COTAÇÃO DE 16/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2650

VENDA: R$5,2660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2970

VENDA: R$5,4430

EURO

COMPRA: R$6,1849

VENDA: R$6,1877

OURO NY

U$1.753,13

OURO BM&F (g)

R$296,60 (g)

BOVESPA

-1,10

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia
Crédito: Divulgação
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

Os repasses feitos pelo Banco do Nordeste do Brasil (BNB) para municípios de Minas tiveram alta de 152% em 2018 no comparativo com 2017. De acordo com balanço divulgado ontem pelo banco, no ano passado, o total de contratações de crédito chegou a R$ 2,76 bilhões, enquanto no exercício anterior foi de R$ 1,09 bilhão.

Já o número de operações mostrou uma pequena retração de 1%, totalizando 243.588 em 2018, contra 246.242 em 2017. Para 2019, a previsão é de estabilidade na relação com o exercício anterior. Queda de juros e aumento da demanda estão entre os fatores responsáveis pelo resultado positivo.

PUBLICIDADE

No total, em 2018, o banco repassou R$ 43,6 bilhões para cidades do Nordeste brasileiro, Espírito Santo e Minas. As cidades mineiras – a instituição atua no Norte de Minas, Vales do Jequitinhonha e Mucuri – ficaram com cerca de 6,5% do total.

Presidente do Banco do Nordeste, Romildo Rolim informa que a maior parte dos empréstimos destinados a Minas foram de longo prazo, sendo a principal modalidade o Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), que cresceu 257% na passagem de 2017 para 2018.

Isso ocorre, segundo ele, porque houve uma redução das taxas de juros de fundos constitucionais, levando a uma forte alta da demanda.

“Tínhamos uma demanda reprimida e, em 2018, com a queda da taxa de juros, cresceu a confiança diante das taxas menores de juros”, disse.

Operado com exclusividade pelo BNB e principal fonte de recursos da instituição, o FNE concentrou 83% dos valores destinados a cidades mineiras. Para Minas, em 2018, foram R$ 2,28 bilhões em 2018, alta de 257% em relação a 2017 (R$ 640,2 milhões). O número de operações foi de 52.956 em 2018 e de 54.747 em 2017, ou seja, apresentou retração de 3%.

Segundo Rolim, a queda no número de operações e alta nos valores mostra que o tíquete médio dos empréstimos aumentou. Isso pode ter ocorrido devido a alguma operação de maior vulto de clientes em áreas como energia solar.

O Pronaf, incluindo o Agroamigo, somou R$ 281,6 milhões com 50.679 operações em 2018. O valor é 8,5% superior a 2017, cujo total foi de R$ 259,1 milhões em 52.573 contratações.

Ainda segundo o balanço, o microcrédito mostrou elevação de 8,4%, passando de R$ 608,9 milhões em 2017 para R$ 659,9 milhões em 2018. Nesse caso, a quantidade de operações mostrou ligeira alta de 0,86%, passando de 231.193 para 233.213 em igual base comparativa.

Dentro do microcrédito, o Crediamigo (urbano) ficou com R$ 416,2 milhões, alta de 9% em relação a 2017 (R$ 382,2 milhões), beneficiando pequenos empreendedores, como os artesãos. O Agroamigo (rural) somou R$ 243,7 milhões em 2018, alta de 7,5% ante o exercício anterior, que fechou com R$ 226,7 milhões.

Já o total das contratações das micro e pequenas empresas foi de R$ 132,5 milhões em 2018, alta de 10% em relação a 2017, quando o valor foi de R$ 120,4 milhões. A quantidade de operações teve retração de 20%, sendo de 2.593 em 2017 e de 2.040 em 2018.

Rolim destaca que as aplicações para micro e pequenas empresas, microcrédito e agricultura familiar cumprem a missão institucional da empresa de ser o agente financeiro do pequeno empreendedor.

Lucro – O balanço patrimonial do Banco do Nordeste mostra que a instituição teve lucro líquido apurado em 2018 de R$ 725,5 milhões, com alta de 6,4% ante ao do exercício anterior, quando foram registrados R$ 681,7 milhões. O resultado operacional da instituição no ano foi de R$ 1,243 bilhão e indicou crescimento de 8,3% em relação a 2017.

Segundo a assessoria do banco, o aumento do lucro do BNB tem como principais fatores a redução de 15% nas despesas com aprovisionamentos para créditos de liquidação duvidosa, inclusive as decorrentes de coobrigação com o FNE, e o crescimento de 9,4% das receitas de prestação de serviços, o que representa elevação de R$ 212,3 milhões em relação ao exercício anterior.

O patrimônio líquido do Banco do Nordeste chegou a R$ 4,182 bilhões no final de 2018. A rentabilidade sobre o patrimônio líquido médio da instituição foi de 19% ao ano.

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!