COTAÇÃO DE 12/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2220

VENDA: R$5,2230

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2030

VENDA: R$5,3800

EURO

COMPRA: R$6,3751

VENDA: R$6,3780

OURO NY

U$1.837,16

OURO BM&F (g)

R$309,12 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa

Lucro líquido da MRV registra queda de 34,6% no segundo trimestre

COMPARTILHE

Mesmo com o menor número de unidades lançadas, as vendas da MRV foram recorde no 2º trimestre: R$ 1,82 bilhão | Crédito: MARCUS DESIMONI / NITRO

Pelo segundo trimestre consecutivo, nem mesmo o recorde histórico de vendas apurado pela construtora e incorporadora MRV Engenharia Participações S/A foi capaz de amenizar os impactos da crise do Covid-19 nos resultados financeiros da empresa. O lucro líquido do segundo trimestre foi 34,6% menor do que o do mesmo período de 2019. Na comparação entre os semestres o recuo foi ainda mais intenso, chegando a 36,8%.

No período de abril a junho deste ano, o lucro líquido da companhia somou R$ 124 milhões contra R$ 190 milhões um exercício antes. Já na primeira metade de 2020, somou R$ 239 milhões e R$ 379 milhões nos primeiros seis meses do ano passado.

PUBLICIDADE

Segundo o diretor executivo de Finanças e Relações com Investidores da MRV, Ricardo Paixão, logo da chegada da pandemia ao País, a empresa optou por adotar novas estratégias de comercialização, com o objetivo de manter as vendas e reter clientes. Foram oferecidos descontos e a margem acabou impactada. Além disso, foram realizadas algumas captações como forma de reforçar o caixa da companhia.

“Mais especificamente no semestre, ainda tivemos o impacto financeiro das ações sociais assumidas desde o início da pandemia. Apenas no segundo trimestre, ao todo, o Grupo MRV, junto da Família Menin, Log CP e Banco Inter, doou R$ 18,5 milhões para a causa”, destacou. 

Lançamentos – Paixão também lembrou que, visando aproveitar o alto nível de estoque, a medida adotada foi no sentido de reduzir o volume de lançamentos. Outro fator que impactou os lançamentos foi o funcionamento limitado de prefeituras e cartórios.

Assim, o volume de lançamentos no segundo trimestre atingiu a marca de 5.349 unidades, 51,7% abaixo do mesmo período do ano passado. Em Valor Geral de Vendas (VGV) a queda foi de 47,9%, com valores que saíram de R$ 1,8 bilhão para R$ 942 milhões neste exercício.

No semestre, as unidades lançadas somaram 12.068 contra 17.929 em igual intervalo de 2020, recuo de 32,7%. Em VGV foram R$ 2 bilhões na primeira metade deste ano e R$ 2,9 bilhões nos mesmos meses um ano antes.

“Reduzimos, inclusive, o ritmo de produção, justamente, porque não sabíamos, ao certo, como o mercado iria se comportar. Tivemos 25% das nossas obras paradas no começo da pandemia e também por isso, optamos por não iniciar novos projetos no segundo trimestre. Agora que já vimos que a operação seguiu bem, esperamos melhor desempenho das vendas e dos lançamentos no segundo semestre”, avaliou.

Em termos de vendas, a MRV bateu mais um recorde histórico, totalizando R$ 1,82 bilhão no segundo trimestre, o que equivale a 11.479 unidades. Trata-se de um aumento de 37,6% no comparativo com a mesma época do ano passado. No semestre, o VGV chegou a R$ 3,4 bilhões e as unidades somaram 21.973.

Conforme o balanço da construtora, o Ebitda (lucro líquido antes do Imposto de Renda, contribuição social, despesas financeiras líquidas, despesas de depreciação e amortização) chegou a R$ 232 milhões no período de abril a junho, montante 9,9% menor que os R$ 257 milhões apresentados no exercício anterior. No semestre, o Ebitda chegou a R$ 437 milhões, 17,6% a menos que os R$ 531 milhões de um ano antes.

Já a geração de caixa voltou a ficar positiva. Desta vez foram ao todo foram mais R$ 214 milhões.

O diretor executivo de Finanças e Relações com Investidores da MRV voltou a ressaltar o esforço da companhia na diversificação das fontes de funding, iniciado há cerca de dois anos. De acordo com ele, no primeiro semestre de 2020, quase 13% das vendas já ocorreram fora do programa “Minha casa, minha vida”, como os da Linha Premium, com funding do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), da Luggo e da Urba. A meta, segundo ele, é chegar a 50%, no médio prazo.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!