DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Gestão Gestão-destaque
Crédito: Pixabay

Alex Fabiane Teixeira*

Quando falamos em administrar todo mundo tem um pouco de conselhos a dar. Ao antigo jargão que diz que ‘de médico e louco todo mundo tem um pouco’, podemos acrescentar a administração, afinal, em um livre dicionário de sinônimos, podemos obter a associação do termo a conduzir, comandar, dirigir.

PUBLICIDADE

O fato é que todos nós, mesmo sem ter a noção de sua cientificidade, administramos alguma coisa: a mãe, a sua casa; os filhos, seus estudos; o pai, os seus negócios; enfim, do nascer ao pôr do sol, estamos administrando alguma coisa.

No entanto, quando falamos de organizações, sejam públicas ou privadas, administrar exige mais do seu líder do que simplesmente estar à frente do seu negócio. A gestão demanda planejar, agir, acompanhar e avaliar as atividades em prol de se alcançar objetivos, metas e resultados que se alinhem à visão e à missão da empresa ou entidade.

Assim, é possível perceber que gerir e tomar decisões adequadas sobre quais caminhos seguir são mais complexos quanto maior for a adversidade a qual se está submetido.

Dessa forma, obter resultados positivos em um ambiente competitivo, dinâmico e pandêmico torna a arte de administrar cada vez mais científica, e a percepção de que mudanças nos levam a inovações que conservarão a sobrevivência.

Nesse contexto, a humanidade foi desafiada em sua história por eventos que a pressionaram, mas ao mesmo tempo, que lhe serviram de impulso e de alavancagem. Igualmente, é possível separar da história da administração dois marcos, não exaustivos, que auxiliaram a revolucionar a humanidade ao chacoalhar a gestão das organizações.

A Revolução Industrial, durante os séculos XVIII e XIX, com o surgimento de fontes energéticas alternativas, de novas matérias-primas e da máquina a vapor, quebrou o paradigma manufatureiro ao introduzir a economia de escala.

Bens que eram de acesso restrito a poucos, agora podiam estar ao alcance das mais diversas mãos. Fenômeno similar foi proporcionado pela revolução tecnológica que teve início na segunda metade do século XX com a expansão do uso dos computadores digitais, cujo auge ainda não podemos afirmar, pois a cada dia é dado mais um passo nessa escada sem fim, mas que marcou a era da informação.

De tal modo, dois acontecimentos estão atrelados a essas revoluções, primeiramente a redução do esforço físico do trabalhador pelas operações automatizadas, e a segunda, o arrefecimento do seu esforço mental com o auxílio das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC).

Logo, os momentos de estresse são especiais para que a humanidade gere inovação e desenvolvimento a partir da criatividade, transformando de forma estrutural o presente e impactando o futuro das relações, em especial das organizacionais e sociais e, consequentemente, do trabalhador.

De qualquer forma, se por um lado as rupturas se propõem a tornar a vida humana melhor e mais fácil, por outro, desfrutar dessas possibilidades frequentemente se constitui um grande desafio para a humanidade.

Em pouco mais de quatro meses o mundo vem enfrentando uma grande ruptura em seus principais paradigmas sociais. Em 31 de dezembro do ano passado, a Organização Mundial de Saúde (OMS) emitiu o primeiro alerta sobre o coronavírus após a notificação de casos de uma misteriosa pneumonia na cidade de Wuhan – China. De lá para cá, muitos países ficaram alertas e muitas pessoas, infectadas.

E o vírus? Se espalhou a uma velocidade estarrecedora deixando lideranças públicas e organizacionais sem informações suficientes para enfrentar confinamentos, isolamentos, fechamentos, lockdown, nem mesmo para avaliar o impacto social, econômico e pessoal de uma pandemia. Ou seja, será preciso “trocar o pneu do avião com ele voando”. Quão grande estresse! Quão grande movimento disruptivo!

Nessa esteira, com as condições sanitárias direcionadas, sobressaíram-se as relações organizacionais. A lógica econômica gerada na estruturação de mercados produtores e consumidores foi posta em check. O consumo foi interrompido abruptamente, impactando não só a produtividade, mas toda a atividade econômica conhecida. No entanto, as melhores oportunidades surgem em meio às maiores adversidades!

São nesses momentos que as grandes invenções e descobertas são realizadas. É em meio a situações adversas que importantes inovações são desenvolvidas. A primeira revolução industrial foi motivada por uma forte expansão do mercado consumidor que pressionou os manufatureiros a ofertarem mais e mais produtos abrindo as portas para o mundo moderno, para a globalização. A revolução tecnológica foi catapultada notadamente após a segunda guerra mundial quando houve profunda busca por informações. Hoje quem se dispõe a ficar sem Whatsapp?!

Dessa forma, a pandemia deve ser vista como instrumento de disrupção, inovação organizacional e mudança conceitual, pois está influenciando a formação de um novo paradigma relacional: do homem com o seu trabalho; dele com as técnicas e métodos e dele com o seu local. Nesse diapasão, o trabalho realizado em casa, ou simplesmente home office, tem vencido uma das últimas fronteiras dogmáticas das relações trabalhistas, onde realizá-lo.

A partir do conselho, #sepuderfiqueemcasa muitos trabalhadores têm enfrentado a sua rotina laboral diária em cima de suas mesas e camas através de seus laptops e PCs. No entanto, ao passo em que muitos podem achar essa situação temporária; pode, na verdade, estar sendo pavimentada uma nova revolução, a do relacionamento.

Deste modo, é possível inferir, não exaustivamente, que a maioria das reuniões continuarão a ser realizadas por meio de videoconferência. As viagens a trabalho serão reduzidas ou mesmo extintas. Os escritórios serão transformados em centros de videoconferências conectando funcionários e clientes, todos em suas residências.

Atendimentos médicos, psicológicos e veterinários serão realizados em consultórios virtuais. Não será mais necessário permanecer oito horas no escritório, uma vez que o isso ampliará o custo organizacional, sem necessariamente impactar a produtividade.

Não será mais necessária a formação de gerências intermediárias, pois as relações poderão ser diretas entre os que produzem e os que lideram, consequentemente, a automação de processos será acelerada. Haverá uma pressão na demanda por equipamentos digitais, o que fará deste mercado um dos mais promissores. Não se trata de futurologia, mas de perceber os movimentos sociais disruptivos que estão acontecendo.

Por fim, uma visão coerente frente a essas afirmações é de que o futuro da gestão está mais presente do que nunca! O que faremos? Tentaremos resisti-lo ou surfaremos na ‘crista’ da sua onda?

* PhD em Administração e Políticas Públicas, professor e coordenador do curso de Administração da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Brasília.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!