COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios zCapa

Cancelamento de matrícula nas escolas da rede privada já passa de 25%

COMPARTILHE

Com exceção da universidade, o Izabela Hendrix vai suspender as atividades | Crédito: DIVULGAÇÃO / IZABELA HENDRIX

O ensino privado, que antes da crise sanitária somava mais de 60 mil alunos em todo o Estado, pede socorro. Enfrentando, duramente, os reflexos do isolamento social imposto pela pandemia do coronavírus, a atividade, tanto em Belo Horizonte quanto em Minas Gerais, foi uma das que mais sofreu prejuízos econômicos. É o que mostra pesquisa realizada pelo Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (Sinep-MG), em parceria com o Instituto Ver.

A possibilidade de as aulas presenciais não retornarem neste ano e, ainda, a falta de perspectivas a médio prazo, implicaram em uma série de danos para as escolas particulares, principalmente de Educação Infantil, bem como a recomposição do Calendário Escolar e no cumprimento das horas obrigatórias para o ano letivo.

PUBLICIDADE

Nesse contexto, muitas famílias estão inadimplentes com a escola ou cancelaram as matrículas, o que fez com que muitas instituições renegociassem descontos nas mensalidades e aderissem aos programas de manutenção de renda do governo federal na esperança de manter o emprego de professores e funcionários.

Segundo o levantamento, no Estado, uma média de 32,2% de professores e 42,7% dos funcionários administrativos tiveram redução salarial durante a pandemia. A educação infantil sofreu o maior impacto, com 48,9% dos professores afetados.

Após a suspensão das aulas presenciais no Estado, a média da inadimplência do pagamento das mensalidades foi de 37,4%, liderada também pela educação infantil, com 40,9%. Os cancelamentos de matrícula atingiram um patamar de 26,2%, com 30,1% no segmento da educação infantil, de acordo com os dados da pesquisa.

A presidente do Sinep-MG , Zuleica Reis, explica que, por não existir obrigatoriedade de matrícula para crianças de 0 a 3 anos e com a flexibilização das horas para os alunos que têm matrícula obrigatória, a educação infantil sofreu mais os impactos da suspensão de atividades.

“Logo no início da pandemia, as famílias não apostaram que a condução das atividades a distância serviria para desenvolver as habilidades necessárias para os alunos. Agora, sem expectativa de retorno, os pais acabaram tirando os filhos das escolas”, afirma.

A pesquisa não conseguiu levantar o número de instituições que fecharam as portas de forma definitiva, especialmente por serem estabelecimentos pequenos, espalhados por diversos municípios mineiros. No entanto, o sindicato estima que este número seja de 25% em todo o Estado.

Incertezas – Em pronunciamento ontem, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) afirmou que a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) está preparada para abrir as escolas a qualquer momento, mas que por se tratar de uma crise sanitária, não se pode levar em consideração apenas os aspectos econômico e social e, sim, o risco de contágio. Sendo assim, ele ressaltou que não há data definida para autorização de retomada das atividades das instituições de ensino na Capital.

Zuleica Reis ressalta, porém, que o Sinep-MG apoia a decisão do Estado de retomar as aulas nos municípios que estão na onda verde, seguindo todos os protocolos necessários para evitar contaminação, uma vez que a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) acenou para a não existência de risco.

“Em Belo Horizonte, estamos com os níveis bem baixos, mas a autorização depende do prefeito. Desde maio insistentemente procuramos estar junto com o comitê municipal para mostrar as questões que têm afetado principalmente a educação infantil. Fomos atendidos uma vez pelo o prefeito e desde então a educação particular sequer é considerada no município de Belo Horizonte”, diz.

Segundo a presidente do sindicato, a falta de expectativa e as incertezas do município sobre retorno das atividades letivas faz com que as escolas não saibam como vão se organizar para o período de 2021.

“Vamos ter um colapso na educação municipal, porque representamos 55,19% da educação infantil no município e, com o fechamento das escolas e falta de expectativa de retorno, simplesmente os pais não vão ter para onde levar os filhos quando as aulas retornarem e as escolas não têm condições de abrir matrículas para 2021. É uma situação muito dramática, a tragédia está posta e o prefeito tem obrigação de saber o que está acontecendo com o município que ele administra”, conclui.

Escolas tradicionais não resistiram à pandemia

Os desafios financeiros foram a principal causa da suspensão das atividades do Colégio Metodista Izabela Hendrix, anunciada ontem, por meio de nota divulgada pelo Instituto Metodista Izabela Hendrix, mantenedor do colégio e do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix.

Apesar das mudanças na gestão, enxugamento do quadro administrativo, medidas não operacionais, aperfeiçoamento da proposta pedagógica e redução nas mensalidades, a Educação Metodista afirmou que a sustentabilidade da instituição foi comprometida pela crise financeira que se arrastava há quase duas décadas.

“Em decorrência do atual cenário, com profundo respeito e gratidão aos/às docentes, funcionários/as técnico-administrativos/as, aos pais e familiares, aos milhares de alunos/as formados/as e à comunidade, o Colégio Metodista Izabela Hendrix anuncia, portanto, a suspensão de suas atividades”, diz a nota.

Em nota, ainda, a Educação Metodista destacou a excelência do ensino da instituição, além do reconhecimento e qualificação de professores e qualidade na formação de alunos.

O Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix segue com atividades para o próximo ano e ampliará o portfólio, adequando-se às necessidades do mercado, além de oferecer duas novas graduações.

Educação infantil – No início de setembro, os impactos econômicos sofridos pela educação infantil levaram a Unidade de Educação Infantil do Colégio Imaculada da Conceição de Belo Horizonte (CIC BH), coordenada pela Rede Filhas de Jesus, a encerrar as atividades a partir de 30 de dezembro deste ano.

“Considerando que grande parte das famílias de nossas crianças, no direito que lhes assiste em tomar medidas preventivas de contágio e de ajuste financeiro, tomou a iniciativa de cancelamento dos contratos de prestação de serviços educacionais no ano de 2020, tornando inviável a sustentação financeira da Unidade Educação Infantil CIC BH”, consta em comunicado enviado aos pais e responsáveis.

Ainda no comunicado, a instituição informou que as atividades letivas, presenciais ou virtuais, previstas para a conclusão do ano letivo de 2020, serão prestadas regularmente.

Segundo fontes, o prédio, antes ocupado pelo jardim de infância do Colégio Imaculada da Conceição – Unidade Belo Horizonte, localizado na rua da Bahia nº 1.762, foi adquirido pelo Claretiano Rede de Educação, que vai transferir para as instalações a educação infantil da sua unidade hoje localizada na rua Aimorés nº 1.583.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!