COTAÇÃO DE 17/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9420

VENDA: R$4,9430

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0400

VENDA: R$5,1520

EURO

COMPRA: R$5,2307

VENDA: R$5,2334

OURO NY

U$1.814,77

OURO BM&F (g)

R$290,29 (g)

BOVESPA

+0,51

POUPANÇA

0,7025%

OFERECIMENTO

Negócios

Casacor deverá movimentar mais de R$ 50 milhões neste ano

COMPARTILHE

A 25ª Casacor, que acontecerá no Palácio das Mangabeiras, será composta por 60 ambientes projetados por 94 profissionais - Crédito: Jomar Braganca

A 25ª Casacor Minas, que será realizada de 3 de setembro a 13 de outubro, vai reunir trabalhos de 94 profissionais das áreas de arquitetura, design de interiores e paisagistas. A sede do evento será na região Centro-Sul, no Palácio das Mangabeiras, imóvel que servia de residência para os governadores de Minas Gerais, e que agora será utilizado para eventos culturais. No ano passado, a mostra permitiu uma movimentação financeira do setor em torno de R$ 50 milhões, valor que deve ser superado este ano.

A parceria do governo de Minas com a Casacor, firmado por meio da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge), permitiu a redução dos custos por parte do governo estadual na manutenção do espaço durante todo o período de ocupação pela Casacor. Para a instalação do evento, foram realizadas uma série de melhorias no imóvel, que demandaram investimentos próximos a R$ 10 milhões, sendo que deste total, R$ 4 milhões foram aplicados na recuperação dos jardins. O custo mensal de manutenção é de R$ 80 mil. A estimativa é de que as benfeitorias acordadas entre o Estado e a Casacor e a manutenção somem, em quatro anos, mais de R$ 20 milhões.

PUBLICIDADE




De acordo com o diretor da Casacor, Eduardo Faleiro, o evento será realizado durante quatro anos no Palácio das Mangabeiras.

“O Palácio é lugar icônico e emocionante para todos nós de Minas. Um lugar tão especial, com traços de Oscar Niemeyer e jardins de Burle Marx, temos a grande honra de realizar o evento e inaugurando o uso cultural do imóvel. A Casacor promove uma recuperação pontual da arquitetura dos Palácio e estamos iniciando o restauro dos jardins”.

A 25ª Casacor, segundo a diretora comercial da mostra, Juliana Grilo, será composta por 60 ambientes projetados por 94 profissionais. São esperados cerca de 70 mil visitantes nos 45 dias do evento. A mostra é considerada a maior de arquitetura, design de interiores e paisagismo das Américas.

O tema desta edição será Planeta Casa e a ideia é levar aos frequentadores uma reflexão sobre como a relação com o mundo influencia no jeito de morar. O objetivo é repensar a casa não mais como um espaço físico, mas sim como um estado de espírito que tem norteado as novas formas de morar nos últimos anos. O tema foi baseado na tendência de cada casa se tornar o universo particular do indivíduo.

PUBLICIDADE




Em relação à utilização do Palácio para eventos culturais, o diretor-presidente da Codemge, Dante de Matos, ressaltou que a abertura do espaço é importante para promover a eficiência e o melhor aproveitamento do espaço.

“Pela primeira vez o Palácio das Mangabeiras abre-se ao público, deixando entrar novas perspectivas que aliam tradição e vanguarda. O objetivo do convênio de cooperação é dar mais eficiência na administração e promover um melhor aproveitamento do imóvel. Como empresa pública e indutora do desenvolvimento, a Codemge tem o fomento à indústria criativa e ao turismo. Nesse sentido, após a manifestação dos organizadores da Casacor na utilização do Palácio, a Codemge deu segmento às tratativas para oficializar a parceria”.

O secretario de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Marcelo Matte, explicou que a ideia é promover diversos eventos no espaço, quando o mesmo não tiver sendo utilizado para a realização da mostra.

“A abertura do Palácio das Mangabeiras é mais uma oferta cultural importante para Minas Gerais, de um imóvel que estava completamente degradado, abandonado e esquecido. Pretendemos ocupar o Palácio com outras ofertas culturais nos períodos entre a saída e entrada da Casacor”.

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, destacou que o convênio é importante para a redução dos gastos públicos. O custo com o Palácio das Mangabeiras girava em torno de R$ 1,4 milhão ao ano, sendo que somente com cozinha, o custo era de R$ 800 mil.

“É uma satisfação apresentar o Palácio das Mangabeiras que, com certeza, não é conhecido por 99,9% dos mineiros. A partir da semana que vem, os mineiros terão a oportunidade de conhecê-lo. Com a nova destinação, o espaço, com certeza será todo revigorado. E o mais importante de tudo, sem custar nada para os cofres públicos. A manutenção do Palácio das Mangabeiras custava alguns milhões de reais por ano e agora vai custar zero”.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!