COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia
O coordenador da pesquisa frisa que o segmento de transportes impactou o índice geral - Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo DC

O setor de transportes de cargas no Estado deve fechar 2019 com retração. Conforme o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas de Minas Gerais (Setcemg) e vice-presidente da Federação das Empresas de Transportes de Carga do Estado de Minas Gerais (Fetcemg), Gladstone Lobato, o resultado negativo é atribuído à paralisação parcial da mineração e à demora na votação das reformas estruturantes.

No início de 2019, a entidade trabalhava com projeção de alta de 2,3% para o ano, índice estipulado pela Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística). Entretanto, os números foram revisados para baixo, com as novas projeções indicando perdas.

PUBLICIDADE

Lobato informou que o percentual de retração do setor de transporte de cargas não está definido. Mas, até agora, segundo ele, as atividades ligadas à mineração tiveram queda de 20%. E, conforme divulgado na semana passada pela Fundação João Pinheiro, em Minas, o setor de transportes como um todo teve queda de 1,1% no primeiro trimestre de 2019 na relação com igual período de 2018. Nessa mesma base comparativa, a atividade avançou 0,2% no País. No acumulado de 12 meses (até março), as perdas em Minas foram de 0,7%, enquanto na média nacional houve avanço de 1,5%.

O presidente do sindicato informa que, mesmo com a aprovação das reformas estruturantes este ano, a melhora nos resultados está sendo esperada somente para 2020.

De acordo com Lobato, do início de 2019 até agora, houve melhora para o setor somente quanto ao preço do diesel, que ficou mais estável.

“Nem é tanto a queda de preço ocasionada pela queda no dólar, mas a estabilidade é muito importante. Porque aí temos como calcular até como correr atrás de perdas”, diz.

Em março, a Petrobras mudou a política de preços do diesel, determinando que os valores do diesel não fossem alterados em período inferior a 15 dias. Mas, no mês passado, a petroleira mudou novamente as regras, determinando que preços do diesel e gasolina podem ser alterados sem periodicidade definida. Na ocasião, a medida levou à queda no preço do diesel.

Mineração – O impacto da retração da atividade da mineração, após a tragédia da Vale em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, foi fortemente sentido pelo setor de transportes.

“A queda da mineração comprometeu muito todas as operações no Estado. A mineração foi um elo partido que puxou tudo para baixo”, reforça Lobato. Ele explica que as empresas de transporte ligadas à atividade não têm nem como migrar para outro segmento, pois os veículos utilizados são próprios para a mineração.

Para compensar, pelo menos em parte, as perdas da mineração, os empresários contavam com a aprovação das reformas estruturantes, como Previdência e tributária, o que ainda não ocorreu.

“Não foi votado nada. Quem quer investir no País está esperando”, diz.

Além da questão da mineração e das reformas, ele reforça que outro fator que interfere negativamente no setor é a baixa demanda, devido ao consumo comprometido frente à lenta recuperação da economia.

Para aquecer o setor, Setcemg e Fetcemg cobram que a agenda de concessões seja acelerada, de forma a impulsionar obras em rodovias, o que pode auxiliar a economia como um todo e, consequentemente, os transportes.

Meio ambiente – A Fectcemg realiza hoje, na sede da entidade, na Pampulha, a entrega do prêmio Melhor Ar. A premiação é voltada às empresas do setor de transportes rodoviário de cargas que se destacam no monitoramento da emissão de poluentes de suas frotas e que desenvolvem práticas de preservação do meio ambiente.

Neste ano, serão premiadas 45 empresas. O objetivo é incentivar o uso racional do combustível e a melhoria de qualidade do ar. Conforme Lobato, o tema vem ganhando relevância entre os empresários do setor. Com isso, a premiação vem crescendo.

Todas as empresas participantes do prêmio tiveram suas frotas monitoradas pelo Programa Ambiental do Transporte – Despoluir da Confederação Nacional do Transporte (CNT), cuja gestora em Minas Gerais é a Fetcemg. De junho de 2018 a junho de 2019 foram 19.510 aferições, resultando um crescimento de 13% comparado ao mesmo período de 2017.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!