COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia
Créditos: Charles Silva Duarte/Arquivo DC

O fraco desempenho da economia brasileira frustrou as expectativas da indústria da construção e derrubou o apetite dos empresários para investir nos próximos seis meses.

A Sondagem da Indústria da Construção de março da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada na sexta-feira, mostra queda no índice de intenção de investimento, que passou de 34,0 para 32,8 pontos entre fevereiro e março. Numa escala que vai de 0 a 100, quanto menor o índice, menor é a disposição para investir.

PUBLICIDADE

O índice de investimento vem em queda desde janeiro, quando ele havia ficado em 38,0 pontos, o maior valor dos últimos quatro anos. A pesquisa revela ainda que os indicadores de atividade, emprego e utilização da capacidade operacional mostram a estagnação que recai sobre a construção.

“A indústria da construção tem enfrentado problemas que são reflexo da baixa atividade econômica do Brasil. Com expectativas frustradas, os empresários se tornaram menos dispostos a assumir riscos, o que comprometeu os investimentos na indústria da construção”, afirma a economista da CNI, Dea Fioravante.

De acordo com a pesquisa, houve uma pequena melhora em março nos índices de atividade e emprego, na comparação com fevereiro. O índice do nível de atividade passou de 44,3 pontos para 44,5 pontos e o de emprego, de 42,9 pontos para 43,7 pontos. Numa escala que varia de 0 a 100, valores abaixo de 50 indicam queda no nível de atividade. Assim, apesar da leve melhora, os indicadores ainda refletem dificuldade de recuperação.

Capacidade – A Utilização da Capacidade Operacional (UCO), por sua vez, registrou 57% em março, mesmo percentual registrado há um ano, e um acréscimo de um ponto percentual em relação a fevereiro. A permanência desse indicador no mesmo patamar de um ano atrás torna evidente a estagnação da construção. A UCO permanece estagnada, com elevada ociosidade, e ainda está abaixo da média histórica de 62%.

Na prática, a baixa utilização da capacidade operacional significa a existência de máquinas paradas e de trabalhadores produzindo menos do que poderiam.

Aportes – O índice de intenção de investimento (compras de máquinas e equipamentos, pesquisa e desenvolvimento, inovação de produto ou processo) caiu pela terceira vez consecutiva. O indicador registra 32,8 pontos em abril, queda de 1,2 ponto em relação a março e 2,4 pontos abaixo do registrado há 12 meses. O índice varia de 0 a 100 pontos e quanto maior o valor, maior a disposição para fazer investimentos.

O indicador ainda permanece acima da média histórica, em 0,9 ponto, mas as quedas sucessivas mostram que a disposição a investir do empresário da construção está diminuindo rapidamente.

Condições financeiras – A satisfação em relação a condições financeiras que havia melhorado – os índices aumentaram continuamente no decorrer de 2018 – regrediu em março.

O índice de situação financeira registrou 38,9 pontos no fechamento do primeiro trimestre, após queda de 2,5 pontos em relação ao trimestre anterior.

O indicador de satisfação com a margem de lucro operacional sofreu queda de 3,3 pontos e fechou o trimestre com 33,2 pontos. Ambos os indicadores registraram resultados piores do que há um ano.

O indicador de facilidade de acesso ao crédito também caiu – passando de 34 pontos no quarto trimestre de 2018 para 31,7 pontos no primeiro de 2019. Em todos os casos, numa escala que vai de 0 a 100, valores abaixo dos 50 pontos indicam insatisfação.

Índice de confiança tem queda

Além da queda nos indicadores referentes a março, a Sondagem da Construção revela que os empresários da indústria da construção estão menos otimistas em relação aos próximos seis meses. Todos os indicadores de expectativas sofrem queda e se aproximaram da linha divisória de 50 pontos.

Outro índice em queda é o de Confiança do Empresário da Construção (Icei-Construção). Ele registrou 56,4 pontos em abril, 3,4 pontos a menos do que o registrado em março. O nível de confiança se aproximou da linha divisória de 50 pontos, mas ainda permanece acima desta e da média histórica, de 53,3 pontos. Entretanto, a segunda queda consecutiva evidencia que o empresário está mais inseguro em relação ao crescimento do setor.

A queda no Icei foi provocada, principalmente, pelos indicadores de condições e expectativas relacionadas à economia brasileira, que caíram 4,5 e 5,1 pontos, respectivamente, na comparação mensal. Os indicadores que refletem a situação e expectativas das empresas também recuaram, porém em menor magnitude.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!