COTAÇÃO DE 24/02/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4202

VENDA: R$5,4207

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4070

VENDA: R$5,5800

EURO

COMPRA: R$6,5661

VENDA: R$6,5690

OURO NY

U$1.803,65

OURO BM&F (g)

R$312,25 (g)

BOVESPA

+0,38

POUPANÇA

0,1159%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Preços industriais sobem 0,43% em fevereiro

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Rio – Os preços da indústria subiram 0,43% no mês de fevereiro, puxados pelos setores extrativo e de refino de petróleo. A alta de 7,97% nas indústrias extrativas compensou a queda de -7,59% do mês passado e foi o maior resultado em quatro meses no setor. Já os preços dos produtos de refino de petróleo subiram 4,22%, a maior alta desde setembro de 2018.

Apesar disso, apenas 11 das 24 atividades apresentaram altas em fevereiro. Os preços ao produtor ainda acumulam -0,33% no ano e 8,36% nos últimos 12 meses.

PUBLICIDADE

Os dados são do Índice de Preços ao Produtor (IPP), divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mede a variação dos preços dos produtos na “porta das fábricas”, sem impostos e frete, de 24 atividades das indústrias extrativas e de transformação.

“O resultado foi bem marcado por duas atividades: indústrias extrativas e refino de petróleo, que, juntas, influenciaram o índice em 0,71 ponto percentual, com destaque na fabricação de minérios de ferro e óleos brutos de petróleo”, explica o analista do IPP, Manuel Campos.

Por outro lado, o setor de alimentos, de grande peso no índice, sofreu queda de 0,53% em fevereiro (influência de -0,12 p.p.), o que segurou a taxa deste mês.

“A queda foi pressionada pelos preços da carne bovina e da soja, muito em função da baixa do dólar, pois são produtos de exportação”, complementa o analista. Os setores de química (-0,16 p.p.) pelo quarto mês seguido, e metalurgia (-0,04 p.p), pelo quinto mês seguido, também exerceram influência negativa.

Entre as grandes categorias econômicas, houve aumento de 0,23% em Bens de Capital, 0,64% em Bens Intermediários e 0,16% em Bens de Consumo. Os Bens de Consumo Duráveis tiveram alta 0,18%, enquanto Bens de Consumo Semiduráveis e Não Duráveis subiram 0,16%.

Nova série – O IPP inicia, a partir deste mês, nova série histórica com mudança na amostragem das empresas e dos produtos. No total, a amostra contará com 2.070 empresas, 670 a mais que na anterior, enquanto a quantidade de produtos pesquisados passará de 324 para 416 itens. (Agência IBGE)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente