COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5720

VENDA: R$5,5730

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5900

VENDA: R$5,7230

EURO

COMPRA: R$6,4654

VENDA: R$6,4683

OURO NY

U$1.793,01

OURO BM&F (g)

R$321,20 (g)

BOVESPA

-2,11

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Desembolsos recuam para renovação de canaviais

COMPARTILHE

No 1º semestre, BNDES apurou queda de 82% no Prorenova frente a 2017 - Divulgação

São Paulo – Os desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para o Prorenova despencaram e caminham para fechar o ano abaixo do registrado em 2017, refletindo a crise do setor sucroenergético, embora a instituição já vislumbre uma melhora após modificações na linha de financiamento para renovação de canaviais.

Um menor investimento nas plantações pode impactar a produtividade da próxima safra, cujo início oficial é em abril, eventualmente colaborando para diminuir a disponibilidade de matéria-prima para fabricação de açúcar e etanol no Brasil, o maior produtor global de cana-de-açúcar.

PUBLICIDADE

O banco informou que os desembolsos no primeiro semestre somaram apenas R$ 25 milhões, queda de 82% na comparação anual. A primeira metade do ano geralmente concentra as operações, o que leva o BNDES a apostar em um resultado total para 2018 aquém dos R$ 234 milhões computados em 2017.

“O número deve crescer ainda, mas não deve superar o do ano passado”, disse o gerente setorial do Departamento do Complexo Agroalimentar e Biocombustíveis do BNDES, Artur Yabe Milanez.

Apesar de o banco considerar os desembolsos por ano civil, o Prorenova segue o calendário de ano-safra (julho a junho), em linha com o Plano Safra montado anualmente pelo Ministério da Agricultura. Tanto no ciclo anterior quanto no atual, a disponibilidade de recursos é de R$ 1,5 bilhão.

O volume efetivamente repassado pelo BNDES vem caindo há alguns anos. Em 2015, somou R$ 554 milhões, enquanto em 2016, R$ 296 milhões. Desde que foi lançado, em 2012, o Prorenova já desembolsou quase R$ 5 bilhões e viabilizou o plantio de mais de 1,5 milhão de hectares de canaviais, segundo o banco.

A retração nos desembolsos se segue a anos de dificuldades financeiras no setor sucroenergético brasileiro.

Recentemente atingida pela queda das cotações internacionais do açúcar, a indústria encarou controle de preços da gasolina em governos anteriores, com impacto negativo na produção de etanol, o que resultou em dezenas de usinas fechadas e no envelhecimento das plantações.

Recuperação – O BNDES já prevê uma melhora nesse cenário, com indústrias se recuperando e tendo no radar o RenovaBio, a nova política nacional de biocombustíveis. Fora isso, mudanças no Prorenova também respondem por essa avaliação.

“Fizemos alterações para catapultar não só as operações diretas, mas também as indiretas, com agentes financeiros. Imaginamos que, a partir de outubro, novembro, esses agentes passarão a encaminhar operações do Prorenova para o BNDES”, informou o chefe do Departamento de Canais de Distribuição e Parcerias do banco, Caio Araújo.

Segundo ele, há R$ 277 milhões em operações do Prorenova protocoladas no BNDES, com os recursos saindo futuramente.

Neste ano, o prazo de pagamento do Prorenova subiu para sete anos, de seis anteriormente, com o limite de financiamento passando para 80% do valor do plantio por hectare, versus 60% no programa anterior.

Outra alteração importante foi a condição de operações diretas com o BNDES. “Antes as condições eram menos favoráveis para o intermédio. O que a gente fez foi aumentar a remuneração do agente financeiro”, disse Araújo.

O setor sucroenergético brasileiro vê como positivas as mudanças, mas diz que as dificuldades financeiras impedem, de fato, uma tomada maior de recursos. “Evidentemente, as empresas com dificuldades de operar com os bancos também terão dificuldades de operar diretamente com o BNDES. No entanto, as empresas têm se manifestado positivamente com as alterações efetuadas”, afirmou o diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), Antonio de Padua Rodrigues.

A entidade é a principal associação do segmento no Centro-Cul, região que responde por mais de 90% do processamento anual de cana no País. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!