COTAÇÃO DE 19/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5930

VENDA: R$5,5940

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,7770

EURO

COMPRA: R$6,4569

VENDA: R$6,4588

OURO NY

U$1.768,97

OURO BM&F (g)

R$315,96 (g)

BOVESPA

-3,28

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

Carreira de conselheiro consultivo está em ascensão no mercado

COMPARTILHE

Crédito: Freepik

A carreira de conselheiro consultivo de empresas ganhou destaque nos últimos tempos. A necessidade de se adequar aos princípios ESG (Environmental, Social and Governance) tem feito as companhias – mesmo familiares ou de capital fechado – investirem na formação de conselhos administrativos ou consultivos.

De acordo com uma pesquisa feita pela consultoria internacional Korn Ferry, a participação de membros independentes em empresas brasileiras está crescendo gradativamente ao longo dos anos, passando de 39%, em 2014, para 60% no ano passado. O porcentual é até maior do que dita a regra do Novo Mercado, de que um conselho tenha, no mínimo, dois conselheiros independentes ou 20% do total de assentos.

PUBLICIDADE

Segundo Wanderlei Passarella, diretor executivo do Celint, um centro de estudos que fornece formação e capacitação para futuros conselheiros, o consultor consultivo é uma espécie de diretor independente, que ajuda a dirigir e controlar a empresa como um todo. “Ele traz uma visão de helicóptero ou de oversight, opinando no processo decisório das questões mais importantes da companhia”, explica.

Neste escopo inclui-se processos estratégicos, avaliação de líderes, compliance, questões regulatórias, entre outras. “Normalmente, não são assuntos nos quais é preciso apagar um incêndio”, ressalta.

Ao contrário de um conselheiro de administração, que faz parte do contrato social da companhia, o conselho consultivo não tem esse tipo de vínculo. Porém, na visão de Passarella, ele se comporta como um conselheiro de administração. “Ele se reúne com os fundadores, acionistas e os demais membros que compõem o conselho, cerca de uma a duas vezes ao mês, e atua como alguém que consegue entregar muitas contribuições”, destaca o diretor do Celint.

Por estar de fora do dia a dia da organização, o conselheiro consultivo consegue enxergar coisas que ficam no ponto cego de quem está dentro da rotina da companhia, segundo Passarella.

Outro ponto positivo do conselheiro consultivo é seu currículo. “Ele traz uma bagagem de muitos anos como executivo ou em atividade relacionada à consultoria de outras empresas. Essa experiência acumulada acelera o desenvolvimento da companhia”, enfatiza o diretor do Celint.

A profissão de conselheiro consultivo está em ascensão. Algumas iniciativas de grandes empresas jogaram mais luz no assunto. Recentemente, o Banco Pan contratou o apresentador Luciano Huck para ser conselheiro consultivo da instituição.

Mas não é preciso ser famoso para se tornar um conselheiro consultivo. Passarella diz que, no ano passado, foi consultado por vários headhunters que ainda não atuavam com vagas para conselheiros consultivos que estavam em busca de ajuda. “Segundo o acompanhamento de alguns deles, o mercado de conselheiros consultivos cresceu cerca de 30% no último ano”.

O diretor do Celint destaca ainda que, há cinco anos, os headhunters não conheciam nada sobre o mercado de conselheiros consultivos. Com o surgimento das vagas, estão tendo que ir atrás de conhecimento.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!