Crédito: Divulgação

São Paulo – As emissões das empresas brasileiras no mercado de capitais totalizaram R$ 19,7 bilhões em março e R$ 81,4 bilhões no primeiro trimestre. De acordo com dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), mesmo com a crise desencadeada pela pandemia de Covid-19, as captações acumuladas no ano avançaram 34% sobre igual período de 2019, em que chegavam a R$ 60,6 bilhões.

Em março, 28 operações com debêntures movimentaram R$ 5,6 bilhões, o maior volume entre os demais instrumentos. No ano, 67 emissões de debêntures acumularam R$ 16,8 bilhões, contra R$ 28,1 bilhões no mesmo intervalo de 2019, ainda que com número menor de operações (56). As ofertas de ações concentraram o maior montante captado no primeiro trimestre, R$ 31,2 bilhões, com resultado impactado pelo follow-on (oferta subsequente) da Petrobras de R$ 22 bilhões. No mês de março, foram contabilizados três IPOs (ofertas iniciais), somando R$ 2,6 bilhões.

Entre as demais ofertas realizadas em março, destacam-se as de FIDCs (Fundos de Investimento em Direito Creditório), com R$ 4,6 bilhões, e as de fundos imobiliários (produtos híbridos entre renda fixa e variável), com R$ 3,7 bilhões.

No acumulado do primeiro trimestre, chegam a R$ 13,1 bilhões e a R$ 10,5 bilhões, respectivamente, superando os resultados obtidos no mesmo período do ano passado, de R$ 7,3 bilhões e de R$ 6,5 bilhões, na mesma ordem.

Até o fim de março, o mercado de capitais contava com quinze operações em andamento, de CRAs (Certificados de Recebíveis Agrícolas), CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários), FIDCs e fundos imobiliários, somando R$ 6,9 bilhões. Outras 41 ofertas, incluindo debêntures, CRAs, CRIs, FIDCs, IPOs e fundos imobiliários, estão em análise pela Comissão de Valores Mobiliários ou pelo convênio entre a Anbima e a autarquia, podendo chegar a R$ 5,5 bilhões.

Mercado externo – As empresas brasileiras não realizaram operações no mercado externo durante o mês de março. No primeiro trimestre, nove ofertas de renda fixa e uma de renda variável totalizaram R$ 38,7 bilhões (US$ 9,1 bilhões). (Com informações da Anbima)