Crédito: Josué Paulo Lacerda/CNI

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) voltou a se recuperar em julho, após atingir seu menor patamar em abril, quando a crise da pandemia do novo coronavírus se mostrou mais aguda.

Divulgado na sexta-feira (10) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o indicador teve a terceira alta seguida e chegou aos 47,6 pontos, 6,4 pontos acima do registrado em junho. Ainda assim, o indicador situa-se abaixo dos 50 pontos, refletindo falta de confiança. O Icei varia de 0 a 100, e valores abaixo de 50 pontos denotam falta de confiança.

O Icei se recuperou principalmente devido às expectativas para os próximos seis meses. O Índice de Expectativas, componente do Icei, subiu 6,2 pontos e alcançou 54,1 pontos, ou seja, acima dos 50 pontos, que divide expectativas pessimistas e otimistas.

Já a situação econômica atual, de acordo com a percepção dos empresários industriais, continua pior que a dos últimos seis meses, o que já era esperado. O Índice de Condições Atuais chegou a 34,5 pontos. A alta de 6,8 pontos ante a última pesquisa mostra uma percepção menos negativa do cenário atual dos negócios.

“O início da reabertura das atividades econômicas na maioria das cidades brasileiras tem alimentado as expectativas de recuperação da economia, embora a atividade industrial continue desacelerada”, afirma o gerente-executivo de Economia da CNI, Renato da Fonseca. (Com informações da CNI)