COTAÇÃO DO DIA 22/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4780

VENDA: R$5,4790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5070

VENDA: R$5,6470

EURO

COMPRA: R$6,6088

VENDA: R$6,6101

OURO NY

U$1.853,68Pg�

OURO BM&F (g)

R$ (g)

BOVESPA

-0,80

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Opinião
Página Inicial » Economia » Impacto da pandemia na transição para energias renováveis

Impacto da pandemia na transição para energias renováveis

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

As emissões de poluentes de dióxido de carbono foram reduzidas substancialmente em todo o mundo durante a primeira fase da crise. Embora essas emissões tenham retornado recentemente aos níveis habituais, acompanhando a retomada nos países de alta renda, o contexto pós-pandemia oferece uma oportunidade incomparável de promover a transição para as energias renováveis. 

Esse processo acaba sendo acelerando conforme os países também incorporam as energias renováveis ao seu mix de geração de energia. Nesse sentido, embora até o início deste ano o investimento nessas fontes tenha sido impulsionado pelo aumento constante da capacidade instalada, por novos projetos em andamento e pelo acesso preferencial que elas têm na maioria dos sistemas de energia, a tendência de queda dos preços e da lucratividade das fontes tradicionais e a redução dos custos de geração de eletricidade com fontes renováveis estão abrindo espaço para um cenário que poderia favorecer e promover o investimento em fontes de energia limpa, tanto global quanto regionalmente. 

O desenvolvimento do setor de energias renováveis na região busca substituir gradativamente a contribuição das fontes tradicionais na matriz energética por fontes alternativas mais limpas, favorecendo a descarbonização das economias em um cenário no qual a demanda de energia deverá recuperar parte da trajetória de crescimento pré-pandemia. 

De acordo com dados divulgados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a América Latina é uma das regiões mais verdes do mundo em termos de geração de energia, já que cerca de 60% do consumo energético dessa localidade são provenientes de fontes de origem renovável enquanto a média global não ultrapassa 25%. Dessa forma, vários países da região sul-americana aumentaram a contribuição das energias renováveis para a capacidade de geração, reduzindo a dependência de fontes mais tradicionais, especialmente os combustíveis fósseis. E isso foi possível em um bloco econômico comparativamente menos desenvolvido, altamente dependente da produção de matérias-primas com um alto peso da indústria e menos eficiente em termos de uso da energia. Por exemplo, de acordo com estatísticas fornecidas pela IEA, enquanto o Uruguai incrementou a oferta de geração de fontes renováveis em cerca de 114% na última década, o Chile aumentou 84%, o Peru 70%, Brasil 60%, Colômbia 33% e Argentina 28%. Por outro lado, o aumento da oferta de geração de origem fóssil no mesmo período foi de 36% no Uruguai, 59% no Chie, 73% no Peru, 16% no Brasil, 4% na Colômbia e 16% na Argentina. 

Na última década, os investimentos para promover o uso de energias limpas na América do Sul foram substanciais. Entre 2010 e 2019, os países sul-americanos investiram US$ 10 bilhões por ano em média no desenvolvimento dessas fontes, atingindo uma estimativa acumulada de US$ 100 bilhões em 2019. Em termos de desempenho por país, o investimento em fontes renováveis no Brasil apresentou uma forte recuperação em 2019 após ter sofrido uma queda em 2018. Já o Chile, no ano passado, quadruplicou o investimento em energias renováveis registrado em 2018, especialmente no que tange à energia solar. A Argentina também registrou um bom desempenho nos investimentos destinados a fontes renováveis durante 2019, em torno de US$ 2 bilhões. As energias renováveis também são importantes para a Colômbia, principalmente pela boa localização geográfica, permitindo-lhe capturar boa parte da energia solar que recebe. Finalmente, a promoção de investimentos em energias renováveis realizada pelo Uruguai permitiu que elas contribuam com 60% da matriz energética, tornando-o o país mais verde da região e um dos mais limpos do mundo. 

Apesar dessas conquistas regionais importantes no campo das energias renováveis, que têm permitido ao continente sul-americano contribuir com 9% do total da potência global instalada de geração derivada dessas fontes e com 5% dos investimentos, a pandemia trouxe alguns obstáculos à continuidade das iniciativas energéticas e de infraestrutura que estavam sendo realizadas, mas não eliminou totalmente aquelas ligadas ao setor de energias renováveis. Mesmo a primeira fase da crise sanitária ter tido a China entre os principais afetados, que é um dos maiores produtores de tecnologias e equipamentos de geração de energia limpa, além de ser o país com maior capacidade instalada de geração renovável globalmente, as energias renováveis continuaram avançando graças aos projetos em andamento, à prioridade na geração nos sistemas energéticos globais, às boas condições oferecidas pela conjuntura e ao ímpeto global de manter o ritmo da transição. 

A conjuntura econômica e social favorece uma mudança de paradigma no setor de energia, considerando a tendência crescente na demanda social vinculada às mudanças climáticas, à diminuição do crescimento dos setores ligados à extração e produção de fontes de energia tradicionais e, apesar do componente trágico, o impulso que a pandemia deu a esta mudança geracional e sem precedentes oferece uma oportunidade incomparável de realizar uma transição acelerada para economias com matrizes energéticas de baixo carbono, sustentáveis e resilientes. 

Em suma, podemos observar como a região da América do Sul está evoluindo em termos de investimentos e de captação de fontes de energia renovável. O ano que ainda não acabou vai mostrar números preocupantes em termos de desempenho econômico para a América do Sul, em função da desaceleração imposta pela pandemia e da queda da demanda e dos preços das matérias-primas, porém é importante destacar que, neste contexto, os países da região não devem abandonar um plano de desenvolvimento econômico que continue considerando as energias renováveis como parte do seu eixo central. A América do Sul já fez muito nesse sentido. Da mesma forma, não devemos esquecer que a região é muito rica em recursos de gás, petróleo e minerais. 

Portanto, fica claro que, enquanto o setor de energia tradicional continuar oferecendo oportunidades, grande parte do investimento irá para ele. O caminho para uma matriz energética mais limpa e baseada principalmente em energias renováveis não consiste em encontrar os meios para eliminar as fontes tradicionais no curto prazo, mas sim em regular a migração e substituí-las gradativamente por outras que tenham um desempenho mais eficiente e sustentável, reduzindo assim o impacto no meio ambiente. A pandemia trouxe consigo um grande desafio, mas também uma excelente oportunidade de mudança.

** Sócio-líder de energia e recursos naturais da KPMG na América do Sul. mfernandes@kpmg.com.br

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!