COTAÇÃO DE 21/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6670'

VENDA: R$5,6680

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6800

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,5669

VENDA: R$6,5699

OURO NY

U$1.783,12

OURO BM&F (g)

R$323,30 (g)

BOVESPA

-2,75

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Parada parcial da Vale deve impactar balança mineira em R$ 7,7 bi

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Adriano Machado

A paralisação parcial das atividades da Vale em Minas Gerais após o rompimento da barragem de rejeitos da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), pode ter um impacto de R$ 7,7 bilhões na balança comercial mineira. As informações são de um levantamento feito pela Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil (Amig).

Recentemente, a Vale anunciou que irá paralisar as atividades para o descomissionamento de barragens que utilizam o método chamado alteamento a montante, o mesmo utilizado na estrutura que se rompeu em Mariana e Brumadinho.

PUBLICIDADE

Segundo a pesquisa, a queda de 40 milhões de toneladas de minério de ferro extraídas ao ano, anunciada pela mineradora, deve afetar a balança comercial em R$ 7,7 bilhões, incluindo neste número, o pellet feed (minério mais fino) necessário para a produção de 11 milhões de toneladas de pelotas (utilizadas na produção do aço).

Isso afetará a balança comercial em R$ 7,7 bilhões, sendo que R$ 237,7 milhões se referem à Compensação Financeira pela Exploração Mineral (Cfem) e R$ 26,2 milhões se referem à Taxa de Fiscalização de Recursos Minerais (TFRM), cuja finalidade é custear as atividades dos órgãos públicos que atuam junto ao setor de mineração.

De acordo com a entidade, a mineradora poderá compensar o impacto por meio do aumento de produção em outros sistemas produtivos da companhia.

Além disso, os dados constam também que, considerando o efeito multiplicador da cadeia produtiva que envolve prestadores de serviços para a Vale e para os municípios onde atuam, aproximadamente 65 mil empregos diretos e indiretos sofrerão com a paralisação das atividades da mineradora.

O estudo foi desenvolvido pela equipe técnica da Amig e coordenado pela economista Luciana Mourão. Luciana explica que o estudo da Amig limitou-se a apontar os prejuízos relacionados à TFRM e à Cfem, além da balança comercial e empregabilidade.

No entanto, acrescenta que uma possível paralisação das atividades de mineração afetaria diversos setores da economia local e regional, de forma direta e indireta.

“Portanto, o estudo não leva em consideração os impactos relacionados ao ISS, ICMS, IPI, dentre outros tributos”, explica a economista.

O cenário se tornou mais tenso principalmente após a suspensão em ação movida pelo Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG), das operações da mina de Timbopeba, em Ouro Preto.

De acordo com a pesquisa, a paralisação representa impacto de 12,8 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. Somado a isso, a Vale suspendeu temporariamente e de forma preventiva as operações da mina de Alegria, no Complexo de Mariana, cujo impacto potencial máximo na produção é de aproximadamente 10 milhões de toneladas de minério de ferro no ano.

O consultor de Relações Institucionais da Amig, Waldir Salvador, reforça que os efeitos concretos da interrupção das atividades da Vale podem instaurar um caos social nas cidades mineradoras e no estado de Minas Gerais.

“Nos bastidores dos números do estudo, encontram-se vidas, cidades, especialmente as de Nova Lima, Brumadinho, Ouro Preto, Congonhas e São Gonçalo do Rio Abaixo (esta última paralisada por decisão judicial) e toda a região que localizada no entorno, que sofrerão de forma drástica com colapso na arrecadação e, consequentemente, com a prestação de serviços básicos como saúde, educação, infraestrutura e com o desemprego”, explica o consultor

Para o presidente a Amig, Vitor Penido, a dimensão humana precisa ser levada em conta, principalmente porque grande parte dessas pessoas trabalhou para o crescimento e enriquecimento da Vale durante anos.

“Mesmo que seja temporariamente, não pode haver a diminuição drástica da atividade minerária nesses territórios sem planejamento, especialmente no período de transição para um modelo de mineração pujante e mais seguro”, defende o presidente.

LEIA TAMBÉM:

Perda pode ser milionária com Cfem e tributos

Justiça bloqueia R$ 2,95 bilhões de mineradora

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!