DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças

BCs e fundos soberanos adotam estratégias mais verdes e ativistas

COMPARTILHE

Títulos verdes continuam sendo a opção ESG mais popular | CRÉDITO: DIVULGAÇÃO

Londres – A pandemia de Covid-19 está acelerando uma mudança de bancos centrais, fundos soberanos e fundos de pensão públicos para estratégias de investimento mais verdes e ativistas, mostrou uma das maiores sondagens anuais sobre o comportamento dessas instituições.

A pesquisa Investidores Públicos Globais do think-tank OMFIF reuniu 102 instituições que supervisionam um total de US$ 7 trilhões neste ano para monitorar como a pandemia e outras tendências de longo prazo as estão afetando.

PUBLICIDADE

“Definitivamente, houve uma aceleração (de fatores de ESG) devido à Covid”, disse a economista-chefe do OMFIF, Danae Kyriakopoulou.

Pela primeira vez desde que o OMFIF começou a perguntar sobre ESG (sigla em inglês para meio ambiente, social e governança), a maioria em todas as três categorias de investidores públicos globais (GPIs) disse que agora implementa esses pilares de alguma forma.

Os bancos centrais representaram cerca de 60% da amostra da pesquisa deste ano e, embora muitos não invistam em ações ou projetos de infraestrutura, os títulos verdes continuam sendo a opção ESG mais popular.

Mais de um terço dos bancos consultados na pesquisa agora os detêm, embora alguns também afirmem que a liquidez e a falta de oferta de títulos verdes, especialmente em dólares, podem ser uma dificuldade.

Ponto de inflexão – A pesquisa também mostrou uma tendência mais ativa de adicionar esses ativos à carteira especialmente entre fundos soberanos e fundos de pensão públicos. Em vez de apenas excluir os poluidores, muitos agora estão comprando especificamente de empresas ou projetos que estão fazendo a transição de práticas mais poluentes ou menos responsáveis para as mais sustentáveis.

No entanto, ainda existem claras lacunas. A pesquisa descobriu que cerca de 60% dos GPIs não usam benchmarks ESG – uma espécie de lista de compras de ativos que eles podem ou não possuir – e apenas 8% tinham seus próprios benchmarks personalizados. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!