COTAÇÃO DE 27/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,7380

VENDA: R$4,7380

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8300

VENDA: R$4,9460

EURO

COMPRA: R$5,0781

VENDA: R$5,0797

OURO NY

U$1.853,86

OURO BM&F (g)

R$284,80 (g)

BOVESPA

+0,05

POUPANÇA

0,6462%

OFERECIMENTO

Economia

Confiança do setor de construção piora em janeiro

COMPARTILHE

Trabalhador em construção civil
Crédito: Fernando Frazão/Agência Brasil

Rio de Janeiro – O Índice de Confiança da Construção (ICST) recuou 3,9 pontos em janeiro, passando para 92,8 pontos. Segundo o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV-Ibre), que calcula o indicador, este é o menor nível desde junho de 2021, quando registrou 92,4 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice caiu 1,1 ponto.

A piora na percepção dos empresários sobre o momento atual e nas expectativas em relação aos próximos meses contribuíram para a retração do ICST no mês. O Índice de Situação Atual (ISA-CST) teve queda de 2,1 pontos, chegando a 90,7 pontos. O patamar é o menor nível desde julho do ano passado, que registrou 89,4 pontos.

PUBLICIDADE




A queda do ISA-CST resultou da combinação do movimento negativo do indicador de carteira de contratos, que recuou 2,4 pontos, passando para 91,4 pontos, com a piora do indicador que mede a situação atual dos negócios, que recuou 1,9 ponto, atingindo 90,1 pontos. De acordo com o Ibre, os dois retornaram ao menor nível desde julho de 2021.

A coordenadora de Projetos da Construção do FGV-Ibre, Ana Maria Castelo, informou que em dezembro a alta da confiança das empresas da construção tinha destoado da percepção mais negativa que prevaleceu nos demais setores.

Segundo Ana Maria, esse comportamento foi fortemente corrigido em janeiro e o indicador revelou um pessimismo mais acentuado em relação à demanda prevista para os próximos meses. “Certamente o ambiente de mais incertezas com a evolução da pandemia e de taxas de juros maiores deve ter contribuído para a reversão do humor”.

A coordenadora destacou que em 2021 a construção civil foi favorecida pelo mercado imobiliário. “Vale lembrar que a retomada da construção ganhou fôlego em 2021 com o desempenho positivo do mercado imobiliário. As vendas e lançamentos cresceram impulsionados por taxas de crédito, que em agosto atingiram um piso histórico. A mudança de cenário terá impactos sobre os novos negócios em 2022”, disse.

PUBLICIDADE




O sentimento do futuro também não está bom. O Índice de Expectativas (IE-CST) registrou retração de 5,8 pontos, caindo para 95 pontos. Esse é o menor nível desde maio do ano passado, quando atingiu 89,9 pontos. A deterioração das perspectivas sobre a demanda nos próximos meses impactou o resultado.

Houve queda também no indicador que mede a demanda prevista. Foram menos 6,6 pontos, passando para 96,4 pontos. O indicador que projeta a tendência dos negócios nos próximos seis meses caiu 4,9 pontos, para 93,6 pontos, sendo o menor nível desde maio de 2021. Naquele momento anotou 90,5 pontos.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!