COTAÇÃO DE 26/02/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6050

VENDA: R$5,6055

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5730

VENDA: R$5,7530

EURO

COMPRA: R$6,7113

VENDA: R$6,7142

OURO NY

U$1.732,60

OURO BM&F (g)

R$307,54 (g)

BOVESPA

-1,98

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia exclusivo zCapa

Valor médio para alugar residência na Capital subiu 2,12% em abril

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Divulgação

Mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o preço médio de locação residencial em Belo Horizonte apresentou um crescimento real de 2,12% em abril na comparação com o mês de março, a maior alta entre as capitais pesquisadas pelo Índice FipeZap.

Foi também de Belo Horizonte o primeiro lugar na variação acumulada do ano (4,46%). Já no acumulado de 12 meses, a capital mineira ficou na décima posição, com variação de 2,26%.

PUBLICIDADE

Conforme destaca o coordenador do Índice FipeZap, Eduardo Zilberstein, Belo Horizonte tem mostrado um momento de recuperação, de um dinamismo maior do que o que foi registrado na cidade no ano passado. No entanto, não se pode cravar esse fato como uma tendência, principalmente diante do que o município, o País e boa parte do mundo vivem agora: a crise econômica provocada pela crise na saúde devido ao Covid-19.

O que se tem pela frente, segundo Eduardo Zilberstein, ainda é bastante incerto. Por um lado, diz ele, poderá haver uma desaceleração nos preços e até uma reversão do crescimento por causa da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). No entanto, destaca, “ao mesmo tempo, também há motivos para a gente pensar que o mercado de locação pode acabar se tornando mais resiliente do que se imaginava”, diz.

Da alta ao declínio – A crise que diversas economias mundiais vivem agora pode provocar uma espécie de mudança repentina no mercado de imóveis em todo o País, inclusive na capital mineira. Embora ainda não se tenha certeza de que os valores dos aluguéis irão diminuir, a previsão, antes da pandemia, era de uma valorização maior neste ano.

“Na crise anterior, os valores dos aluguéis caíram bastante e estavam em um patamar relativamente baixo. A gente vinha em um movimento de recuperação, estávamos em um momento bastante positivo. Estava havendo uma expansão real dos preços”, salienta Eduardo Zilberstein.

Agora, só o tempo poderá dizer com mais clareza o que vai acontecer, em meio a várias situações que já se mostram negativas. “Estamos entrando em um período de maior dificuldade. O mercado de trabalho está sofrendo e é possível que isso se reflita nos preços dos imóveis. É difícil saber como vai ser a nova realidade, quanto tempo toda essa situação vai durar”, analisa o coordenador do Índice FipeZap.

Para Eduardo Zilberstein, a análise envolve ainda um período relativamente curto para verificar os impactos nos preços dos aluguéis devido à pandemia do novo coronavírus, e eles poderão ser vistos, se for o caso, “conforme a vacância for aumentando, os imóveis forem sendo devolvidos, os contratos renegociados”, diz ele. “Leva algum tempo para os impactos se materializarem, se é que vão se materializar”, afirma.

Outros números – Por enquanto, portanto, o que se tem ainda são números mais elevados em vários sentidos. O Índice FipeZap também mostra que a rentabilidade do aluguel em Belo Horizonte aumentou 4,02% em abril na comparação com o mês de março.

Por outro lado, o preço médio de locação em Belo Horizonte é de R$ 23,15 o metro quadrado. O número é menor do que a média ponderada de 25 cidades, que é de R$ 30,68.

Na capital mineira, os maiores valores de locação foram registrados nos bairros Belvedere (R$ 40,19/m²), Boa Viagem (R$ 34,58/m²), Funcionários (R$ 30,73/m²), Sion (R$ 27,15/m²) e Luxemburgo (R$ 26,95/m²).

Inadimplência em taxa de condomínio sobe na RMBH

Levantamento realizado pela Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário de Minas Gerais (CMI/Secovi-MG) mostra que o índice médio de inadimplência no pagamento das taxas de condomínios na capital mineira e região metropolitana aumentou 20% em abril deste ano (12,70%) no comparativo ao mesmo mês em 2019 (10,72%).

A taxa média subiu 1,98 ponto percentual, o que pode ter sido motivado pela crise econômica intensificada pela pandemia de Covid-19. O estudo foi feito levando em consideração cerca de 2 mil condomínios residenciais e comerciais em Belo Horizonte e região metropolitana.

Desde o início deste ano, a curva da inadimplência em condomínios tem apresentado crescimento: janeiro (9,73%), fevereiro (10,94%) e março (11,44%). Já o índice de impontualidade – taxas liquidadas dentro do mês, mas fora da data de vencimento – vem caindo ao longo desses meses: janeiro (8,12%), fevereiro (7,39%), março (7,56%) e abril (6,40%). No comparativo com abril do ano passado, a impontualidade diminuiu 26% (8,63% em 2019).

De acordo com o vice-presidente das Administradoras de Condomínios da CMI/Secovi-MG, Leonardo Mota, o aumento na taxa média de inadimplência pode ter sido consequência da crise gerada pela pandemia de Covid-19.

“Os índices de desemprego subiram, o que, consequentemente, faz com que contas com multas menores sejam postergadas”, explica. Ele destaca também que, no ano passado, em nenhum mês, foi observada uma taxa acima dos 12% e a média sempre esteve em aproximadamente 10%. “Infelizmente, a tendência parece ser de alta e, mais do que nunca, os síndicos precisam rever todos os custos e negociar com fornecedores para manter o caixa em dia”, declara.

Mota complementa que, depois da aprovação do novo Código de Processo Civil, as ações de cobrança de condomínios atrasados se tornaram mais ágeis. Isso porque o CPC tornou a cobrança de condomínios um título executivo extrajudicial, fazendo com que eles recebam com mais agilidade. No entanto, com a suspensão dos processos judiciais em função da pandemia de Covid-19, os pagamentos dos inadimplentes ficaram prejudicados.

“Por isso, neste momento adverso, é fundamental que o síndico chegue a um acordo com o condômino e proponha, por exemplo, o parcelamento da dívida por meio de cartão de crédito”, acrescenta. (Da Redação)

Caixa amplia pausa para financiamentos

Brasília – A Caixa disponibiliza desde ontem a ampliação da pausa do pagamento de financiamentos habitacionais por um período de 120 dias para os clientes que já haviam solicitado o benefício de suspensão temporária. Anteriormente, o período máximo era de 90 dias.

Quem decidir solicitar a suspensão temporária das prestações a partir de agora já terá os 120 de pausa garantidos.

A ampliação do prazo vale para pessoas físicas e jurídicas, no caso de financiamentos à produção de empreendimentos e para os financiamentos de aquisição e construção de imóveis comerciais – individual.

“Ao estender a pausa na prestação do contrato habitacional para quatro meses, o banco oferece às pessoas e empresas a oportunidade de reprogramar seu orçamento diante das dificuldades que vêm enfrentando nesse período”, comentou o presidente da Caixa, Pedro Duarte Guimarães.

Segundo o banco, a medida faz parte das ações para enfrentar os efeitos causados à economia pela pandemia de Covid-19. Até o momento, mais de 2,3 milhões de mutuários já solicitaram a pausa na prestação habitacional.

Quem solicitar a pausa no contrato terá que pagar juros, seguros e taxas, que serão acrescidos ao saldo devedor do contrato. De acordo com o banco, a taxa de juros e o prazo contratados originalmente não sofrem alteração.

Os clientes com pagamentos em dia ou aqueles com pagamentos em atraso por, no máximo, 18 meses, podem solicitar a carência. Clientes que utilizaram o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para abater uma parte da prestação também podem solicitar o serviço. No caso de pessoas jurídicas, a possibilidade de pausa nas prestações é permitida para quem está sem pagar no prazo de no máximo duas parcelas (atraso de 60 dias). (ABr)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente