COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$6,6420

VENDA: R$6,6450

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Sowitec investirá R$ 5,2 bi em energia limpa em MG

COMPARTILHE

Minas Gerais vem atraindo grandes investimentos em geração de energia fotovoltaica nos últimos anos | Crédito: Divulgação/Enel

Minas Gerais segue recebendo importantes e vultosos investimentos em energia limpa. Dessa vez, a empresa alemã Sowitec anunciou aportes de R$ 5,2 bilhões para a implantação de três grandes projetos em municípios do Norte de Minas: dois exclusivamente de fonte solar fotovoltaica (Presidente JK e Minas do Sol) e um de fonte híbrida (Gameleiras), convergindo tanto para a geração solar fotovoltaica quanto para a eólica – uma das novas apostas do governo do Estado, ao lado do hidrogênio verde.

A implantação total dos projetos é estimada para ocorrer entre dois a quatro anos, com início previsto a partir de 2023. A primeira etapa dos projetos deve entrar em operação no final de 2024 e a estimativa é que todas as fases estejam finalizadas até 2027. A previsão é que sejam gerados 400 empregos no período de implantação.

PUBLICIDADE

Apenas o projeto híbrido, batizado de Complexo de Geração de Energias Gameleiras, será instalado nos municípios de Monte Azul, Espinosa, Santo Antônio do Retiro, Rio Pardo de Minas e Mato Verde e está em processo de regularização das propriedades e obtenção de licença ambiental para a futura construção.

A capacidade estimada de potência das primeiras fases desse empreendimento é de 600 megawatts (MW), no eólico, e 400 megawatts corrente alternada (MWac) –  520 megawatts pico (MWp), no solar. Já nas fases subsequentes do projeto, as capacidades estimadas devem saltar para 1.400 MW no eólico e 600 MWac (780 MWp) no solar. Isso quer dizer que, quando estiver totalmente implantado, poderá atender, em média, 1,5 milhão de residências por ano.

Já os projetos solares Minas do Sol, em Pirapora, e Presidente JK, no município de mesmo nome, estão em estágio avançado de desenvolvimento, com todas as propriedades regularizadas, medição solarimétrica de acordo com os parâmetros dos órgãos competentes e licença ambiental de implantação emitida. O primeiro terá potencial para atender, em média, 250 mil residências por ano e o segundo, 350 mil.

De acordo com o vice-diretor da Sowitec, Edgard Almeida, a decisão da empresa por investir em Minas Gerais ocorreu pelos próprios diferenciais que o Estado apresenta quando o assunto são fontes de energias sustentáveis. Ele destacou o potencial solar de Minas, bem como o eólico, e adiantou que o desenvolvimento de projetos não vai parar por aí.

“Apostamos muito em Minas Gerais. Estamos lançando esses três projetos que já estão em estágios mais avançados, mas temos outros em etapas mais iniciais, nas áreas solar, eólica e de hidrogênio verde, que é uma nova aposta do governo do Estado e que a Sowitec está bem alinhada, vislumbrando projetos futuros”, revelou.

Especificamente sobre a fonte híbrida – projeto Gameleiras, Almeida explicou que as vantagens são inúmeras, como a complementaridade de energia, diminuindo custos e explorando o que cada fonte tem de melhor – como a maior incidência solar durante o dia e ventos à noite – aumentando a eficiência da usina. Sobre a aposta de geração eólica no Estado, ele lembrou que atualmente há mecanismos que permitem o aproveitamento do potencial existente com aerogeradores de maior alcance e que a localização do Estado também contribui para esse interesse, pois o subsistema elétrico sudeste e centro-oeste é o maior consumidor de energia do Brasil.

Da mesma maneira, o diretor de Investimentos da Agência de Promoção de Investimento e Comércio Exterior de Minas Gerais (Indi), Ronaldo Barquette, ressaltou que um dos pontos mais marcantes do projeto da Sowitec em Minas Gerais diz respeito à confirmação da viabilidade econômica da geração eólica no Estado. “É um atrativo a mais para outros investimentos do tipo. Já iniciamos as tratativas com outras empresas de energia que também desejam aportar no setor eólico e quando citamos o projeto, as incentiva a dar sequência às pesquisas”, comentou.

Energia limpa e regularização fundiária em Minas Gerais

O complexo Gameleiras ficará situado em uma região predominantemente de áreas com histórico de complicados processos de regularização fundiária. Desta maneira, a implantação do projeto trará uma solução para a população da região, a partir de um acordo entre a empresa e o governo estadual, em vistas de acelerar os processos de regularização. A companhia se comprometeu a incentivar os proprietários a buscar a titulação de todos os imóveis.

“Vamos propagar a informação sobre essa possibilidade de regularização e fornecer todo apoio técnico, jurídico e financeiro para os proprietários em todas as etapas do processo de regularização”, garantiu Almeida.

Para se ter ideia da dimensão do complexo eólico, o projeto deverá ser instalado em uma área de 355 hectares, o equivalente a mais de 300 campos de futebol. Para isso, a empresa realizou um mapeamento das áreas e tem a estimativa de regularização de 130 a 150 imóveis.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!