Crédito: Ueslei Marcelino/Reuters Usada em 30-01-20

Brasília – O programa do governo para financiamento da folha de salário das empresas durante a crise liberou R$ 413,5 milhões até a última segunda-feira, ou 1% do seu orçamento, conforme dados do Banco Central (BC) divulgados nessa quinta-feira (7).

Voltado aos negócios com faturamento anual de R$ 360 mil a R$ 10 milhões, o programa foi elaborado para financiar, por dois meses, a folha de pagamento das pequenas e médias empresas, a uma taxa de 3,75% ao ano – equivalente ao patamar da Selic quando o Pese foi anunciado, no final de março. Os recursos poderão cobrir salários de valor equivalente a até dois salários mínimos.

O programa iria disponibilizar R$ 40 bilhões no total, sendo 85% com recursos do Tesouro (R$ 34 bilhões) e 15% dos bancos (R$ 6 bilhões).

De acordo com o BC, foram 304.091 empregados beneficiados, de um total de 19.304 empresas.

Entre setores, a maior parte dos trabalhadores que recebeu recursos financiados pelo programa foi do setor de serviços (87.481 pessoas). Aparecem em seguida o setor de construção, madeira e móveis (44.533) e saúde, saneamento e educação (37.527).

No detalhamento por instituição financeira, o Itaú operacionalizou o pagamento a mais pessoas, com um total de 96.490, seguido por Bradesco (74.964) e Banco do Brasil (57.789). O Santander pagou a 57.012 trabalhadores e a Caixa a outros 17.983.
Bancos como Santander e BB têm dito que a demanda pelo financiamento à folha está aquém do esperado. (Reuters)