COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Estudo das entidades mostra que a maioria dos empresários destina até 5% do faturamento do negócio para o investimento na melhoria da segurança - Estudo das entidades mostra que a maioria dos empresários destina até 5% do faturamento do negócio para o investimento na melhoria da segurança - Filo Alves

A violência continua sendo um incômodo para comerciantes de Belo Horizonte, mas, na percepção daqueles que trabalham no ramo supermercadista, a segurança apresentou uma melhora. Nos últimos 12 meses, 32,4% desses estabelecimentos registraram algum tipo de violência. O índice é alto, mas é o menor desde 2013 e se encontra 22 pontos percentuais abaixo do registrado em igual período de 2017, quando chegou a 54,4%. Os números constam da Pesquisa de Vitimização do Setor Supermercadista, divulgada ontem pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio-MG) e pelo Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios de Belo Horizonte (Sincovaga-BH).

Analista de pesquisa da Fecomércio-MG, Elisa Castro informa que a redução do registro de crimes nos supermercados é atribuída aos investimentos particulares feitos pelos próprios comerciantes e também a ações da Polícia Militar.

PUBLICIDADE

O vice-presidente do Sincovaga-BH, José Luiz de Oliveira, afirma que realmente houve uma melhora na segurança, mas que os desafios ainda são grandes e muitas vezes estão ligados à impunidade dos crimes. A instalação de unidades móveis da Polícia Militar nos bairros da Capital, a partir do final de 2017, foi citada pelo Sincovaga-BH como uma medida positiva.

“A gente tem notado uma presença maior da polícia”, disse. Entre os empresários que relataram alguma ocorrência no estabelecimento, a grande maioria – 95,2% – acionou a polícia. Houve melhora em relação ao ano passado, quando esse índice foi de 90,8%.

De acordo com a pesquisa, a região do Barreiro (66,0%) e a região Norte (60,4%) foram as que registraram maior número de comércios alvos de criminosos. O menor índice é na Centro-Sul: 19,1%.

Oliveira ressalta que os comerciantes continuam investindo fortemente para evitar os problemas causados pela violência. Cálculos do Sincovaga-BH indicam que as perdas com roubos correspondem a aproximadamente 3% do faturamento.

A pesquisa indica que a maioria dos empresários – 71,1% – gasta até 5% do faturamento do negócio com segurança. A maior parte investe em circuito interno de TV (49,5%) e alarmes (24%).

Além disso, a insegurança tem feito os comerciantes mudarem suas rotinas. O levantamento aponta que 52,5% dos entrevistados informaram que alteraram algum processo para evitar a violência. A principal medida, tomada por 41% dos ouvidos, foi passar a guardar objetos de valor em outros locais, sendo que 33% mudaram o horário de funcionamento. Além disso, 12,4% reforçaram a segurança do estabelecimento.

Desafios – Indicando que a violência ainda é um desafio, a pesquisa mostra que, dos 32,4% estabelecimentos que registraram crimes nos últimos 12 meses, 68,3% foram alvo de assalto à mão armada a comerciários. Em seguida, aparecem os crimes de furtos à loja (15,2%) e assalto à mão armada a clientes (3,9%). Em 2017, o índice de assalto à mão armada a comerciários era menor, ficando em 54,9%.

Outro desafio está em relação aos comerciantes que se sentem seguros em trabalhar até mais tarde: apenas 20,9% dos empresários responderam positivamente a essa pergunta.

Capital – A pesquisa mede a percepção da violência dos comerciantes quanto à cidade como um todo, no bairro onde está seu estabelecimento e dentro de sua loja. Assim como aconteceu quanto à violência dentro do comércio, a incidência de crimes também registrou queda nos bairros, na avaliação dos entrevistados, passando de 53,6% em 2017, para 27,9% este ano. Porém, em relação a Belo Horizonte, o índice apresentou aumento, passando de 60,7% no ano passado, para 61,8% em 2018.

Apesar disso, a pesquisa mostrou que houve uma melhora na percepção da qualidade de vida em Belo Horizonte, com 70,3% dos entrevistados tendo avaliado positivamente a Capital. Houve uma alta de 14,4 pontos percentuais em relação ao ano passado, quando o índice ficou em 55,9%.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!