Foram vendidas 623.950 unidades em Minas Gerais no acumulado do primeiro semestre, de acordo com dados da Fenauto | Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo DC

Em junho, a reabertura de parte do comércio contribuiu para o crescimento das vendas de automóveis seminovos e usados em Minas Gerais.

De acordo com dados da Federação Nacional das Associações de Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto), no Estado, foram comercializados 132.584 veículos, em junho, o que representou um avanço de 51,2% sobre o volume vendido em maio. Na comparação com junho de 2019, foi verificada queda de 1,3% nas vendas.

Com o fechamento novamente das concessionárias, em Belo Horizonte e em outras cidades, para conter o avanço do Covid-19, a estimativa é que ocorram novas quedas, mas, as mesmas serão em níveis menores que os observados no início do isolamento social.

Apesar do resultado positivo frente a maio, no acumulado do ano, as vendas ainda estão 25% menores em Minas Gerais, quando comparadas com o primeiro semestre de 2019. Influência que veio das primeiras semanas do isolamento, que fez com que as vendas caíssem até 80% no Estado.

De janeiro a junho foram comercializados 623.952 veículos ante os 831.623 registrados em igual período de 2019.

A estimativa da Associação dos Revendedores de Veículos no Estado de Minas Gerais (Assovemg), é que ao longo dos próximos meses as vendas se recuperem e encerrem o ano estáveis no confronto com 2019.

Para o presidente da Assovemg, Glenio Leonardo de Oliveira Junior, os empresários do setor estão utilizando várias ferramentas para manter as vendas aquecidas mesmo com os estabelecimentos fechados.

Além das vendas on-line pelos sites e pelas redes sociais, também estão ocorrendo agendamentos para que os clientes possam, com segurança, adquirir um veículo.

“Os empresários buscaram alternativas para manter as vendas durante o primeiro período de fechamento das lojas, quando ficamos 71 dias com as atividades suspensas. Foram alternativas que deram resultados positivos e que estão contribuindo para a manutenção da comercialização neste período de novo fechamento. Haverá um impacto negativo na comercialização, porém, será menor que o observado no início da pandemia”.

Ainda segundo Oliveira, alguns fatores têm contribuído para a manutenção das vendas dos veículos usados e seminovos, como os preços mais acessíveis que os dos automóveis novos e a demanda dos consumidores para evitar aglomerações.

“Com a pandemia, muitas pessoas não querem utilizar o transporte público, carros compartilhados e aplicativos de transporte e estão buscando por um veículo próprio, o que tem aquecido nossas vendas. Além disso, os juros estão menores e existe a possibilidade de parcelar, o que é importante”.

Em relação ao desempenho das vendas no segundo semestre, com uma demanda reprimida, a expectativa é recuperar as perdas.

“Estamos otimistas e trabalhando muito para reduzir as perdas e encerrar 2020 com resultados iguais aos de 2019, o que será muito positivo para nosso setor”, disse Oliveira.

Categorias – Dentre as categorias, em junho, a venda de seminovos, carros com até três anos de uso, cresceu 60,7% frente a maio com 21.221 unidades vendidas.

No primeiro semestre, houve uma retração de 26,5% nas negociações, quando comparado com o mesmo período anterior. Ao todo, foram comercializadas 98.739 unidades. Já em relação a junho de 2019, foi verificada queda de 2,6%.

Os carros com idade entre nove e 12 anos apresentaram alta de 50,9% nas vendas em junho frente maio e elevação de 7,7% na comparação com junho do ano passado, somando 30.379 veículos.

As vendas acumulam queda de 18,3% no fechamento dos seis primeiros meses de 2020, com a venda de 143.362 unidades.

Na categoria de carros acima de 13 anos foram vendidos 40.191 automóveis, representando uma alta de 48,7% quando comparada com maio e de 5,8% frente a junho de 2019. A comercialização somou 183.760 unidades no período de janeiro a junho, recuo de 19,9%.

Já a comercialização de automóveis de quatro a oito anos aumentou 49,2% em junho frente a maio. Na comparação com junho de 2019 foi registrada queda de 12,1% com a venda de 40.793 unidades. O resultado elevou para 32,2% a retração registrada no acumulado do ano até junho. Ao todo, já foram negociadas 198.094 unidades.