COTAÇÃO DE 27/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3780

VENDA: R$5,3790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3130

VENDA: R$5,5370

EURO

COMPRA: R$6,2562

VENDA: R$6,2591

OURO NY

U$1.750,16

OURO BM&F (g)

R$300,91 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios Negócios-destaque

Anuências de Mata Atlântica em MG é lançado na Fiemg

COMPARTILHE

Roscoe: estão documentados processos ambientais relevantes | CRÉDITO: ALISSON J. SILVA

Foi lançado, na sede da Fiemg, o Livro Anuências de Mata Atlântica em Minas Gerais. A publicação é uma iniciativa do Sindicato da Indústria Mineral de Minas Gerais (Sindiextra) e do Ibama que traz boas experiências e as melhores práticas do processo ambiental.

Segundo o diretor do Sindiextra, Rodrigo Dutra Amaral, a anuência da Mata Atlântica é uma autorização para que as empresas possam, em um processo de licenciamento, suprimir a vegetação do bioma. Para Amaral, a anuência é um processo extremamente técnico e rigoroso realizado pelo Ibama e que tem compensações muito importantes.

PUBLICIDADE

“O livro pretende mostrar para a sociedade que anuência não é só suprimir vegetação, mas compensar. Para cada hectare suprimido, pelo menos 2 hectares têm que ser recuperados ou compensados pelas empresas”, afirma.

Foram convidadas sete empresas, como Vale, AngloGold Ashanti, Usiminas, entre outras, que tinham processos de anuência, para participarem do livro e demonstrar casos bem-sucedidos. Além disso, a publicação mostra todo o avanço científico das novas espécies, seja de fauna ou flora.

O superintendente do Ibama em Minas Gerais, Enio Marcus Brandão Fonseca, explica que anuência é uma ação protetiva adicional à Mata Atlântica e vem dentro dos processos de licenciamento, validando a intervenção que vai acontecer dentro do bioma. A ação tem consequências importantes para a sociedade com programas de monitoramento das espécies ameaçadas de extinção e de biodiversidade, com a implantação de unidades de conservação em áreas maiores do que aquelas suprimidas.

“O livro mostra a importância deste trabalho. Entendemos que é relevante mostrar para o setor produtivo, sociedade e academia como é importante o processo da anuência e quais os ganhos ambientais que este processo traz”, ressalta.

A secretária estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Marília Carvalho de Melo, parabenizou a iniciativa. “Minas Gerais é o estado onde está a maior parte da Mata Atlântica. A partir do momento que começamos a identificar e documentar as boas práticas, como o livro faz, nós desmistificamos uma série de informações. É necessário mostrar como essas anuências são realizadas e quais são os ganhos não só ambientais, mas sociais e econômicos para a sociedade”, diz.

O presidente da Fiemg, Flávio Roscoe, também participou do lançamento do livro. “Estão documentados processos ambientais relevantes que trouxeram ganhos ambientais e que não vão impedir a sociedade de usufruir os recursos naturais, desde que hajam as devidas compensações ambientais. Estamos preservando o futuro ambiental e a atividade econômica”, pontua

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!