COTAÇÃO DE 16 A 18/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4540

VENDA: R$5,4540

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4700

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,3181

VENDA: R$6,3210

OURO NY

U$1.767,23

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,29

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Faturamento da indústria de MG volta a crescer após duas quedas

COMPARTILHE

Crédito: Daniel Mansur

Depois de duas quedas consecutivas em janeiro e fevereiro, o faturamento da indústria geral volta a crescer. De acordo com a pesquisa Indicadores Industriais de Minas Gerais (Index), divulgada ontem pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), o crescimento no faturamento em março foi de 2,4% em relação a fevereiro. O avanço é justificado pelo crescimento de 75,7% na indústria extrativa, que vinha de um cenário de queda.

Outros índices como emprego, massa salarial e rendimento médio mensal também foram positivos. Já os índices de utilização de capacidade instalada (UCI) e de horas trabalhadas na produção recuaram, o que aponta que a indústria ainda vive momento de incerteza.

PUBLICIDADE

De acordo com a analista de estudos econômicos da Fiemg, Júlia Silper, o crescimento do faturamento da indústria em março pode ser explicado pelo avanço das exportações da indústria extrativa por conta da valorização do dólar e do aumento da cotação do minério de ferro no mercado internacional.

“O fato de a Vale estar parcialmente paralisada e ter deixado de ofertar no mercado também pode justificar a valorização da commodity, tendo em vista que a demanda continuou a mesma, mas a oferta diminuiu”, comenta.

Mas a analista frisa que o expressivo crescimento de 75,7% na indústria extrativa também tem a ver com a base de comparação anterior, que estava muito depreciada. Sendo assim, o resultado não aponta para uma retomada do setor extrativo mineral. Prova disso é que, quando comparado com março do ano anterior, o faturamento de março de 2019 representa uma queda de 9,2%.

“A indústria ainda se comporta de forma apática: o mercado está esperando a aprovação das reformas e adiando grandes decisões de investimento”, avalia.

O emprego da indústria geral cresceu 0,5% em março frente a fevereiro. O aumento foi explicado por igual avanço na indústria de transformação, enquanto na extrativa houve queda de 0,5%. O índice influenciou também o crescimento da massa salarial, que avançou 0,7% em março, em relação a fevereiro, e no rendimento médio real, que cresceu 0,5% nessa mesma base de comparação.

Por outro lado, as horas trabalhadas na produção da indústria geral recuaram 1,6% em março em relação ao mês anterior. Esse é o segundo mês consecutivo de queda e o recuo mais intenso para março em cinco anos.

“Esse índice mede as horas de trabalho da produção, ou seja, é um termômetro da atividade produtiva. A queda pode ser explicada pela paralisação parcial da indústria extrativa e pela não reação da indústria de transformação”, explica a analista.

UCI – Também recuou o índice de UCI da indústria geral, que em março marcou 77%. A queda foi de 1,7 ponto percentual em relação ao mês anterior.

“A utilização de capacidade instalada está diretamente ligada à indústria extrativa. Se essa atividade não está produzindo como antes, então está subutilizada”, detalha.

Para a analista, embora o Index de março traga alguns resultados mais positivos que os anteriores, trata-se de melhoras ainda muito pequenas para refletir na UCI e também na perspectiva de retomada da economia.

País tem queda de 6,3% em março

O faturamento da indústria brasileira caiu 6,3%, as horas trabalhadas na produção diminuíram 1,5% e a utilização da capacidade instalada recuou 0,9 ponto percentual em março frente a fevereiro na série livre de influências sazonais, informam os Indicadores Industriais divulgados ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Os dados mostram que o setor enfrenta dificuldades para se recuperar da crise.

“Desde a greve dos caminhoneiros, o setor não consegue engrenar uma sequência de bons resultados”, diz a pesquisa.

“Três problemas impedem a recuperação da indústria. Um é a falta de demanda. O outro é o excesso de estoques, que elevam os custos das empresas, e, finalmente, há a questão financeira. As empresas continuam com a situação financeira debilitada, o que adia as decisões sobre a produção e o emprego”, afirma o economista da CNI Marcelo Azevedo.

Ele explica que esses problemas foram identificados na Sondagem Industrial de março, divulgada pela CNI na semana passada.

“Para uma recuperação mais forte da indústria é preciso reduzir os estoques e resolver a questão financeira das empresas. Isso requer o aumento da demanda”, destaca Azevedo.

De acordo com os Indicadores Industriais, o faturamento da indústria teve queda de 4,1% no primeiro trimestre de 2019 frente ao último trimestre de 2018, na série dessazonalizada. No mesmo período, a utilização da capacidade instalada recuou 0,3 ponto percentual e as horas trabalhadas na produção subiram apenas 0,2%.

O emprego e a massa real de salários ficaram estáveis e o rendimento médio do trabalhador aumentou 1,2% em março na comparação com fevereiro, na série dessazonalizada. No primeiro trimestre deste ano frente ao último trimestre de 2018, o emprego subiu apenas 0,1%, a massa real de salários caiu 0,8% e o rendimento médio do trabalhador teve queda de 1,5%. (Com informações da CNI).

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!