COTAÇÃO DE 03-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6790

VENDA: R$5,6800

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,7000

VENDA: R$5,8300

EURO

COMPRA: R$6,3643

VENDA: R$6,3655

OURO NY

U$1.784,10

OURO BM&F (g)

R$321,33 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4739%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque livre
Crédito: REUTERS/Brendan McDermid

Nova York – Os preços do petróleo encerraram na sexta-feira (13) a pior semana desde a crise financeira de 2008, abalados pela pandemia de coronavírus e por esforços da Arábia Saudita e aliados para inundar o mercado com níveis recordes de oferta.

A rara combinação de choques severos tanto de oferta quanto de demanda levou o mercado de petróleo ao colapso, à medida que produtores de todo o mundo se preparam para um inesperado excesso do combustível fóssil a partir das próximas semanas.

PUBLICIDADE

“O problema é uma guerra de preços em meio a um mercado que já se contraía, com as paredes se fechando”, disse Daniel Yergin, historiador norte-americano especializado em energia.

Na sexta-feira, as cotações registraram alta, recuperando-se depois de os Estados Unidos e outros países assinarem planos de suporte a economias em enfraquecimento.

No acumulado da semana, porém, o Brent cedeu 25%, maior queda semanal desde a crise financeira global de 2008. O valor de referência internacional fechou a sexta-feira em alta de US$ 0,63, a US$ 33,85 por barril.

Os contratos futuros do petróleo dos EUA despencaram cerca de 23% na semana, também maior recuo percentual desde 2008. Na sexta-feira, o WTI avançou US$ 0,23, a US$ 31,73 o barril, depois de ter atingido máxima de US$ 33,87 na sessão.

“Há expectativas de que todos os estímulos estabilizem a economia e compensem parte das preocupações relacionadas ao enfraquecimento da demanda, mantendo partes da economia fortes o suficiente para sustentar os preços do petróleo”, disse Phil Flynn, analista do Price Futures Group em Chicago.

Impactos – As fortes quedas verificadas nos preços globais do petróleo nos últimos dias vão afetar negativamente as margens e fluxos de caixa dos produtores de açúcar e etanol do Brasil, afirmou na sexta-feira a agência de classificação de riscos Fitch.

Com o valor mais baixo do petróleo, a competitividade do concorrente etanol deve diminuir, fazendo com que a tendência seja de que o setor sucroalcooleiro altere o mix de produção em favor do adoçante.

“Isso pode criar um excesso de oferta, reduzindo os preços internacionais do açúcar. Como maior exportador de açúcar do mundo, o Brasil tem a capacidade de elevar a oferta global de açúcar muito rapidamente, o que pode deprimir os preços internacionais”, disse a Fitch em relatório.

A agência mencionou a correlação dos reajustes realizados pela Petrobras no valor dos combustíveis nas refinarias com o etanol. Na quinta-feira (12), a petroleira cortou em 9,5% o preço da gasolina e em 6,5% o do diesel.

“Uma retroalimentação para a queda dos preços do etanol é inevitável, com o impacto final dependendo de quão rápido e em qual magnitude a Petrobras ajuste os preços domésticos (de combustíveis)”, disse a agência.

As cotações do petróleo vêm em queda livre neste ano, com a commodity recuando praticamente pela metade diante dos impactos de demanda causados pela pandemia de coronavírus e de uma guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia.

O valor do açúcar nos mercados internacionais tende a acompanhar os preços da energia.

O contrato maio do açúcar bruto atingiu uma mínima de cinco meses na quinta-feira, a US$ 0,1153 por libra-peso.

Hedge – Para a agência, empresas com “alta flexibilidade produtiva e estratégicas eficientes de hedge (fixação de preços)”, como Raízen, Biosev e Jalles Machado, estão mais bem posicionadas para enfrentar o cenário.

A Fitch estima que 70% das exportações projetadas para a safra 2020/21 já estejam com preços fixados, elevação de 12 pontos percentuais em relação a igual período da safra anterior. (Reuters)

Petrobras inicia fase vinculante de venda da TAG

Rio – A Petrobras iniciou a fase vinculante para a venda de sua participação remanescente de 10% na Transportadora Associada de Gás (TAG), informou a companhia em comunicado na sexta-feira (13).

Os potenciais compradores classificados para essa fase receberão carta-convite com instruções sobre o processo de desinvestimento, incluindo orientações para a realização de due diligence e para o envio das propostas vinculantes.

A TAG detém atualmente autorizações de longo prazo para operar e administrar um sistema de gasodutos de cerca de 4,5 mil km de extensão, localizados principalmente nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, com capacidade instalada de 75 milhões de metros cúbicos por dia.

Os demais 90% da TAG foram vendidos pela Petrobras no ano passado para grupo formado pela elétrica francesa Engie e pelo fundo canadense Caisse de Dépôt et Placement du Québec (CDPQ). Operação movimentou R$ 33,5 bilhões. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!