COTAÇÃO DE 03-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6790

VENDA: R$5,6800

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,7000

VENDA: R$5,8300

EURO

COMPRA: R$6,3643

VENDA: R$6,3655

OURO NY

U$1.784,10

OURO BM&F (g)

R$321,33 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4739%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Defasagem no valor do frete atingiu 13,9% no ano passado

COMPARTILHE

Crédito: Alisson J. Silva

São Paulo – A defasagem do valor frete no setor de transportes rodoviários de cargas do Brasil terminou 2020 em 13,9%, mesmo patamar que era verificado no início do ciclo, em meio à pressão advinda principalmente dos custos com veículos e descontos dados durante a pandemia, disse a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística).

As despesas só não foram maiores porque o diesel, que representa 50% dos custos de um caminhão bitrem, apresentou ligeira queda na comparação anual.

PUBLICIDADE

Segundo levantamento da associação, as empresas do setor promoveram reajuste médio negativo de 1% no valor do frete ao longo no ano passado, durante o qual a economia brasileira foi fortemente afetada pela pandemia de coronavírus.

Embora a maior parte das companhias pesquisadas (41,4%) tenha mantido estável o valor do frete em 2020, 30,8% delas concederam um desconto médio de 7,9%, justificando o resultado. Uma minoria (27,8%) reajustou o frete para cima, com alta média de 5,3%, de acordo com a NTC&Logística.

Ainda assim, o dado representa uma alteração de panorama frente ao primeiro semestre de 2020, quando mais da metade das empresas dizia conceder descontos face ao impacto da pandemia, o que resultava em um reajuste negativo de 4,7% à época.

Os custos do transporte rodoviário, segundo a associação, aumentaram no ano passado, diante da inflação elevada, apesar de uma pressão menor dos combustíveis e mão de obra, que compõem juntos quase metade das planilhas de custos operacionais.

O Índice Nacional do Custo de Transporte de Carga (INCT) para as cargas fracionadas, que contêm pequenos volumes, apurou alta de 9,43% no ano, enquanto o INCT para cargas lotação – que ocupam toda a capacidade do veículo – subiu 7,15%.

Os custos com o veículo – que envolvem depreciação, remuneração, IPVA, seguro do casco e manutenção – subiram 9,5%, enquanto o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), que influencia os aluguéis pelo setor, avançou 21,1% no ano.

Em relação aos custos com mão de obra, a NTC&Logística apurou uma estabilidade em 2020, apoiada por uma flexibilização do dissídio salarial, enquanto os gastos com combustíveis acumularam baixa de 2,8%.

Apesar disso, o valor do diesel mantém viés de alta desde maio, quando atingiu as mínimas do ano, e já se aproxima de patamares pré-pandemia. Conforme os números da associação, o litro do diesel atinge atualmente R$ 3,778 por litro, apenas 1,15% abaixo do patamar de dezembro de 2019 e bem distante da mínima de R$ 3,106 /litro verificada em maio do ano passado.

Com isso, as expectativas da NTC&Logística são de que diesel e mão de obra pressionem mais os custos do setor em 2021, segundo o assessor técnico da entidade, Lauro Valdivia, responsável pela pesquisa.

“A expectativa é que o diesel continue subindo. E outro problema que vai pressionar o custo neste ano é o dissídio salarial – que a gente praticamente não teve no ano passado, um sindicato ou outro só que teve reajuste, e aí a gente tem um acumulado de dois anos”, disse ele à Reuters.

O presidente da NTC&Logística, Francisco Pelucio, afirmou esperar que o governo reveja os preços dos combustíveis, destacando que seria importante o setor trabalhar com cenário mais previsível.

Para o futuro, 49% das empresas consultadas na pesquisa da NTC&Logística acreditam que o valor do frete seguirá estável, patamar semelhante ao visto no levantamento do primeiro semestre de 2020.

Além disso, 31% das companhias veem uma melhora no valor, ante 20% na pesquisa anterior, enquanto 20% delas estimam piora, versus 32% em agosto. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!