COTAÇÃO DE 03-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6790

VENDA: R$5,6800

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,7000

VENDA: R$5,8300

EURO

COMPRA: R$6,3643

VENDA: R$6,3655

OURO NY

U$1.784,10

OURO BM&F (g)

R$321,33 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4739%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

Projetos de mobilidade elétrica são foco da Cemig

COMPARTILHE

Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Mobilidade elétrica está no foco da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). A empresa acaba de divulgar os três projetos selecionados para a chamada pública da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) sobre o tema. Os projetos desenvolvidos em parceria com universidades mineiras propõem soluções para a inserção de veículos elétricos na cidade. Eles ainda passarão por avaliação da Aneel e, se aprovados, serão executados em até 24 meses e receberão R$ 20 milhões em investimento.

O engenheiro de tecnologia e inovação da Cemig, Cláudio Homero Ferreira da Silva, explica que essa é uma Chamada Estratégica, o que significa que a Aneel é que define todo o contorno do processo. Segundo o executivo, a agência privilegiou nessa chamada os projetos “cabeça de série” e não os de pesquisa básica ou em fase de protótipo.

PUBLICIDADE

“Os cabeça de série são projetos com um produto preparado já para o primeiro lote de produção ou que estão próximos do estágio de implementação e comercialização”, explica.

Segundo Silva, a chamada buscou soluções de mobilidade elétrica eficiente em diferentes formatos, desde modelos de negócio, serviços, sistemas, equipamentos, até propostas de infraestrutura. A seleção dos três projetos foi divulgada no dia 4 de julho e, no próximo dia 15, eles seguem para análise da Aneel.

“A agência ainda vai promover workshops para a apresentação desses projetos, avaliar e emitir parecer em setembro. Ela pode aprovar, reprovar ou aprovar com ressalvas”, detalha.

O assessor da presidência da Cemig, Marco Antônio Lage, destaca a importância da chamada pública para o desenvolvimento de tecnologia de interesse para o setor energético, a Cemig e a sociedade como um todo.

“A mobilidade elétrica faz parte do futuro da energia. Investigar a interação dos modais de transporte elétrico é muito importante, seja para melhorar a eficiência da rede ou mesmo para construir novos modelos de negócios inovadores em energia”, destaca.

LEIA MAIS:

Fotovoltaica já detém 1,2% da matriz brasileira

Projetos – Um projeto desenvolvido no Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) sobre abastecimento de ônibus elétricos para o transporte público está entre os selecionados.

De acordo com o professor e coordenador do projeto, Brás de Jesus Cardoso Filho, o projeto é tema de estudo na universidade há cerca de cinco anos. Ele foca no desenvolvimento de uma tecnologia que permite eficiência no uso de ônibus elétricos em relevos acidentados.

“A tecnologia mais comum hoje para ônibus elétricos não é adequada para o uso em terrenos acidentados, como é o caso de Belo Horizonte. Isso pode ser explicado de maneira simples: esse tipo terreno exige mais energia do motor e, portanto, mais da bateria. Isso reduz a capacidade de transporte de passageiros e também gera mais custos”, detalha.

A proposta do projeto da UFMG é de utilização de um volume mínimo de baterias e de construção de sistemas de recargas rápidas nos pontos de parada. Esses pontos seriam interligados à rede da Cemig e utilizados pelos ônibus nos momentos de embarque e desembarque dos passageiros. Segundo o professor, a frota de ônibus elétricos poderia conviver com os veículos tradicionais e não seriam necessárias adaptações nas vias.

Segundo ele, o projeto prevê uma rota experimental no campus da UFMG na Pampulha. Depois disso, a proposta é estudar a implantação no sistema BRT da Capital. O professor comemora a seleção no edital, que garantirá a viabilidade do projeto.

“O edital é o financiamento que a gente precisa para construir a linha-piloto que, a princípio, funcionará com três veículos”, diz. Segundo ele, o projeto conta com a parceria de outras empresas e terá, ao todo, R$ 10 milhões de investimento.

Entre os selecionados também está o projeto de “eletropostos”, desenvolvido no Laboratório Aplicado de Pesquisas em Eficiência Energética (Lapee), da Universidade Federal de Alfenas (Unifal). De acordo com a coordenadora do laboratório e do projeto, Izabella Carneiro Bastos, os eletropostos serão como os tradicionais postos de combustíveis, mas em vez de álcool ou gasolina, comercializarão energia elétrica. Os postos funcionarão com autoatendimento digital.

A coordenadora explica que a proposta é que esses pontos de recarga funcionem também como laboratórios para entendimento do mercado. Ela explica que, como se trata de um segmento novo, as concessionárias de energia ainda não sabem o que vão encontrar em relação à demanda do consumidor. E, por isso, os eletropostos serão equipados com sistemas de inteligência para coleta de dados.

“Essa iniciativa da Aneel é muito importante justamente porque ela está se antecipando a um mercado em potencial. Ninguém sabe muito bem como será a inserção desses veículos elétricos na rede e, por isso, ela quer se preparar e entender o que estar por vir. Além disso, ao apostar em um projeto como o nosso, ela vai disponibilizar direto para o consumidor a possibilidade de abastecimento do carro elétrico”, diz.

Segundo Izabella Bastos, ainda será realizado um estudo para decidir os pontos mais estratégicos para instalação dos eletropostos.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!