afirma.

Alves é exemplo de que as novas regras na Capital podem atrair empreendimentos. Atualmente, ele fabrica cerveja artesanal em Capim Branco, na região metropolitana, e vende no bar Köbes, no Horto, região Leste de Belo Horizonte. O empresário já se prepara para passar a fabricação também para a Capital e explica que, com o novo sistema, não haverá engarrafamento da cerveja. “Vai direto do barril para o copo”, explica.

Segundo Gustavo Alves, uma das vantagens de Belo Horizonte é a concentração do mercado consumidor. Ele informa ainda que há projetos em discussão para se criar um circuito turístico específico para as cervejarias artesanais.

Plano Diretor – A Lei 11.128/18 é oriunda do Projeto de Lei 475/18, de autoria do vereador Léo Burguês (PSL). O vereador Léo Burguês informou que a alteração estava prevista no Plano Diretor de Belo Horizonte, em tramitação na Capital. Para agilizar a mudança, o texto foi votado separadamente, com uma alteração: na versão original, a mudança valia para empreendimentos de até 500 metros quadrados. “O texto foi separado excepcionalmente para garantir agilidade na geração de empreendimentos para a cidade”, destacou.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!