COTAÇÃO DE 26/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,7610

VENDA: R$4,7610

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8500

VENDA: R$4,9530

EURO

COMPRA: R$5,1433

VENDA: R$5,1459

OURO NY

U$1.850,86

OURO BM&F (g)

R$284,80 (g)

BOVESPA

+1,18

POUPANÇA

0,6719%

OFERECIMENTO

Economia Economia-destaque

Combustíveis têm altas consecutivas e impactam inflação

COMPARTILHE

Uma receita mais simples
Crédito: Charles Silva Duarte/Arquivo DC

A retomada de parte das atividades econômicas está estimulando o mercado de combustíveis em Minas Gerais e em Belo Horizonte. Com a maior movimentação de veículos, os preços dos principais combustíveis vêm apresentando altas consecutivas, o que tem gerado aumento da inflação em julho.

De acordo com os dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o valor médio apurado nos postos de Minas Gerais para a gasolina foi de R$ 4,16 por litro entre os dias 28 de junho e 4 de julho.

PUBLICIDADE




Já no último levantamento – feito entre 19 e 25 de julho – o combustível foi comercializado, em média R$ 4,29, aumento de 3,12% entre as semanas. Na comparação com a semana imediatamente anterior (12 a 18 de julho), a gasolina ficou 0,7% mais cara, com o preço ao consumidor saindo de R$ 4,26 para R$ 4,29.

O etanol também apresentou alta nas últimas quatro semanas na média estadual. O levantamento da ANP mostra que o valor cobrado, em média, do consumidor encerrou a semana de 19 a 25 de julho em R$ 2,83 por litro, valor 1,4% mais caro que o praticado entre 28 de junho e 4 de julho, que foi de R$ 2,79 por litro. Na comparação com a semana imediatamente anterior – de 12 a 18 de julho – o preço se manteve estável.

Em relação ao diesel, em Minas Gerais, durante a semana de 19 a 25 de julho, o combustível foi vendido a R$ 3,34, o que representou uma alta de 4,7% quando comparado com quatro semanas antes (28 de junho a 4 de julho), quando o combustível estava cotado a R$ 3,19. Na comparação com a terceira semana, a alta foi de 1,21%, já que o diesel era vendido a R$ 3,30.

Distribuidoras – Assim como visto nos preços voltados para o consumidor, nas distribuidoras também foram feitos reajustes. No caso da gasolina, no acumulado das últimas quatro semanas, encerradas em 25 de julho, o combustível ficou 2,9% mais caro, com o preço saindo de R$ 3,79 o litro para R$ 3,90.

PUBLICIDADE




No mesmo período, o valor do diesel nas distribuidoras saiu de R$ 2,85 e chegou a R$ 2,96, variação positiva de 3,85%. Já no etanol, o valor ficou estável, com o litro vendido a R$ 2,46.

Assim como em Minas Gerais, em Belo Horizonte os combustíveis também tiveram reajustes nos preços. Na semana de 19 a 25 de julho, o litro da gasolina foi comercializado para o mercado final a R$ 4,20, em média, o que representou um avanço de 4,17% frente aos R$ 4,02 registrados na semana de 28 de junho a 4 de julho. Na comparação com a terceira semana, a variação positiva nos preços foi de 0,96%. Nas distribuidoras, o combustível subiu de R$ 3,8, o litro, para R$ 3,88, aumento de 2,01%.

Em relação ao etanol, o valor do biocombustível para os consumidores encerrou a semana da semana de 19 a 25 de julho em R$ 2,72, ante R$ 2,66 praticados na semana de 28 de junho a 4 de julho, alta de 2,25%. Em relação a terceira semana, houve manutenção do preço.

Ainda na capital mineira, o valor do diesel nos postos, na penúltima semana de julho, alcançou R$ 3,35 por litro, ficando 5% mais caro que os R$ 3,19 praticados na semana de 28 de junho a 4 de julho e 1,5% maior que os R$ 3,30 registrados na semana imediatamente anterior.

Inflação – A coordenadora de pesquisas da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais da Universidade Federal de Minas Gerais (Ipead/UFMG), Thaíze Martins, explica que a alta verificada nos preços dos combustíveis contribui para o aumento da inflação, uma vez, que o peso da gasolina, principalmente, é alto entre os componentes da inflação.

“A gasolina é o combustível com maior peso na composição do índice de inflação e quando há uma valorização, normalmente, ela impacta e se destaca no mês. No nosso resultado prévio para julho, referente à terceira quadrissemana de julho (três semanas de julho com a última de junho frente a igual período imediatamente anterior), a gente já tem a gasolina sendo destaque do período, com alta de 2,03%, em Belo Horizonte, e com uma contribuição de 0,08 pontos percentuais na inflação. No mesmo período, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) da cidade de Belo Horizonte, apresentou uma variação positiva de 0,28%”.

Ainda segundo Thaíze, com o relaxamento do distanciamento social, para controle do Covid-19, há um maior volume de veículos nas ruas, o que vem estimulando o consumo e provocando a alta dos combustíveis, que já era esperada devido à queda verificada nas primeiras semanas de distanciamento social, quando houve retração de consumo e de preços dos combustíveis.

“O que observamos é que no início da pandemia os preços e o consumo estavam em queda, não só no Brasil, nas em nível mundial. Agora, a demanda e os preços estão se recuperando, mas ainda estão abaixo dos valores praticados antes da pandemia”, disse Thaíze.

Dos 242 itens que compõem os cálculos do IPCA, a gasolina ocupa a sétima colocação e, por isso, tem maior peso. Os demais combustíveis, diesel e etanol, também contribuíram de forma positiva, porém a representatividade é muito pequena. O etanol ocupa a 88ª posição e o diesel a 176 ª.

Petrobras tem prejuízo de R$ 2,7 bilhões

São Paulo – A Petrobras reportou ontem prejuízo líquido de R$ 2,7 bilhões no segundo trimestre, ante lucro de R$ 18,87 bilhões mesmo período do ano passado, quando a companhia tinha registrado seu melhor resultado trimestral.

A Petrobras apontou que, em uma conjuntura de preços e demanda mais baixos devido à pandemia, houve uma melhora ante o prejuízo de R$ 48,5 bilhões no primeiro trimestre, principalmente devido à ausência de impairments no período.

Além de não ter registrado baixas contábeis, que no trimestre anterior colaboraram para a companhia ter a maior perda de sua história, um ganho proveniente da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Confins, após decisão judicial favorável, limitou o prejuízo entre abril e junho, já que teve um efeito de R$ 10,9 bilhões no resultado.

Segundo a estatal, excluindo esses fatores, a perda teria sido pior devido aos impactos do Covid-19 nas operações, com reflexo nos preços, margens e volumes.

“A eclosão de uma crise global de saúde causou uma recessão global profunda e sincronizada que afetou severamente a indústria global de óleo e gás”, disse o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, em relatório.

“Os preços do petróleo Brent, que eram de US$ 65 por barril em fevereiro despencaram para US$ 19 em abril de 2020, devido à contração de 25% na demanda global, ameaçando uma parada súbita nos fluxos de caixa”, acrescentou o CEO.

A empresa também registrou maiores despesas operacionais relacionadas à hedge e à implementação dos planos de demissão voluntária.

O lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda) ajustado somou cerca de R$ 25 bilhões, recuo de 23,5% na comparação anual.

Preços – A companhia anunciou a redução no preço médio da gasolina em suas refinarias em 4% a partir desta sexta-feira (31), enquanto o diesel seguirá com cotações estáveis.

O corte anunciado ontem segue-se a nove aumentos seguidos para a gasolina desde meados de abril, quatro deles na casa de dois dígitos, segundo dados da Petrobras compilados pela Reuters.  (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!