Créditos: Marcos Santos/USP Imagens

Os consumidores mineiros com mais de 65 anos e as mulheres são os mais inadimplentes do Estado. Essa parcela da população vem sofrendo queda em suas receitas e, por isso, estão encontrando mais dificuldades para pagar suas contas.

Em março, de acordo com o Indicador de Inadimplência do Conselho Estadual de SPC de Minas Gerais, o endividamento entre os idosos (de 65 a 94 anos) apresentou crescimento de 20,11%. Já entre as mulheres, a alta foi de 0,98%, enquanto o aumento para os homens foi de apenas 0,02%.

Na variação anual (Mar.19/Mar.18), o número de consumidores inadimplentes no Estado avançou 1,65%. Essa alta é reflexo da elevação da inflação e da queda da renda real média (-1,9%). Na variação mensal (Mar.19/Fev.19), houve crescimento de 0,59%.

Em relação às dívidas, em março, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, houve redução de 2,5% no número de débitos vencidos. Esse decréscimo pode ser explicado devido a leve melhora no cenário econômico em relação aos anos anteriores, que tem permitido que os consumidores quitem algumas contas em atraso. Na variação mensal, foi registrada uma alta de 0,09%. Por faixa etária, a maioria das dívidas registradas também se concentrou entre as pessoas com mais de 65 anos (16,11%).

Empresas – Em março deste ano, na variação anual (Mar.19/Mar.18), houve crescimento de 3,02% no número de pessoas jurídicas inadimplentes. Embora tenha apresentado aumento nesta base de comparação, o indicador cresceu em ritmo mais lento em relação aos últimos oito anos. Na base de comparação mensal (Mar.19/Fev.19), o endividamento das empresas cresceu 0,22%.

Já o número de dívidas das empresas mineiras, na comparação anual, apresentou queda de 0,83%. Essa é a primeira retração apresentada pelo indicador nesta base de comparação em oito anos. Já na variação mensal, a quantidade de contas em atraso reduziu 0,17%. O número médio de dívidas de pessoas jurídicas em março de 2019 foi de 1,96 por empresa, sendo esta a menor média da série histórica. No mesmo período do ano anterior, era de 2,04 por CNPJ. (Com informações da CDL-BH).