COTAÇÃO DE

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6280

VENDA: R$5,6280

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6030

VENDA: R$5,7800

EURO

COMPRA: R$6,7254

VENDA: R$6,7278

OURO NY

U$1.763,38

OURO BM&F (g)

R$319,29 (g)

BOVESPA

+0,34

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças

Ibovespa supera 104 mil pontos com vacinas

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Amanda Perobelli/Reuters

São Paulo – O Ibovespa fechou acima dos 104 mil pontos ontem, o que não acontecia desde março, com ações de varejo e de telecomunicações liderando as altas, em sessão ainda apoiada por ganhos em Wall Street após notícias positivas sobre vacinas contra o Covid-19.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 1,49%, a 104.426,37 pontos, encerrando perto da máxima da sessão, de 104.438,58 pontos. O volume financeiro somou R$ 39,2 bilhões, ampliado pelo vencimento de opções sobre ações, que movimentou R$ 12 bilhões.

PUBLICIDADE

No exterior, vacina experimental contra o coronavírus que está sendo desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford produziu resposta imunológica em testes clínicos de estágio inicial, corroborando esperança de que possa ser usada até o final do ano.

Em paralelo, a alemã BioNTech e a norte-americana Pfizer relataram dados adicionais de sua vacina experimental contra o Covid-19 que mostraram que ela é segura e induziu resposta imunológica nos pacientes.

Também no radar dos mercados esteve proposta apresentada a líderes da União Europeia para um pacote de recuperação econômica do bloco no âmbito da pandemia que inclui 390 bilhões de euros em subsídios e 360 bilhões de euros em empréstimos.

Após começar a sessão sem tendência definida, com o aumento de casos de coronavírus nos Estados Unidos ainda pressionando a confiança de investidores, o norte-americano S&P 500 fechou o dia com alta de 0,8%. O Nasdaq Composite terminou com elevação de 2,5%.

“Avanços no desenvolvimento de vacinas têm sido eficazes para sustentar ativos de risco, à medida que os investidores continuam avaliando o caminho de volta à normalidade para a atividade econômica e a vida cotidiana”, afirmou equipe do Goldman Sachs em nota.

No Brasil, a semana também marca o começo da temporada de resultados, com WEG abrindo o calendário de divulgações do Ibovespa amanhã antes da abertura da bolsa.

Dólar – A moeda americana começou a semana em queda ante o real, firmando baixa na parte da tarde conforme os mercados globais se animaram com as notícias promissoras sobre as potenciais vacinas.

A moeda brasileira esteve entre as de melhor desempenho global na sessão, mantendo padrão de amplas oscilações diante do que analistas classificam como efeito colateral de menores volumes de negócios.

O dólar à vista caiu 0,75%, a R$ 5,3419 na venda. Na B3, o dólar futuro tinha baixa de 0,73%, a R$ 5,3485.

A queda do dólar ante o real na sessão manteve a taxa de câmbio “presa” a uma faixa cada vez mais estreita no fechamento – na qual está desde meados de junho – e que contrasta com as amplas variações percentuais intradiárias das últimas semanas.

Ontem, a moeda oscilou entre alta de 0,18%, a R$ 5,3923, e baixa de 0,99%, para R$ 5,329.

Alguns profissionais de mercado dizem que o fato de o dólar terminar as sessões regulares próximo a patamares recentes depois de grandes variações no intradia indica que o mercado pode estar sendo conduzido por operações de day trade – quando há abertura e fechamento de contratos na mesma sessão.

“Além disso, o volume de contratos em cada uma das pontas (compra e venda) está menor do que nos últimos meses, o que dá a operações pontuais mais peso na formação do preço do câmbio”, disse Felipe Pellegrini, gerente de tesouraria do Travelex Bank.

De toda forma, Pellegrini acredita que o mercado tem potencial de entrar em rota mais positiva em meio a sinais de andamento de reformas.

Com a expectativa de divulgar hoje sua proposta para unificar PIS e Cofins, a equipe econômica quer apresentar em 15 dias o conjunto restante da reforma tributária, que envolverá para pessoas físicas a diminuição das deduções possíveis no Imposto de Renda, mas também das alíquotas de tributação, disse Guilherme Afif, secretário especial do Ministério da Economia.

“É um assunto novo e interno (reforma tributária). Pode mexer bem no dólar”, concluiu Pellegrini. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!