Cotação de 03/08/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1920

VENDA: R$5,1930

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1930

VENDA: R$5,3470

EURO

COMPRA: R$6,2205

VENDA: R$6,2217

OURO NY

U$1.810,36

OURO BM&F (g)

R$305,16 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2446%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças

País tem superávit de US$ 1,6 bilhão em transações correntes em julho

COMPARTILHE

Crédito: Mohamed Abd El Ghany/Reuters

Brasília – O superávit em transações correntes do Brasil foi de US$ 1,628 bilhão em julho, acima do esperado pelo mercado, ajudado pela melhoria expressiva da balança comercial, em meio a uma queda mais pronunciada das importações que das exportações diante da crise do coronavírus.

Divulgado ontem pelo Banco Central (BC), o dado representou uma reversão frente ao déficit de US$ 9,790 bilhões no mesmo mês do ano passado e veio melhor que o superávit de US$ 737 milhões esperado por analistas em pesquisa da Reuters.

PUBLICIDADE

Já os investimentos diretos no país (IDP) alcançaram US$ 2,685 bilhões, um pouco acima da expectativa de US$ 2,5 bilhões.

Em julho, o superávit da balança comercial foi de US$ 7,383 bilhões, bem acima do saldo positivo de US$ 1,653 bilhão de igual período de 2019. Isso ocorreu diante de uma retração de 2,6% nos produtos vendidos pelo País, mas um tombo de 33,7% nas importações.

O BC também atribuiu o resultado de julho à redução de US$ 4 bilhões, na comparação interanual, no déficit em renda primária, e de US$ 1,6 bilhão no déficit da conta de serviços.

Dentro da renda primária, as remessas de lucros e dividendos somaram US$ 699 milhões em julho, ante US$ 3,016 bilhão um ano antes.

Na conta de serviços, o destaque ficou com a rubrica de viagens internacionais, com despesas líquidas de apenas US$ 127 milhões, contra US$ 1,3 bilhão em julho do ano passado, continuando a refletir os impactos da pandemia no setor, disse o BC.

A autoridade monetária previu que, em agosto, haverá superávit em transações correntes de US$ 2,2 bilhões e que o IDP será de US$ 1 bilhão após US$ 277 milhões realizados até o dia 20.

Revisão – Ontem, o BC também revisou o déficit em transações correntes no primeiro semestre deste ano a US$ 13,4 bilhões, de US$ 9,7 bilhões antes.

“As revisões mais significativas decorrem dos impactos do choque da pandemia de Covid-19 nas estimativas para as receitas de lucro. Dessa forma, essas receitas passaram de lucro de US$ 1,1 bilhão para prejuízo de US$ 3,4 bilhões no período”, disse.

Ainda segundo o BC, houve revisões de US$ 500 milhões na balança comercial de bens, para superávit de US$ 18,8 bilhões; redução de US$ 800 milhões no déficit na conta de serviços, para US$ 10,4 bilhões; e elevação do superávit em renda secundária, para US$ 1,3 bilhão.

Com isso, o déficit em transações correntes no acumulado de janeiro a julho chegou a US$ 11,798 bilhões, frente a US$ 30,988 bilhões em igual período de 2019. Em 12 meses, o rombo é de 2% do Produto Interno Bruto (PIB). (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!