Temos condições diferenciadas para oferecer a melhor experiência, garante José Félix | Crédito: Divulgação/Claro

A Claro dá início aos serviços de 5G no Brasil a partir da próxima semana, quando São Paulo e Rio de Janeiro começam a contar com a rede 5G DSS. Isso será possível com o recurso de compartilhamento de frequências, que permite a utilização do espectro atual já alocado.

A nova tecnologia de rede móvel começa a ser implantada de forma pioneira no País pela operadora, em parceria com a Ericsson. A Claro terá cobertura 5G DSS nas regiões com maior demanda de tráfego, nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

Com a tecnologia DSS (Dynamic Spectrum Sharing, ou Compartilhamento Dinâmico de Espectro), é possível compartilhar as frequências disponíveis hoje, já alocadas ao Serviço Móvel Pessoal (SMP).

Assim a rede da Claro passa a distribuir recursos dinamicamente entre os smartphones atuais, que operam até a quarta geração, e os novos, que sejam compatíveis com a nova rede 5G DSS. Clientes que adquirirem smartphones aptos já poderão ter as primeiras experiências com a tecnologia 5G, com conexões até 12 vezes mais velozes que o 4G convencional.

Em São Paulo, a cobertura 5G DSS da Claro estará disponível inicialmente na região da avenida Paulista e Jardins. Nas semanas seguintes, vai gradativamente estender-se pelos bairros Campo Belo, Vila Madalena, Pinheiros, Itaim, Moema, Brooklin, Vila Olímpia, Cerqueira César, Paraíso, Ibirapuera, além da região da Av. Berrini e também de Santo Amaro, onde fica a sede da Claro em São Paulo.

No Rio de Janeiro, os primeiros pontos de cobertura estarão em Ipanema, Leblon e na Lagoa. Na sequência devem se expandir por toda a orla, do Leme até a Barra da Tijuca, passando por Jardim Oceânico, Joá, São Conrado e Copacabana.

Os critérios de escolha para as primeiras regiões a receberem a cobertura 5G DSS da Claro levaram em conta fatores como demanda atual de tráfego e crescimento ao longo do último ano, infraestrutura de rádios já modernizada para oferta do 4.5G, além da penetração de smartphones de última geração e densidade populacional.

Ação social – A proximidade de comunidades onde a operadora tem realizado ações sociais também foi determinante nessa etapa inicial, dentro do programa de apoio à população mais atingida pela crise do coronavírus.

Através do Instituto Claro, e em parceria com Ericsson e a Central Única das Favelas (Cufa), a Claro vai levar a rede 5G para sede da organização em Paraisópolis, em São Paulo, para que famílias, jovens e crianças possam ter acesso à internet e a aplicações de Telemedicina e Educação à Distância.

A rede 5G instalada na sede da Cufa permitirá que as Mães da Favela acessem a internet Wi-Fi para resgatar as doações recebidas. As crianças e adolescentes da região também terão acesso a materiais educativos e aulas on-line disponibilizados pelas escolas públicas, pelo Descomplica (plataforma de preparação para o Enem) ou no próprio site do Instituto Claro, que também disponibiliza conteúdos educacionais e de capacitação.

Também receberá a rede 5G da Claro o Instituto Pró-Saber SP, instituição presente em Paraisópolis desde 2003 e que tem o objetivo de garantir e defender o direito de toda criança ler e brincar, além de disponibilizar computadores para que os adolescentes possam fazer trabalhos escolares, por meio dos projetos Pró Ler & Brincar e Pró Ler & Brincar nas Escolas.

O local conta com uma biblioteca que atende à região e que recebe mais de 4 mil usuários. A nova rede irá apoiar à pesquisa de crianças, adolescentes e professores, facilitar o acesso dos estudantes a todo o conteúdo escolar.

Em ambas as instituições, o serviço 5G também poderá ser utilizado para o acesso ao projeto Missão Covid, iniciativa que conta com mais de 1.200 médicos voluntários e já realizou cerca de 67 mil atendimentos gratuitos em pacientes com sintomas de Covid-19.

Outro projeto digital na área de saúde apoiado pela Claro é o portal “Sua Triagem”, que oferece um protocolo de diagnóstico provável baseado em informações fornecidas pelo próprio usuário, levando em consideração os sintomas, comportamentos e dados fisiológicos do usuário para indicar a probabilidade de cada pessoa estar infectada e o grau de risco.

A plataforma é da Heart Care, e pode subsidiar a população nesse momento de pandemia na obtenção de orientação on-line e também gratuita.

“A Claro tem uma rede de última geração, que já oferecia a internet móvel mais rápida do País, e agora sai na frente oferecendo uma migração gradativa e transparente para o 5G, antes mesmo das novas frequências dedicadas a essa nova tecnologia terem sido outorgadas no País. Temos condições diferenciadas para oferecer a melhor experiência agora e isso só reforça nosso compromisso com o Brasil e com a inovação. Apesar dos tempos difíceis que vivemos no momento, vamos seguir evoluindo e investindo para oferecer sempre o melhor para nosso cliente”, afirma o presidente da Claro, José Félix.

Caminho para a expansão do 5G – Além das regiões que serão atendidas no plano inicial de implantação, a cobertura do 5G DSS da Claro crescerá gradativamente nos próximos anos dentro do projeto de modernização e expansão de capacidade de rede móvel da operadora.

Todos os investimentos feitos para implantar o 5G DSS serão automaticamente aceleradores da implantação definitiva do 5G, com a posterior adição do espectro de 3,5 GHz e das faixas de onda milimétricas. O investimento em aquisição de um smartphone 5G agora também está protegido, uma vez que o equipamento suportará também as novas frequências.

O espectro adicional, a ser leiloado pela Anatel, possibilitará expandir a capacidade de transmissão da rede 5G. Por utilizar frequências mais altas que as atuais, as novas faixas de espectro alocadas para o 5G exigirão a implantação de uma grande quantidade de antenas, para garantir cobertura e capacidade.

Outra evolução necessária, nesse caso para redução da latência, será a virtualização de funções de rede, com a descentralização do core para datacenters mais próximos dos clientes, tecnologia conhecida como edge computing. Esta é outra atividade atualmente em andamento no plano de modernização da rede da Claro.

No futuro, com mais espectro, mais antenas e uma nova topologia de rede, o 5G será veículo de uma grande transformação, conectando pessoas e sensores por meio de uma rede móvel de altíssima capacidade e baixa latência, capaz de automatizar e controlar as mais diversas atividades da sociedade.

A jornada rumo à solução definitiva e esperada do 5G, portanto, será longa e ainda vai requerer muito investimento, trabalho e tempo para implantação em todo o País. E a chegada do 5G DSS, utilizando as frequências atuais e a mesma topologia de rede atual, ajuda a acelerar a implantação da nova tecnologia, além de reforçar o compromisso da Claro com a inovação e com a implantação pioneira das mais modernas tecnologias na sua rede.

“O 5G DSS revela-se uma forma de trazer evolução gradativa e que vem sendo utilizada como alternativa pelas maiores operadoras do mundo, inclusive em economias desenvolvidas, como Estados Unidos e Europa, e onde o espectro de 3,5GHz e de ondas milimétricas já foi alocado” afirma o CEO da unidade de Consumo e PME da Claro, Paulo Cesar Teixeira.

A Claro está sempre em busca da inovação e tem contribuído nas discussões com Anatel e sociedade para que se chegue a um modelo de leilão que seja isonômico entre todos os participantes e com políticas que ajudem a acelerar os benefícios e a adoção da nova tecnologia.

Investimento em pesquisa e desenvolvimento – Pioneira na implantação de todas as gerações de telefonia no País, a Claro vem trabalhando em conjunto com os fornecedores, órgãos governamentais e instituições de pesquisa e desenvolvimento nos trabalhos de homologação e certificação da tecnologia 5G.

Em 2016, a Claro demonstrou uma rede pré-5G, com 5,6 Gbps de velocidade na faixa de frequências de 15GHz. Depois, em 2017, levou a realidade do uso de carros autônomos graças à baixa latência do 5G.

Em 2018, pela primeira vez no País, apresentou uma transmissão de vídeo Ultra-HD 8K em uma rede experimental de quinta geração. Ainda em 2018, foi pioneira ao instalar uma antena 5G no Brasil, no Rio de Janeiro, passando a colaborar com a Anatel e transformando o Centro de Pesquisas da Ilha do Fundão no laboratório de certificação da tecnologia no Brasil.

No final de 2019, a empresa protagonizou mais um marco tecnológico: fez do Allianz Parque o primeiro estádio brasileiro 5G. Na demonstração, pela primeira vez o Brasil viu uma transmissão holográfica em tempo real pela da rede 5G, que permitiu levar o músico Lucas Lima ao palco do espetáculo Led Zeppelin In Concert, com a Nova Orquestra, e fazer uma apresentação para o público.

Na ocasião, o artista estava a aproximadamente 17 quilômetros do estádio, na sede da Claro, localizada no bairro de Santo Amaro, Zona Sul de São Paulo.

Já na virada do ano, de 2019 para 2020, a Claro apresentou uma inovação das transmissões de grandes eventos no Brasil e viabilizou, em parceria com a Rede Globo, a primeira transmissão 5G do réveillon de Copacabana, a maior festa de Ano Novo do planeta.

Huawei e SAM lançam mineração inteligente

Huawei e SAM assinaram memorando para instalação da tecnologia 5G | Crédito: Reprodução

A Sul Americana de Metais (SAM) e a Huawei, a maior empresa de telecomunicações e redes do mundo, assinaram, nessa quarta-feira (8), um memorando para o desenvolvimento de tecnologia de mineração não tripulada e aplicação efetiva de 5G na operação do Projeto Bloco 8, que prevê a extração e beneficiamento de minério de ferro no Norte de Minas. O documento também prevê a realização de ações de responsabilidade social na região.

Segundo o CEO da SAM, Jin Yongshi, a empresa direcionou todos os seus esforços para criar um projeto de mineração extremamente seguro e uma das soluções é a mineração não tripulada, como operação autônoma ou remota.

“Hoje já existem caminhões e máquinas de perfuração autônoma e alguns outros equipamentos necessários para a operação de mineração podem ser controlados remotamente. Porém, precisaremos integrar enormes caminhões autônomos e equipamentos de controle remoto em um sistema de rede. Será necessário que máquinas imensas se comuniquem com o centro de comando, de forma eficiente com baixa latência e operem com segurança em uma única cava. Comparado com a rede 4G, o 5G tem a vantagem de velocidade e largura de banda muito maiores e latência (lentidão de dados) muito menor. Esse tipo de rede rápida, confiável e em tempo real pode quebrar o gargalo das operações autônomas atuais”, explica.

Jin Yongshi ressalta que a Huawei e a SAM combinarão suas capacidades tecnológicas para promover a inovação e o desenvolvimento abrangente na indústria de mineração no Brasil, uma nova maneira de mineração inteligente.

“Esta iniciativa sela nossa cooperação e otimiza a operação do Projeto Bloco 8, promovendo o acesso às vantagens da tecnologia 5G com alta largura de banda e baixa latência, melhorando a precisão e a estabilidade do controle não-tripulado de equipamentos de mineração e a aplicação do 5G na mineração em larga escala”.

Para o CEO da Huawei, Sun Baocheng, o 5G capacita a produção mineral, mantém a força de trabalho segura e melhora a qualidade de vida das pessoas. Segundo ele, coopera com empresas de telecomunicações brasileiras há mais de 20 anos, sem quaisquer problemas de segurança.

“Vamos incluir as operadoras nas negociações, a fim de contribuir para o aprimoramento da tecnologia e fornecer serviços de telecomunicações de melhor qualidade às comunidades locais, usando soluções de Tecnologias da Informação e Comunicação”, acrescenta.

Além disso, para criar mais benefícios sociais para a região do Projeto Bloco 8, as duas empresas irão treinar recursos humanos em nível técnico nas soluções 5G, AI e Cloud, criando mais oportunidades para que as pessoas da região aprendam e acessem alta tecnologia.

“Vamos promover a cooperação educacional com as universidades e escolas locais e, quando o Projeto Bloco 8 entrar em operação, vamos implementar um Centro de Inovação Tecnológica no norte de Minas Gerais”, finaliza Jin Yongshi.

O evento de assinatura do memorando, que foi virtual, contou com a participação de representantes do Ministério de Minas e Energia, vice-governadoria de Minas Gerais, Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Minas Gerais (Sisema), Agência de Promoção de Investimento e Comércio Exterior de Minas Gerais (Indi), Crea, Ibram, Fiemg Regional Norte de Minas e prefeituras de Fruta de Leite, Grão Mogol, Josenópolis, Montes Claros, Padre Carvalho e Salinas.