COTAÇÃO DE 19/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5930

VENDA: R$5,5940

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,7770

EURO

COMPRA: R$6,4569

VENDA: R$6,4588

OURO NY

U$1.768,97

OURO BM&F (g)

R$315,96 (g)

BOVESPA

-3,28

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque livre

Chuvas comprometem vendas de cimento em fevereiro

COMPARTILHE

Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo DC

As vendas de cimento no mercado interno em fevereiro de 2020 totalizaram 4,1 milhões de toneladas, o mesmo volume de fevereiro de 2019, de acordo com o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC).

Ainda sim no acumulado do ano a queda é de 0,5%, em razão das fracas vendas registradas em janeiro.

PUBLICIDADE

As vendas das regiões Norte e Sudeste continuam influenciando negativamente o desempenho do setor, pelas mesmas razões de janeiro: as chuvas continuaram volumosas, impactando o ritmo das obras.

Segundo o presidente do SNIC, Paulo Camillo Penna, os resultados do mês passado mostram uma desaceleração.

“Tivemos menos dias úteis em fevereiro de 2020 em virtude do carnaval, e a esperada melhora de venda de cimento acabou não vindo pelo grande volume de chuva registrado no mês. Tomando por base as vendas por dia útil, o acumulado no primeiro bimestre registra um crescimento de 2,9%”, afirma.

Na comparação por dia útil (melhor indicador da indústria por considerar o número de dias trabalhados e que tem forte influência no consumo de cimento) as vendas do produto no mercado interno registraram em fevereiro aumento de 7,4% em comparação ao mesmo mês do ano anterior. O mesmo indicador apresentou alta de 5,8% na comparação entre fevereiro e janeiro de 2020.

O consumo aparente de cimento (vendas no mercado interno + importações) totalizou 4,1 milhões de toneladas no segundo mês de 2020. O resultado é 0,1% maior do que fevereiro de 2019. 

PerspectivasO ano de 2019 terminou com otimismo, com menor grau de incerteza associada aos principais riscos que afetaram a economia mundial ao longo do ano passado.

No entanto, 2020 começou turbulento. A crise EUA-Irã, e depois, a epidemia de Coronavírus, cujo alcance e duração ainda são incertos, afetam a economia em várias regiões do mundo.

No Brasil, os dados econômicos nos últimos meses do ano passado mostram uma lenta aceleração.

“A previsão inicial de crescimento no país em 2019 era de 2%, entretanto o PIB divulgado apontou aumento de 1,1%, demonstrando uma recuperação, mas aquém do necessário” comentou o executivo.

“O PIB da construção fechou 2019 com alta de 1,6%, contribuindo para o melhor desempenho da atividade econômica. Por outro lado, a expansão imobiliária foi heterogênea e mais concentrada no Sudeste. O programa Minha Casa Minha Vida, fundamental para o desenvolvimento da atividade da construção civil e da demanda de cimento, aguarda a já anunciada mudança prometida pelo Governo, bem como a retomada da construção imobiliária em todas as regiões do país, incorporando maior dinamismo ao setor habitacional. O setor de infraestrutura, que já representou uma parcela significativa do consumo de cimento e de onde se espera uma recuperação em 2020 ainda não retomou a velocidade desejada” afirmou o presidente.

“A velocidade das aprovações das reformas, a recuperação do emprego e os impactos do Coronavírus deverão ditar o ritmo da economia brasileira nos próximos meses e em 2020” conclui o executivo.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!