COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Produção industrial em Minas sofre queda de 8,2% em março

COMPARTILHE

Crédito: Ricardo Teles

O impacto da tragédia da Vale em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, na economia mineira vem se intensificando. Em março, a produção industrial em Minas mostrou retração em todas as bases comparativas, conforme divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo a analista do IBGE Minas, Cláudia Pinelli, o resultado negativo foi puxado principalmente pela queda na mineração no Estado, que se soma ao cenário de baixa atividade econômica no País. A redução mais intensa da atividade industrial, de 8,2%, foi registrada na comparação de março deste ano com igual mês de 2018. Nesse mesmo comparativo, a indústria extrativa caiu 28,6%.

PUBLICIDADE

“É uma queda acentuada em atividade com peso muito grande no Estado. Qualquer queda traria consequências e, nessa magnitude, os efeitos vêm fortes”, diz a analista do instituto.

No trimestre, a retração da produção industrial foi de 2,5%. Na passagem de fevereiro para março, a perda foi de 2,2%, sendo mais intensa do que a nacional, que registrou queda de 1,3% nessa base comparativa. Com isso, segundo Cláudia Pinelli, o desempenho da indústria mineira no acumulado de 12 meses caiu 1,3%. Ela explica que esse dado é preocupante porque, até então, nessa base comparativa, as perdas estavam diminuindo. “Em março, as perdas se acentuaram, o que indica a perda de dinamismo da atividade”, disse.

“Esse é o reflexo do que estamos acompanhando: a economia não dá sinais de recuperação, havendo uma estagnação. Os setores estão aguardando a votação da reforma da Previdência e ainda sem saber se essa medida será suficiente para melhorar a economia. É um cenário de incerteza. Em Minas, há o agravante da retração da mineração”, diz Cláudia Pinelli.

Ela pondera ainda que somado ao ambiente de incerteza está o indicador do mercado de trabalho, que não mostra recuperação, impactando no rendimento das famílias e gerando perdas em segmentos de comércio, serviços e indústria.

Em Minas, outro setor que preocupa é o de veículos automotores, que registrou queda de 9,3% em março, na relação com igual mês do ano passado. Segundo Cláudia Pinelli, outros estados, como o Paraná, mostraram bom desempenho nesse setor. Ela informa que esse resultado pode estar ligado a questões de mercado e da renda das famílias.

Ainda na comparação março 2019/março 2018, os setores que mostraram queda foram outros produtos químicos (-15,4%); produtos têxteis (-10,7%); produtos de minerais não-metálicos (-5,4%); indústrias de transformação (-2%); fabricação de produtos alimentícios (-1,8%); metalurgia (-1,1%).

Positivo – Os resultados positivos vieram da fabricação de bebidas (+8,2%); fabricação de máquinas e equipamentos (+6,4%); fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos (+5,8%); produtos de fumo (+5,1%); de celulose, papel e produtos de papel (+1,8%); fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (+0,6%).

Acumulado – No primeiro trimestre, em relação a igual período de 2018, a retração da indústria extrativa foi de 13,3%. Os outros setores que registraram queda foram produtos do fumo (-8,1%); produtos têxteis (-7,5%); outros produtos químicos (-7,1%); veículos automotores, reboques e carrocerias (-3,6%). Mostraram resultados positivos produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos (+9,1%); máquinas e equipamentos (+8,3%); bebidas (+7,1%); coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (+4,9%); produtos de minerais não-metálicos (+2,7%); celulose, papel e produtos de papel (+2,5%); metalurgia (+1,5%); indústria de transformação (+1%); produtos alimentícios (+0,5%).

Quanto à variação nos 12 meses, a perda mais acentuada vem de produtos têxteis (-10,7%). Em seguida estão produtos do fumo (-9,5%); produtos alimentícios (-6,5%); produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos (-6,4%); de veículos automotores, reboques e carrocerias (-5,2%); indústria extrativa (-2,5%); outros produtos químicos (-1,8%); transformação (-0,9%);

O destaque positivo foi a fabricação de máquinas e equipamentos, com aumento de 20,4%. Segundo Cláudia Pinelli, esse resultado mostra que há uma continuidade dos investimentos para manutenção do parque industrial. Também mostraram crescimento a indústria de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (+5,9%); produtos de minerais não-metálicos (+3,3%); metalurgia (+3,2%); bebidas (+2,1%); celulose, papel e produtos de papel (+0,4%).

IBGE registra recuo em nove regiões

Rio – Nove dos 15 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tiveram queda na produção industrial. Segundo a Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física Regional, divulgada ontem, os recuos mais intensos ocorreram no Pará (-11,3%) e na Bahia (-10,1%).

Também tiveram queda na produção Mato Grosso (-6,6%), Pernambuco (-6%), Minas Gerais (-2,2%), Ceará (-1,7%), São Paulo (-1,3%) e Amazonas (-0,5%).

A região Nordeste, única pesquisada de forma conjunta, teve redução de 7,5%. Com isso, a produção nacional fechou com redução de 1,3%, conforme divulgado na semana passada.

Por outro lado, seis locais tiveram alta na produção: Espírito Santo (3,6%), Rio de Janeiro (2,9%), Goiás (2,3%), Paraná (1,5%), Santa Catarina (1,2%) e Rio Grande do Sul (1%).

Na comparação com março do ano passado, 12 locais apresentaram queda, com destaque para Pará (-12,5%) e Mato Grosso (-12,3%). Dos três locais com alta, o melhor resultado foi obtido pelo Rio Grande do Sul (3,4%).

No acumulado do ano, dez locais tiveram queda na produção. A maior delas foi no Espírito Santo (-8,5%). Dos cinco locais com alta, o principal crescimento deu-se no Paraná (7,8%).

Já no acumulado de 12 meses, foram nove locais em queda, com destaque para Goiás (-4,1%) e seis com alta, sendo a maior no Pará (7,2%). (ABr)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!