Entre os investimentos no município, está a construção de novos supermercados, como a unidade da Assaí Atacadista - Crédito: Divulgação

Enquanto o índice de confiança do empresariado segue tímido e, consequentemente, os níveis de investimentos em todo o País abaixo do necessário para alavancar a recuperação da economia, Uberlândia, no Triângulo Mineiro, continua atraindo aportes e se mantém na rota do crescimento em Minas Gerais.

Levantamento da prefeitura apontou que, do início de 2017 para cá, cerca de R$ 1 bilhão em investimentos privados foram atraídos para o município. Com isso, a queda de postos de trabalho formais apresentada entre 2014 e 2016 já começa a ser revertida.

De acordo com o prefeito da cidade, Odelmo Leão, as inversões têm ocorrido por parte de micro, pequenas, médias e grandes empresas. Tanto aquelas que já estão instaladas na região e expandiram seus negócios, como as que se interessaram por migrar para a cidade.

“Apesar da crise que estamos vivendo e da dívida do Estado conosco, que já chega a R$ 197 milhões, a prefeitura tem buscado fazer um bom trabalho junto às empresas que desejam se instalar na cidade, sempre buscando facilitar para que o empreendedor gere emprego e renda para a região”, explicou.

Projetos executados – Assim, desde o início do ano passado, o município auxiliou na atração de diversos investimentos, incluindo desenvolvimentos para novos projetos da Cargill, expansão das atividades da Souza Cruz, transferência da sede da fintech Social Bank e a construção de novas unidades supermercadistas (Grupo Bahamas, Grupo Kamel Megamix e Assaí Atacadista).

Além disso, a cidade também foi escolhida para sediar a nova fábrica de laticínios da Polenghi e tem se destacado na formalização de cervejarias artesanais. “Na última sexta-feira, foi anunciada ainda a ampliação da fábrica da Ambev, com valores que se aproximam à casa de três dígitos de milhões a serem investidos”, completou o prefeito.

Dessa maneira, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), mostrou que Uberlândia também voltou a apresentar saldo positivo de empregos, com 515 vagas criadas em setembro, representando um aumento de cerca de 800 postos nos últimos três meses.

Já em 2017, o levantamento anual do Caged colocou a cidade entre as dez que mais criaram postos formais de trabalho no Brasil, atrás apenas de Joinville (SC), Aparecida de Goiânia (GO), Bebedouro (SP), Goiânia (GO), São Luís (MA), São José (SC) e Matão (SP).

“Muito desse resultado se remete à intermediação e captação de novos investimentos para fortalecer a economia local, com geração de emprego e renda”, concluiu.