COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia exclusivo zCapa

Setor imobiliário está otimista com linha de crédito lançada pela Caixa

COMPARTILHE

Setor imobiliário está otimista com linha de crédito lançada pela Caixa
Com o lançamento da nova linha habitacional, entidades projetam crescimento de dois dígitos do segmento imobiliário - Crédito: Charles Silva Duarte / arquivo dcmento imobiliário

A Caixa Econômica Federal anunciou ontem mais uma linha de crédito habitacional, agora, com taxa fixa.  Os juros dessa nova modalidade variam de 8% a 9,75% por ano, de acordo com o relacionamento do cliente com a entidade e com o tempo de financiamento que será firmado entre as partes. As contratações nesse sistema estão disponíveis a partir de hoje.

Os efeitos da medida no mercado deverão ser bastante positivos, segundo os profissionais consultados pelo DIÁRIO DO COMÉRCIO. Para o diretor da CMI/Secovi-MG, Leonardo Matos, por exemplo, esse é um momento “quase histórico”, destaca ele.

PUBLICIDADE

“O mercado imobiliário ficou muito animado, satisfeito. Esse é um dos sinais de que o segmento deverá crescer cerca de dois dígitos nos próximos dois anos”, salienta.

O diretor da CMI/Secovi-MG frisa que é muito importante o fato de o consumidor contar, a partir deste momento, com três opções de linha de crédito, para escolher a forma de financiamento que mais se encaixa ao seu perfil.

Isso porque, além da nova modalidade anunciada ontem pela Caixa, ainda existem mais duas que são disponibilizadas pelo banco. Uma delas, que teve início no mês de agosto de 2019, tem correção pela inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), com juros que variam de 2,95% a 4,95%. A outra contratação, por sua vez, tem correção pela Taxa Referencial (TR), sendo que os juros variam de 6,5% a 8,5%.

“Acreditamos que deverá, sim, haver um aumento no número de vendas de imóveis. Esse crescimento, porém, está atrelado também a outros fatores. A taxa Selic a 4,25%, por exemplo, deixa de ser interessante para o mercado de renda fixa, pois gira em torno de 0,35% ao mês. Já a renda com aluguel é de cerca de 0,4% mensais, sem contar a valorização do imóvel”, ressalta Leonardo Matos.

Além disso, lembra ele, os indicadores relacionados ao emprego estão melhorando e há as chamadas reformas estruturais sendo propostas e aprovadas.

“Estamos diante de um novo cenário, que a gente não viveu nos últimos 20 anos. Este é um dos melhores momentos para adquirir um imóvel”, afirma.

O diretor da CMI/Secovi-MG acredita, ainda, que a tendência, agora, é de que os bancos privados sigam esse mesmo modelo da Caixa. “A Caixa tem ditado as tendências do mercado imobiliário”, frisa ele.

Sinduscon-MG – O vice-presidente da área imobiliária do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), Renato Michel, também vê a nova linha de crédito habitacional da Caixa como algo positivo para o mercado de maneira geral. Ele destaca, inclusive, que o mercado imobiliário é muito dependente dos sistemas de financiamento.

“Cada cliente tem uma particularidade e vai poder escolher a opção que mais cabe a ele”, diz. “Todas são boas, cada uma para uma necessidade diferente”, ressalta. (Mais informações na página 26)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!