COTAÇÃO DE 20/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5600

VENDA: R$5,5610

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5630

VENDA: R$5,7070

EURO

COMPRA: R$6,4683

VENDA: R$6,4712

OURO NY

U$1.782,01

OURO BM&F (g)

R$318,60 (g)

BOVESPA

+0,10

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Opinião

O mundo rumo à economia circular

COMPARTILHE

#Economia| Imagem: Pexels / Arte: Will Araújo
#Economia| Imagem: Pexels / Arte: Will Araújo

Não há dúvidas que o ano de 2020 marcará a humanidade, em um futuro próximo, veremos os livros de histórias falando sobre o mundo antes e depois da Covid-19. No meio à abundância de incertezas, é muito difícil prever o que seria o novo normal, mas com base nos fatos, podemos afirmar que em 2021, veremos um mundo diferente. 

Sob os holofotes desse cenário, o Fórum Econômico Mundial, fundado pelo professor Klaus Schwab, possui como missão o compromisso com a melhoria do estado do mundo. Fundado em 1971 para discutir práticas de gestão global, o Fórum vem desempenhando um grande papel entre as lideranças mundiais. O professor Schwab nos brindou, por exemplo, com a terminologia Indústria 4.0 em 2010, momento em que falou sobre as futuras transformações que o mundo viveria. Dessa vez, Schwab nos alerta que, apesar do alto preço pago com a pandemia que nos assola, pode ser a oportunidade que o mundo precisa para repensar e corrigir muitas coisas, uma espécie de segunda chance. 

PUBLICIDADE

Nos últimos 200 anos, na chamada era das revoluções, o capitalismo produziu muita riqueza. Quase triplicou a expectativa de vida, erradicou muitas doenças que dizimaram milhares de pessoas, nos levou à lua, desenvolveu a medicina, engenharia, os meios digitais, psicologia, a ciência como um todo, mas não fomos capazes de equilibrar e dividir toda essa riqueza de forma a promover o bem comum. Assim, vemos que o capitalismo é ótimo para produzir e péssimo para dividir, gerando uma desigualdade imensa, dividindo o mundo entre “poucos com muito” e “muitos com pouco”. 

Além da geração mal distribuída de riqueza, quando observamos o dia de sobrecarga da Terra, fica bastante clara a exploração dos recursos naturais sem precedentes. Trata-se da data em que consumimos todos os recursos naturais disponíveis para o ano e, a cada ano que passa, batemos novos recordes. Para exemplificar, se comparado com uma conta bancária, seria o dia que se entra no vermelho. Em 2019, a data Brasil foi 31 de julho e, nos EUA, 15 de março, ou seja, utilizamos os recursos naturais disponíveis para o ano de 2019 inteiro antes do meio do ano. Para que se possa ter parâmetro de comparação, o dia de sobrecarga da terra na década de 70 era 29 de dezembro. 

Para Schwab, a Covid-19 evidenciou muitas das vulnerabilidades da humanidade, mas mostrou que o mundo pode agir rápido e junto por um bem maior. Para o professor, a palavra reset é a primeira que vem em mente quando se fala do momento, pois agora temos que pensar como estruturar, como projetar e viver era pós-Covid-19, uma coisa é certa, não podemos voltar ao velho normal, temos que encarar o que vivemos em 2020 e aproveitar para fazer como nossos pais e avós fizeram após a Segunda Guerra Mundial para realmente refletir sobre o que deu errado e o que poderíamos fazer melhor. 

Com a atual e impactante transformação ritmada pela quarta revolução industrial, uma renovação completa na economia, política e sociedade já vinha ocorrendo. A pandemia com certeza catalisou isso e veremos um mundo diferente, com novos valores e consecutivamente, mercados deixarão de existir e outros surgirão. Assim, essa reinicialização do mundo, segundo executivos do Fórum Econômico Mundial deverá ser pautada em três prioridades centrais. 

Primeiro: Tornar o mundo mais resiliente para eventuais novas surpresas, cisnes negros, como são chamados, talvez diferentes tipos de vírus. 

Segundo: Tornar o mundo mais inclusivo, mais justo e equilibrado, atingimos níveis insustentáveis de pessoas em situação de vulnerabilidade. 

Terceiro: Tornar o mundo muito mais verde, colocando todas as energias na descarbonização e preservação de recursos para evitar uma catástrofe ainda maior. 

Dessa maneira podemos esperar para os próximos anos uma agenda muito mais pautada em engenharia social e economia circular. As empresas precisam olhar atentamente para esses pontos, pois o pensamento não será mais de lucro como fator principal e sim do impacto que a organização terá na sociedade que está inserida.

** CEO da Indústria Fox. [email protected]
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!