As obras dos mercados de Santa Tereza e Padre Eustáquio têm custo estimado de mais de R$ 13 milhões | Crédito: CMBH/divulgação

Os mercados municipais dos bairros de Santa Tereza (região Leste) e Padre Eustáquio (região Noroeste) foram concedidos por 25 anos ao consórcio formado pelo Grupo Uai, Fundação Doimo, Conata e Infracon, vencedores da licitação realizada pela Prefeitura de Belo Horizonte em audiência pública realizada nessa terça-feira (28), com uma proposta de pagamento para o município de R$ 305 mil ao ano.

Além do pagamento anual para a PBH, o contrato de concessão prevê a realização de obras de reforma, manutenção e administração destes mercados, bem como a construção de um centro cultural. As obras têm custo estimado de mais de R$ 13 milhões.

A expectativa com a transferência para a administração privada é de que os mercados, os quais estão ou fechados, no caso de Santa Tereza, ou subaproveitados, no caso do Padre Eustáquio, possam efetivamente exercer suas atividades originais, quais sejam, fomentar o comércio de produtos e serviços de pequenos produtores e artesãos mineiros, gerando emprego e renda, tornando-os centralidades de cultura e segurança alimentar para toda cidade.

De acordo com o vice-presidente da Fundação Doimo, Bernard Siríaco Martins, uma das integrantes do consórcio vencedor, “os mercados licitados não serão transformados em pequenos shoppings, a intenção é resgatar o conceito milenar dos mercados existentes em todo mundo, trazendo os sabores, os conhecimentos, os cheiros, os gostos e a cultura do nosso povo. Buscaremos criar um grande ambiente de negócios para o pequeno produtor através, inclusive, de parcerias com órgãos de certificação de produtos e de fomento dos produtores, parecido com que nosso grupo já aplica no projeto Mercado de Origem, o qual conta com parcerias de órgãos como Emater-MG, IMA-MG, Sesc, dentre outros.

O Mercado de Santa Tereza conta com área aproximada de 5.000,00/m², por sua vez, o Mercado do Padre Eustáquio possui área aproximada de 3.500,00/m², onde, ao longo da concessão, serão investidos mais de R$ 90 milhões entre obras, manutenção e melhorias, gerando oportunidade de negócios para centenas de comerciantes, gerando milhares de empregos de forma direta e indireta e atendendo toda população de Belo Horizonte e criando um ponto de referência cultural e turístico para cidade.