COTAÇÃO DE 02/08/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1650

VENDA: R$5,1650

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1700

VENDA: R$5,3200

EURO

COMPRA: R$6,0990

VENDA: R$6,1002

OURO NY

U$1.813,45

OURO BM&F (g)

R$299,72 (g)

BOVESPA

+0,59

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Inflação na RMBH recua para 0,37% no mês passado

COMPARTILHE

Em abril, o avanço da gasolina foi de 0,36%, enquanto o etanol registrou recuo de 5,96% | Charles Silva Duarte/Arquivo DC

A inflação na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) desacelerou em abril na comparação com março. Enquanto no mês passado o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apresentou avanço de 0,37%, no mês anterior o incremento foi de 1,18%. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Apesar da desaceleração da inflação verificada em abril, o coordenador da pesquisa em Minas Gerais, Venâncio da Mata, destaca que os números ainda são elevados quando se verifica a variação acumulada nos últimos 12 meses (7,18%). A alta está acima do teto da meta (5,25%).

PUBLICIDADE

“Isso ocorreu muito por conta dos preços dos combustíveis, principalmente da gasolina, que nos últimos 12 meses aumentou 32,52%. A gasolina tem um impacto muito grande no índice, as famílias consomem muito”, afirma ele. “Isso está relacionado com a alta do barril de petróleo”, salienta.

Em abril, conforme os dados que foram divulgados pelo IBGE sobre a inflação no mês, o avanço da gasolina foi de 0,36%, porém o maior impacto no grupo transportes (0,16%) veio das passagens aéreas (13,28%). Por outro lado, houve queda do transporte por aplicativo (22,13%) e também do etanol (5,96%).

Categorias que mais contribuíram para o aumento da inflação em abril

Aliás, foram justamente as passagens aéreas que provocaram o maior impacto positivo no índice em abril (0,05 ponto percentual – p.p.). Já o maior aumento percentual no índice foi do grupo de vestuário, que apresentou incremento de 1,23%.

“Esse aumento pode estar relacionado com a flexibilização das medidas de distanciamento social, o que elevou a procura”, diz Venâncio da Mata.

Dentro desse grupo, as roupas apresentaram avanço de 1,01% e impacto de 0,03 p.p. As joias, por sua vez, tiveram um aumento de 5,02%. Os artigos de residência registraram um crescimento de 1,14%, com destaque para televisor (3,57%) e mobiliário (1,26%).

Venâncio da Mata também chama a atenção para o aumento apresentado pelo grupo saúde e cuidados pessoais, que foi de 1,14%, impactando o índice geral do mês passado em 0,16 p.p. O resultado foi impulsionado pelos produtos farmacêuticos (2,48% e impacto de 0,09 p.p.).

“A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o reajuste de até 10,08% no preço dos medicamentos, dependendo da classe terapêutica”, destaca o coordenador. A variação mais significativa foi registrada em anti-infecciosos e antibióticos (5,26%).

Diante desse cenário de aumento da inflação, o grupo alimentação e bebidas também avançou em abril na comparação com o mês de março (0,28%). As principais influências vieram do tomate (17,24%) e das carnes (1,39%). Já em relação às quedas verificadas nesse grupo, pode-se destacar a batata-inglesa (-12,51%) e as frutas (-9,31%).

Outros dois grupos que apresentaram variação positiva em abril foram habitação (0,13%) e comunicação (0,01%). Deflação, por sua vez, foi verificada nos grupos educação (-0,02%) e despesas pessoais (-0,01%).

Índice acumulado atinge maior nível em 4 anos no País

São Paulo/Rio de Janeiro – A queda dos preços dos combustíveis compensou a pressão dos medicamentos, e a inflação oficial brasileira desacelerou com força em abril, mas em 12 meses chegou ao nível mais alto em quase quatro anos e meio.

Em abril, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,31%, abaixo da taxa de 0,93% vista em março.

O dado mensal informado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é o mais baixo desde janeiro (+0,25%) e ficou em linha com a expectativa em pesquisa da Reuters de 0,30%.

Mas no acumulado em 12 meses a alta do IPCA aumentou a 6,76%, de 6,10% no mês anterior, igualando a expectativa.

O resultado é o mais forte desde novembro de 2016 (+6,99%) e vai ainda mais acima do teto da meta do governo para este ano, que é de uma inflação de 3,75%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

“Há também o efeito das duas deflações que tivemos no ano passado, em abril e maio. Quando olhamos para os 12 meses, estamos tirando uma deflação de 2020 e adicionando uma variação positiva agora”, explicou o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov.

No mês, o índice de preços foi pressionado principalmente pelos produtos farmacêuticos, depois de no dia 1º de abril ter sido autorizado reajuste de até 10,08% no preço dos medicamentos.

Os produtos farmacêuticos tiveram em abril alta de 2,69%, sendo a maior variação do item remédios anti-infecciosos e antibióticos, de 5,20%. Isso levou o grupo Saúde e cuidados pessoais a apresentar avanço de 1,19%, depois de recuo de 0,02% em março.

Medicamentos exerceram forte pressão sobre IPCA em abril | Crédito: Arquivo/Agência Brasil

Já o grupo Alimentação e bebidas, com forte peso no bolso do consumidor, acelerou a alta a 0,40% em abril, de 0,13% no mês anterior, com a alimentação no domicílio subindo 0,47% diante do encarecimento de carnes (+1,01%), leite longa vida (+2,40%), frango em pedaços (+1,95%) e tomate (+5,46%).

“Não temos pressão de demanda no IPCA. A alta se concentrou em alimentos por conta de proteínas como frango, carnes e leite devido à ração mais cara”, disse Kislanov.

Por outro lado, os Transportes registraram queda de 0,08% nos preços, depois de dispararem 3,81% em março. Segundo o IBGE, após 10 meses de alta a gasolina recuou 0,44% em abril, enquanto os custos do etanol caíram 4,93%. Por outro lado, os preços das passagens aéreas subiram pela primeira vez no ano (6,41%).

“Houve uma sequência de reajustes entre fevereiro e março na gasolina. Mas no fim de março houve duas reduções no preço desse produto nas refinarias. Isso acaba chegando ao consumidor final”, explicou Kislanov.

Selic – O cenário inflacionário no Brasil tem sido observado com cuidado. Na semana passada, o Banco Central elevou a taxa básica de juros Selic em 0,75 ponto percentual, para 3,50%, e indicou a intenção de fazer novo aperto da mesma magnitude em sua próxima reunião, em junho.

O movimento ocorre em meio ao aumento persistente da inflação corrente e das expectativas para a inflação de 2022. Ontem, a ata dessa reunião apontou que os membros do Comitê de Política Monetária (Copom) avaliaram que levar a Selic, sem interrupção, até o nível considerado neutro levaria a inflação “consideravelmente” abaixo da meta.

Na pesquisa Focus mais recente realizada pelo BC com uma centena de economistas, as perspectivas para a inflação este ano vêm aumentando e estão agora em 5,06%, com a Selic a 5,50%. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!