COTAÇÃO DE 21-01-2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4550

VENDA: R$5,4550

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4870

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,1717

VENDA: R$6,1729

OURO NY

U$1.829,52

OURO BM&F (g)

R$320,53 (g)

BOVESPA

-0,15

POUPANÇA

0,6107%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças

Economistas pioram em mais de R$ 100 bi rombo do governo

COMPARTILHE

" "
moeda real
Crédito: Bruno Domingos/Reuters

Brasília – Economistas preveem que o rombo primário do governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência Social) será de R$ 571,409 bilhões este ano, piora de mais de R$ 100 bilhões frente ao patamar calculado apenas um mês antes, refletindo a rápida deterioração das expectativas para as contas públicas em meio à pandemia do novo coronavírus.

Os dados constam em relatório Prisma Fiscal do Ministério da Economia, divulgado ontem. O boletim considera dados coletados até o quinto dia útil deste mês.
No Prisma de abril, a expectativa era de déficit primário de R$ 459,750 bilhões para o governo central em 2020.

PUBLICIDADE




A estimativa mais recente do governo, por sua vez, era de um rombo de R$ 566,6 bilhões, equivalente a 7,79% do Produto Interno Bruto (PIB).

Mas o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, afirmou, na quarta-feira (13), que esse número será piorado hoje, quando o governo divulgará suas novas projeções fiscais.

Meta – A meta para o governo central neste ano é de um déficit de R$ 124,1 bilhões, mas o governo não precisará cumpri-la em função do estado de calamidade pública.

Para 2021, economistas também pioraram suas estimativas a um déficit de R$ 169,402 bilhões, frente a R$ 139,486 bilhões no mês anterior.




O governo fixou meta de déficit primário de R$ 149,61 bilhões para o ano que vem, mas pediu flexibilidade no projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para que ela seja mudada sempre que as receitas para o próximo ano forem recalculadas, já admitindo que o oitavo déficit anual consecutivo do País deve ser muito pior.

Diante do forte descompasso entre receitas e despesas, a expectativa dos economistas agora é de dívida bruta em 89,95% do PIB em 2020 (86,50% antes) e 88,60% do PIB em 2021 (85,20% antes). (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!