COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças

Economistas pioram em mais de R$ 100 bi rombo do governo

COMPARTILHE

moeda real
Crédito: Bruno Domingos/Reuters

Brasília – Economistas preveem que o rombo primário do governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência Social) será de R$ 571,409 bilhões este ano, piora de mais de R$ 100 bilhões frente ao patamar calculado apenas um mês antes, refletindo a rápida deterioração das expectativas para as contas públicas em meio à pandemia do novo coronavírus.

Os dados constam em relatório Prisma Fiscal do Ministério da Economia, divulgado ontem. O boletim considera dados coletados até o quinto dia útil deste mês.
No Prisma de abril, a expectativa era de déficit primário de R$ 459,750 bilhões para o governo central em 2020.

PUBLICIDADE

A estimativa mais recente do governo, por sua vez, era de um rombo de R$ 566,6 bilhões, equivalente a 7,79% do Produto Interno Bruto (PIB).

Mas o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, afirmou, na quarta-feira (13), que esse número será piorado hoje, quando o governo divulgará suas novas projeções fiscais.

Meta – A meta para o governo central neste ano é de um déficit de R$ 124,1 bilhões, mas o governo não precisará cumpri-la em função do estado de calamidade pública.

Para 2021, economistas também pioraram suas estimativas a um déficit de R$ 169,402 bilhões, frente a R$ 139,486 bilhões no mês anterior.

O governo fixou meta de déficit primário de R$ 149,61 bilhões para o ano que vem, mas pediu flexibilidade no projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para que ela seja mudada sempre que as receitas para o próximo ano forem recalculadas, já admitindo que o oitavo déficit anual consecutivo do País deve ser muito pior.

Diante do forte descompasso entre receitas e despesas, a expectativa dos economistas agora é de dívida bruta em 89,95% do PIB em 2020 (86,50% antes) e 88,60% do PIB em 2021 (85,20% antes). (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!