COTAÇÃO DE 20/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8730

VENDA: R$4,8740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9500

VENDA: R$5,0570

EURO

COMPRA: R$5,1492

VENDA: R$5,1504

OURO NY

U$1.846,53

OURO BM&F (g)

R$288,58 (g)

BOVESPA

+1,39

POUPANÇA

0,6441%

OFERECIMENTO

Legislação livre

Cobrança de dívidas com o governo será suspensa

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Adriano Machado

Brasília – O Ministério da Economia informou ontem que autorizou a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) a suspender, por 90 dias, a instauração de novos procedimentos de cobrança, em uma nova ação de enfrentamento ao impacto econômico da pandemia do coronavírus.

Também foram suspensos, pelo mesmo período, o encaminhamento de certidões da dívida ativa para cartórios de protesto e os prazos para os contribuintes recorrerem administrativamente das cobranças.

PUBLICIDADE




Além disso, o governo irá facilitar a renegociação de dívidas, incluindo a redução da entrada para até 1% do valor da dívida e diferimento de pagamentos das demais parcelas por três meses.

Para a concessão desse alívio momentâneo, o governo editará portarias que serão publicadas a partir de hoje, que valerão em cima dos dispositivos estabelecidas na Medida Provisória (MP) 899, do Contribuinte Legal.

Como a MP tem vigência até o dia 25 de março, caso ela não seja aprovada em definitivo pelo Congresso, a suspensão dos atos de cobrança também só terá amparo legal até a mesma data.

“A gente aproveitou que a MP ainda tem carona de validade e editou essas medidas”, afirmou o procurador-geral adjunto de Gestão Cristiano Neuenschwander.
“Se ela (MP) perder o fundamento de validade, a gente não pode persistir com os atos. Aquelas situações que tenham sido concretizadas até o dia 25 permanecem”, completou ele.

PUBLICIDADE




Segundo Neuenschwander, a ideia da suspensão das ações foi não agravar o cenário de crise para o contribuinte num momento em que o quadro econômico está complicado. “Vamos dar alívio agora para viabilizar retomada”, afirmou.

A princípio, o governo previu arrecadar cerca de R$ 6 bilhões neste ano com a MP do Contribuinte Legal. Neuenschwander afirmou que essa perspectiva, por ora, segue inalterada caso os parlamentares aprovem a investida. Isso porque as cobranças e renegociações devem voltar após esse período de três meses. “Essa expectativa ainda se mantém. Janeiro e fevereiro foram bons meses (de arrecadação)”, disse.

A MP do Contribuinte Legal prevê a concessão de parcelamento no pagamento das dívidas junto à União, com abordagem qualitativa em relação ao estoque.

O programa foi aberto a todos os contribuintes, mas somente os detentores de dívidas classificadas como C e D, consideradas de difícil recuperação, podem ganhar descontos no processo. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!