COTAÇÃO DE 21-06-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0220

VENDA: R$5,0230

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0200

VENDA: R$5,1830

EURO

COMPRA: R$5,9972

VENDA: R$5,9999

OURO NY

U$1.783,34

OURO BM&F (g)

R$288,80 (g)

BOVESPA

+0,67

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa
Um dos motivos para que as vendas não despencassem, consideravelmente, no Dia das Crianças, foi o pagamento do auxílio emergencial | Crédito: Divulgação

O Dia das Crianças foi de queda nas vendas dos shoppings de Belo Horizonte neste ano. De acordo com o superintendente da Associação dos Lojistas de Shopping Centers de Minas Gerais (Aloshopping), Alexandre França, a retração foi de 10% na comparação com o mesmo período de 2019, influenciada pelos reflexos da pandemia da Covid-19 no segmento.

No entanto, apesar do recuo, ele foi menor do que o esperado. Segundo França, o setor previa uma diminuição nas vendas de cerca de 30%. “A gente percebe que o mercado começou a reagir”, salienta ele, que destaca, ainda, que os produtos mais procurados foram os brinquedos e as roupas infantis.

PUBLICIDADE

Um dos motivos para que as vendas não despencassem, consideravelmente, no Dia das Crianças, de acordo com o superintendente do Aloshopping, foi o auxílio emergencial, medida do governo federal para aqueles que têm pouca ou nenhuma renda.

O valor ajudou a manter o consumo, porém não com os presentes de antes. Se o tíquete médio para o Dia das Crianças nos shoppings da capital mineira era de, aproximadamente, R$ 170 antes da pandemia, neste ano passou para R$ 100.

Mudança de comportamento – Apesar de as vendas ainda terem sido menores no Dia das Crianças de 2020 na comparação com as de 2019, pouco a pouco as coisas estão mudando para os shoppings. França relata que, ao contrário do que vinha ocorrendo, nesse último feriado muitas pessoas foram aos centros de compras apenas para passear. Esse já é um passo importante, explica ele, pois muitas vendas podem ocorrer a partir daí.

No entanto, apesar da luz no fim do túnel, a situação está longe de ser a ideal. França ressalta que o fato de os shoppings ainda estarem funcionando em horários reduzidos e de os cinemas estarem fechados, isso faz com que o movimento seja menos intenso. Além disso, apesar de os centros de compras, diz ele, estarem tomando todas as medidas de segurança, muitas pessoas ainda não estão visitando-os e preferem comprar em comércios perto de casa.

Fim de ano – Além de todos esses desafios, há ainda mais um, de acordo com o superintendente do Aloshopping: está começando a faltar mercadoria, o que já foi percebido no Dia das Crianças e pode ser ainda mais intenso no Natal.

França relata que houve um estrangulamento da cadeia produtiva, pois muitas indústrias ficaram paradas com a pandemia da Covid-19. Posteriormente, houve aquelas que não conseguiram regressar, outras que voltaram devagar, o que acabou resultando em falta de matéria-prima para diversos produtos, de brinquedos a roupas. Já se começa, inclusive, a repassar a alta dos preços resultantes desse cenário.

“Os empresários não estão conseguindo comprar e não é por excesso de vendas. Os lojistas já estão terminando as compras de fim de ano e estão tendo muitas dificuldades”, ressalta.

Segundo França, o fim deste ano será atípico. A previsão é de que haja queda de cerca de 25% nas vendas na comparação com o ano passado. “As vendas serão bem menores do que em 2019, com subida de preços e falta de produtos”, afirma ele.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!