COTAÇÃO DE 17/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9420

VENDA: R$4,9430

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0400

VENDA: R$5,1520

EURO

COMPRA: R$5,2307

VENDA: R$5,2334

OURO NY

U$1.814,77

OURO BM&F (g)

R$290,29 (g)

BOVESPA

+0,51

POUPANÇA

0,7025%

OFERECIMENTO

Economia

Preço da gasolina cai e IPCA-15 desacelera alta a 0,58% em janeiro, mas alimentos sobem

COMPARTILHE

Gasolina - inflação - Marcelo Camargo Abr
Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil usada em 09-04-21 Usada em 11.11.21

São Paulo – O IPCA-15 iniciou 2022 mostrando desaceleração da alta diante da queda nos preços da gasolina e passagens aéreas, depois de a inflação ter disparado no ano passado, com o Banco Central pressionado para conter o avanço dos preços no país.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), prévia da inflação brasileira, teve alta de 0,58% em janeiro, abaixo da taxa de 0,78% de dezembro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (26).

PUBLICIDADE




Mas o resultado ficou acima da expectativa em pesquisa da Reuters com economistas apontando um avanço de 0,43% no mês, embora a leitura marque o nível mais baixo desde maio do ano passado (+0,44%).

Em 12 meses até janeiro, a alta acumulada do IPCA-15 passou a 10,20%, depois de ter encerrado o ano passado a 10,42%. A meta de inflação para 2022 é de 3,5%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos, medida pelo IPCA.

No ano passado, a inflação medida pelo IPCA sofreu sob o peso de combustíveis, alimentos e energia elétrica, terminando com avanço acumulado de 10,06% e bem acima do teto do objetivo, que era de 5,25%.

Já 2022 começou com quedas de 1,78% nos preços da gasolina e de 18,21% das passagens aéreas, segundo o IBGE. Também recuaram os custos de etanol (-3,89%) e gás veicular (-0,26%) no período, levando o grupo Transportes a registrar deflação de 0,41%, depois de uma disparada de 2,31% em dezembro.

PUBLICIDADE




Mas a cautela com os aumentos de preços se mantém, já que os outros oito grupos pesquisados tiveram alta em janeiro. Alimentação e bebidas, que tem forte peso no orçamento das famílias, subiu 0,97%, acelerando com força em relação à taxa de 0,35% de dezembro.

A alta de alimentação no domicílio passou de 0,46% em dezembro para 1,03% em janeiro, com os maiores impactos vindo de cebola (17,09%), frutas (7,10%), café moído (6,50%) e carnes (1,15%).

A alimentação fora do domicílio também acelerou o avanço a 0,81%, de 0,08% no mês anterior, com o lanche passando de queda de 3,47% em dezembro para alta de 1,25% no IPCA-15 de janeiro.

O aumento dos custos de Habitação, por sua vez, desacelerou a 0,62% em janeiro de 0,90% antes, com o maior peso vindo da alta de 1,55% do aluguel residencial. Já a energia elétrica, subitem de maior peso dentro do grupo, teve variação positiva de 0,03% em janeiro.

A forte pressão inflacionária fez com que o Banco Central intensificasse o aperto monetário, levando a taxa básica de juros Selic a 9,25% em dezembro.

Para a primeira reunião de 2022, em fevereiro, a expectativa é de novo aumento de 1,5 ponto percentual, levando a taxa para 10,75%. A pesquisa Focus mostra que os especialistas consultados pela autoridade monetária veem a Selic a 11,75% ao final deste ano, com a inflação em 5,5%.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!