COTAÇÃO DE 26/07/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1740

VENDA: R$5,1740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1630

VENDA: R$5,3400

EURO

COMPRA: R$6,1233

VENDA: R$6,1261

OURO NY

U$1.797,46

OURO BM&F (g)

R$299,92 (g)

BOVESPA

+0,76

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Legislação
Expectativa é de que mudança anunciada possa fortalecer a operação Lava Jato no País | Crédito: Adriano Machado/Reuters

Brasília – O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem que inquéritos e ações penais contra autoridades que têm foro privilegiado serão analisados pelo plenário da corte e não mais pelas Turmas, sugestão que foi feita no início da sessão administrativa pelo presidente do tribunal, Luiz Fux, e que pode fortalecer a operação Lava Jato.

O julgamento de parlamentares pelas Turmas havia sido adotado, por meio de uma mudança regimental em 2014, no momento em que começou a ocorrer uma série de investigações da Lava Jato, com um grande volume de assuntos penais.

PUBLICIDADE

Os ministros justificaram a mudança agora por entender que não há mais necessidade de que as Turmas cuidem de assuntos penais. Na prática, a alteração pode fortalecer a Lava Jato, uma vez que julgamentos de casos referentes à operação precisarão do voto de até 11 ministros do plenário – e não mais de 5 ministros de cada uma das turmas.

A mudança também vai levar a análise de eventual recebimento de denúncias e ações penais contra parlamentares envolvidos na Lava Jato para o plenário do Supremo, e não mais para apreciação da Segunda Turma, colegiado que tem imposto uma série de derrotas à operação.

A alteração, entretanto, não vai impactar o futuro julgamento da suspeição do ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro, pedida pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Isso porque Lula não detém prerrogativa de foro.

Descontentamento No início da sessão de ontem, Fux argumentou que a apreciação dos casos a partir de agora pelo plenário deve ocorrer porque o STF reduziu bastante o seu acervo de matéria penal, não justificando a manutenção desses casos sob análise das Turmas.

Em sua penúltima sessão do plenário antes de se aposentar, o decano Celso de Mello respaldou a sugestão de Fux. “É importante restabelecer a competência do plenário para que, em matérias tão importantes e sensíveis, não esvazie a competência penal do plenário”, disse.

Segundo mais antigo em atividade, o ministro Marco Aurélio Mello aderiu à proposta e afirmou que, quando da mudança, o plenário estava sobrecarregado.

Em uma votação feita remotamente, todos os ministros concordaram com a mudança. Contudo, houve quem demonstrasse descontentamento por não ter havido uma discussão prévia, como os ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski. Os três têm tido posição crítica em relação à Lava Jato.

“Não dá para chegar do almoço e votar uma reforma regimental”, criticou Mendes, após dizer que estava tomando conhecimento da mudança na sessão, apesar de ressaltar que não se opunha à alteração.

“Então, vamos fazer um ato institucional e proceder desta forma”, protestou o ministro, ao cobrar o presidente do STF que avisasse aos pares sobre eventuais mudanças como essa. “Vossa Excelência é um coordenador de iguais”.

Fux respondeu a quem se queixou que havia distribuído um texto com a mudança regimental previamente aos gabinetes.

Após a votação, o presidente do Supremo destacou que, a partir de agora, todos os casos penais voltam a ser de apreciação e julgamento pelo plenário.

De 2014 até agora, somente os chefes dos Poderes – como presidentes da República, do Senado e da Câmara – eram julgados pelo plenário.

A mudança regimental também ocorre antes da chegada do substituto de Celso de Mello na corte. O presidente Jair Bolsonaro indicou o desembargador do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) Kassio Nunes para a vaga, mas ele ainda precisa ser aprovado pelo Senado.

Em conversas, Nunes indicou que terá uma atuação garantista no Supremo, contando com o respaldo nos bastidores de Gilmar Mendes e Dias Toffoli. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!